Despedida de Gonzalez deixa tênis sul-americano ainda mais órfão

Quando o Nicolas Lapentti anunciou a aposentadoria dele do tênis, no ano passado, tive a sensação de uma grande perda para o tênis sul-americano. Afinal, era mais um tenista que esteve entre os o top 10, jogou o Masters, enfrentou os melhores do mundo, se despedindo das quadras e sem sucessores à vista (pelo menos, próxima).

Ainda não tinha parado para pensar muito no Fernando Gonzalez, até acompanhar online o jogo dele de despedidado ontem, no Sony Ericsson Open, contra o Mahut (perdeu por 75 46 76(3), assistir a linda homenagem feita pela ATP e relembrar na minha cabeça os grandes momentos do chileno.

Pouco a pouco os grandes nomes do tênis sul-americano que tiveram papel fundamental no circuito da ATP, no final da década de 1990 e durante os últimos 12 anos, vão deixando o tour.

Guga foi embora em 2008, Nico Lapentti, no ano passado, Gonzalez neste ano. Marcelo Rios já tinha dito adeus há muito tempo. Gaudio, Coria, Cañas, Zabaleta, Calleri, entre outros, também já não estão mais competindo.

Se houvesse uma renovação, o momento seria nostálgico mas com um futuro bom para a região adiante. No entanto, se tirarmos Juan Martin del Potro, hoje não temos um tenista sul-americano que consiga chegar longe nos maiores torneios do mundo.

Para uma América do Sul que já teve 4 top 10, ter apenas 9 top 100 a situação é preocupante.

Preocupa ainda mais não ver nenhum sul-americano brilhando no Banana Bowl.

Ídolos que são capazes de mexer com os corações de uma nação são raridade hoje em dia na nossa região.

Estive no Chile em algumas ocasiões quando Gonzalez estava no auge, no ATP de Viña del Mar. Presenciei a força da torcida chilena em diversos torneios pelo mundo e acompanhei com colegas jornalistas chileno o impacto que ele tinha – tem – no País, alcançando final de Grand Slam, enfrentando os maiores do mundo, jogando Copa Davis, ganhando medalha olímpica.

São lacunas de jogadores tops – Gonzalez chegou o a ser o 5º na ATP – que vão ficando vazias e que farão falta num futuro bem próximo. Sem falar, que todos esses jogadores – Guga, Lapentti, Gonzalez, Canãs – entre outros – são bons rapazes, figuras bem quistas em todo o circuito.

 

Para quem não viu ainda, tem o vídeo de homenagem que a ATP e os tenistas prepararam para Gonzalez na noite de quarta-feira, em Miami, exibido na quadra central do Crandon Park.

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *