Tag Archives: Bellucci

Tenistas relembram seus melhores momentos na MasterCard Tennis Cup, em Campos do Jordão. Bellucci, Sá, Melo, Cortez, todos tem histórias para contar.

Estamos na 11ª edição da MasterCard Tennis Cup, em Campos do Jordão, o que significa que há 11 anos faço parte deste torneio feminino e masculino, que vale pontos para os rankings da WTA e ATP e distribui US$ 100 mil em prêmios.

Todos os anos, as semanas que antecedem o evento agitam o escritório da Try Sports – com montagem da estrutura no Tênis Clube – sala de imprensa, boleiros, árbitros, encordoamento, jogadores, staff, estandes de patrocinadores, Stela Artois Hall, espaço MasterCard Black – reserva de hotéis para staff, jogadores, convidados, logística de subidas e descidas da serra paulista, divulgação do evento, design e confecção da revista programa e muito mais. Todos os anos, nestas semanas que antecedem o evento me dá aquela preguiça de pensar que são duas semanas longas de evento em Campos do Jordão e no frio, o que me desanima mais.

Mas, ao chegar aqui, mesmo com o frio e as longas horas na sala de imprensa, a preguiça vai embora  – o frio não, mas a gente dá um jeito com agasalhos de neve e aquecedores na sala de imprensa, além de um bom vinho no Stella Artois Hall à noite.  É sempre um prazer encontrar velhos conhecidos, conviver com os meus amigos e colegas na sala de imprensa e pelo torneio e relembrar a história desta competição.

Para este ano, uma das pautas que programei para a revista da MasterCard Tennis Cup, foi com os tenistas falando de momentos marcantes para eles em Campos do Jordão e foram vários. Todos que jogaram aqui tem alguma lembrança bacana para retratar e eu reproduzo aqui esse material, que a Fabiana Oliveira e o Edgar Lepri apuraram com os tenistas.

 

MasterCard Tennis Cup é marco na carreira dos tenistas

 

Essa afirmação vem dos próprios jogadores que disputaram a competição nos últimos anos, em Campos do Jordão. Thomaz Bellucci, André Sá, Marcos Daniel, Marcelo Melo, Bruno Soares, Maria Fernanda Alves, Vanessa Menga, Ana Clara Duarte, entre muitos outros tenistas, guardam recordações especiais da MasterCard Tennis Cup. Confira o que eles lembram e os momentos mais marcantes do evento para eles.

 

Thomaz Bellucci

“Joguei algumas vezes em Campos. É um torneio gostoso, em uma cidade turística. Tive um bom resultado em um ano, então é um torneio que eu tenho uma lembrança especial. Fiz uma semifinal em um ano que eu estava perto dos 200 do mundo e subi legal no ranking, em 2007. São condições que eu gosto de jogar, sempre joguei bem em lugares mais altos e Campos, na época que eu jogava Challenger, eu sempre incluia no meu calendário. Acho que para os brasileiros é bom ter um Challenger com altitude maior e em quadra rápida.”

 

 

Marcos Daniel

“O torneio, com os anos ganhou tradição no Brasil. Já fizeram dez edições e o público sempre comparece. Essa continuidade é muito importante. Joguei diversas vezes e um jogo que me marcou, mesmo tendo perdido, foi a semifinal de 2005, em que perdi para o Del Potro e depois o André – Sá – acabou ganhando dele na final.”

 

Ana Clara Duarte

“A primeira vez que eu joguei em Campos,  eu tinha 15 anos – hoje tem 22 anos – , entao é um torneio bem especial pra mim. Já tive que disputar quali, outra vez me deram WC [convite] e nos últimos anos consegui entrar com meu próprio ranking.

Acho que o momento mais marcante foi quando ganhei da Jorgelina Cravero, em 2009. Ela defendia o título de 2008, era cabeça 1 do torneio e eu ganhei em três sets, com meu treinador e meus irmãos assistindo, com o apoio da torcida. Com certeza foi muito especial”.

 

Marcelo Melo

“Meu momento mais marcante foi quando eu fui campeão de duplas com o André, nosso primeiro título juntos. É muito importante ter torneios no Brasil deste nível. Essa oportunidade é muito boa para os jogadores brasileiros que ainda não contam com apoio”.

O título de duplas foi o primeiro de uma série de vitórias que levou Melo e Sá à semifinal de Wimbledon e a conquistarem 5 trofeus de ATP juntos

 

André Sá

“Com certeza o momento mais marcante para mim foi a final de 2005, quando eu derrotei o Del Potro, minha esposa estava grávida na torcida e eu dediquei a vitória à nossa filha. É de uma importância enorme ter um torneio com tanta tradição como a MasterCard Tennis Cup. É uma chance para os brasileiros conseguirem pontos importantes no ranking sem ter que viajar para muito longe”.

 

Vivian Segnini

“Meu momento mais memorável foi em 2008, quando alcancei a semifinal, ganhei bons jogos e recebi muito apoio da torcida. A quadra central é especial pra mim, me traz ótimas recordações. É muito importante para o tênis brasileiro ter um torneio como este. Por muitos anos foi o único challenger feminino realizado no Brasil e sempre reuniu as melhores jogadoras do País. Além dos pontos e da premiação em dinheiro, a estrutura e as facilidades são muito parecidas com a dos grandes torneios. É uma vritine do tênis nacional”.

 

Bruno Soares

“Pra mim, o momento mais marcante foi uma semifinal de duplas que eu fiz ao lado do meu atual parceiro, o Marcelo Melo. A gente tinha acabado de sair do juvenil e ganhamos o WC [convite]. Acabamos indo até a semi e ganhando de jogadores como Mario Ancic e Daniel Orsanic no caminho. Todo evento realizado no Brasil é muito importante para o tênis nacional. Nos dá a oportunidade de jogar em casa, viajando pouco e gastando menos. Coisas que nessa fase são muito importantes para os jogadores. Além de todo o charme da cidade de Campos do Jordão”.

 

Joana Cortez

“Um momento inesquecível foi a conquista do título de duplas em 2007, ao lado da Roxane Vaisemberg. A MasterCard Tennis Cup tem grande importância para o tênis brasileiro, porque oferece qualidade na organização, apoio aos atletas e visibilidade para patrocinadores, numa das cidades mais badaladas do inverno paulista”.

 

Teliana Pereira

“Sem dúvida, meu melhor momento na MasterCard Tennis Cup foi em 2007, quando eu ganhei meu primeiro Challenger, não só pelo fato de ter ganho, mas sim pela superação, pois fiquei doente durante o torneio. É o torneio [feminino] mais importante que temos no Brasil. As melhores tenistas do Brasil e da América do Sul jogam e isto alavanca o tênis feminino brasileiro. Deveria existir mais torneios fortes por aqui.”

 

Maria Fernanda Alves

“Meu momento mais marcante na MasterCard Tennis Cup foi quando venci em simples e duplas, no ano de 2004, alcançando meu melhor ranking na WTA. Senti muita alegria e felicidade. É um torneio feminino de tradição, estampando na mídia brasileira as tenistas do Brasil”.

 

Vanessa Menga

“O meu momento mais importante foi o ano de 2001, quando fiz duas finais, de duplas e simples, no mesmo dia. Perdi nas duas, mas foi um ótimo campeonato. Sempre joguei bem em Campos e adoro jogar em quadra rápida e com a torcida brasileira ao meu lado. O torneio de Campos é importantíssimo para todas as nossas brasileiras se destacarem e adiquiriem ritmo para os próximos campeonatos profissionais pelo mundo”.

 

 

 

Monique Albuquerque

“Acredito que passei por vários bons momentos na Mastercard Tenis Cup. Um dos mais marcantes foi quando fui para a final de duplas, em 2009, a minha primeira em um torneio deste porte e de tanta tradição como este. A Mastercard Tennis Cup é extremamente importante para o tênis do Brasil, pois é a possibilidade de jogar um torneio de nível Challenger em casa, além do que é uma chance de melhorarmos nosso ranking e jogar com outras tenistas de alto nível”.

Ricardo Mello

“Sempre tive uma identidade com Campos do Jordão. Foi lá que conquistei meu primeiro challenger, em 2001, e depois a Mastercard Tennis Cup, em 2002 e 2006. Ambos os títulos foram muito marcantes e é um torneio que gosto muito de jogar. Os challengers são torneios muito importantes e qualquer torneio desse nível, realizado no Brasil, é sempre bem-vindo. A Mastercard Tennis Cup é disputada na época de inverno em que Campos e se torna o centro das atrações no Estado. Um torneio que reúne gente bonita, num clima legal, bons jogos e boa premiação”.

 

 

 

 

 

 

 

 

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Muitas histórias do Brasil Open, desde o tempo em que 11 de setembro passou a ser mais do que uma data qualquer no calendário.

Não tem como não chegar a Salvador e pegar o transfer rumo a Costa do Sauípe e não passar um filme na cabeça. Afinal, o torneio existe desde 2001, estive em todas as edições do campeonato e mesmo antes dele acontecer, me lembro do Guga trabalhando nos bastidores da ATP para conseguir a data para o Brasil sediar um torneio desta categoria e do Carvalhinho, meu grande amigo e que foi empresário do Guga e que na época era o Diretor do ATP e montou o torneio inteirinho.

De todos estes anos vindo a Bahia não vou lembrar de tantos detalhes, mas alguns fatos são marcantes.

Lembro perfeitamente daquele 2001. Viemos direto de Nova York. Guga era o número um do mundo, era o primeiro ano do torneio. Nenhum de nós havia estado no Resort. Vínhamos de uma longa temporada nos Estados Unidos, que começara com uma semifinal no ATP de Los Angeles; terceira rodada em Toronto (naquela época não havia bye para os cabeças-de-chave nos Masters 1000); título em Cincinnati, com direito a dois jogos no mesmo dia da final; vice-campeonato em Indianápolis e quartas-de-final no US Open, em que mostrou os primeiros sinais de desgaste na derrota para Kafelnikov.

Chegou, como ele mesmo disse, “com as últimas forças” para jogar o ATP inaugural do Brasil na Costa do Sauípe, em quadra rápida, e foi jogar a primeira partida, no dia 11 de setembro, às 13h contra Flavio Saretta.

Pouco antes do jogo começar começamos a ouvir um burburinho de que estava havendo uma guerra nos Estados Unidos – havíamos saído de Nova York três dias antes -; minha mãe ligava para olhar a internet e ver as imagens do World Trade Center, cheio de cinzas em volta (muitos se perguntavam se era montagem). Começou um certo pânico entre os jogadores americanos.

Daqui da Bahia, no meio de um Resort, tudo que estava acontecendo em New York parecia surreal. Era tão distante que não parecia verdade.

Tentamos contato com nossos amigos em Nova York, mas as linhas para lá estavam congestionadas.

O torneio prosseguia normalmente. Guga foi para a quadra e não aguentou. Ganhou o primeiro set de Saretta, mas acabou perdendo por 4/6 6/2 6/4.

Em meio ao 11 de setembro, que então se tornaria uma data no calendário mundial que todos se lembram, a derrota de Guga passou praticamente despercebida. Nem destaque foi nos jornais.

Com compromissos para cumprir com patrocinadores, ficamos no torneio até o fim.

Meligeni surpreendeu, chegou à final, mas perdeu para o checo Jan Vacek. Havia também um torneio feminino, um WTA maior do que o ATP. Monica Seles erguia o trofeu de campeã, derrotando Jelena Dokic na final.

2002 –

Eliminado na primeira rodada em 2001, Guga queria triunfar no torneio brasileiro e cumpriu com seu objetivo. Conquistou o título, derrotando Guillermo Coria na final, por 6/7(4) 7/5 7/6(7), salvando match point, em um dos jogos mais emocionantes da história do torneio.

De quebra, ainda foi vice-campeão de duplas ao lado de André Sá.

2003 –

Muito se falou sobre a estreia de Guga contra Magnus Norman, que estreava em Sauípe. A vitória de Guga foi fácil por 6/3 6/2 e ele chegou tranquilo à semifinal. Mas, foi parado no terceiro set pelo alemão Rainer Schuettler, por 6/4 2/6 7/5. O título acabou ficando com o holandês Sjeng Schalken.

2004 –

Novo torneio. Depois de três anos disputado na quadra rápida o campeonato mudava para o saibro e passava a integrar a Gira Latino-Americana de torneios. Em vez de setembro, o ATP mudou para fevereiro e era carnaval.

O complexo estava lotado e todos os dias ouvíamos histórias de gente que havia ido a Salvador curtir a folia.

Outra vez chegamos cedo ao Resort. Guga havia sido vice-campeão em Santiago e gripado, perdido para o Ferrer na estreia em Buenos Aires.

De surpresa, raspou os cabelos e com novo visual chegou a Sauípe para jogar talvez uma das edições com mais nomes da história. Lembro que estavam o Moyá, Mantilla, Verdasco, Squillari, Gaudio já campeão de Roland Garros, Lapentti, Zabaleta, Gasquet, Acasuso, entre outros, todos no melhor das suas carreiras (fora o Verdasco, novato no circuito).

Depois da vitória na primeira rodada, duelo badalado com Gasquet. Vitória de Guga em dois sets e em poucos dias, mais uma final na Bahia. A chuva, no meio do carnaval, interrompeu a decisão com Calleri. Jogo só terminou no dia seguinte com triunfo de Guga, por 3/6 6/2 6/3, muita manifestação da torcida e chuva de confetti colorido em quadra.

A edição teve também encontro de Guga com Maria Esther Bueno e Ziraldo, que visitava o torneio.

2005 –

Guga não competiu, mas veio a Sauípe para cumprir compromissos com patrocinadores.

Chegamos nos últimos dias, a tempo de ver a partida entre Rafael Nadal e Ricardo Mello, em que Mello teve chances de ganhar do espanhol, que eventualmente se tornaria campeão ganhando de Alberto Martin na final.

2006 –

Não lembro muito desta edição do Brasil Open. Guga, ainda tentando se recuperar de sua lesão no quadril, perdeu para Andre Ghem na estreia. Nicolas Massu foi o campeão.

2007 –

Guga ainda tentava voltar a competir entre os grandes e estreou com vitória sobre Volandri, mas perdeu para Saretta, em três sets na rodada seguinte.

Como durante o tempo em que foi treinado por Hernan Gumy, Guga também treinava com Guillermo Cañas, ficamos por aqui para acompanhar o argentino que viria a se tornar campeão, ganhando de Ferrero na final. Cañas voltava de um longo período de inatividade e depois venceria, em duas semanas seguidas, Roger Federer, em Indian Wells e Miami.

2008 –

Quem não se lembra do início da emocionante turnê de despedida de Guga. O jogo foi contra Berlocq, mas o que ficou marcado foi a emoção de Guga em quadra após o jogo, as manifestações dos ídolos do esporte falando dele – inclusive Ronaldo -, a presença de amigos especiais como Moyá e Lapentti, as inúmeras entrevistas, enfim, uma semana de muitas homenagens.

Outra final espanhola na Bahia, com Almagro ganhando de Moyá.

2009 –

Bellucci surpreendeu chegando à final, mas foi superado por Tommy Robredo.

2010

Depois de alguns anos vindo jogar em Sauípe e proprietário de uma casa nas redondezas, Juan Carlos Ferrero enfim conquistou o troféu de campeão, ganhando de Kubot na final.

2011

O torneio está pronto para ver Thomaz Bellucci triunfar. Larri Passos é experiente nessas quadras e ao assistir o treino dele com o brasileiro no fim da tarde, hoje, na quadra atrás da central, o filme continuou passando pela minha cabeça.

Enhanced by Zemanta

2 Comments

Filed under Uncategorized

Nico Lapentti se despede e com ele uma era de sucesso do tênis na América do Sul

Nicolas Lapentti anunciou nesta segunda, em Guaiaquil, a sua despedida do tênis profissional, em um coletiva de imprensa que contou com a presença não só de jornalistas, mas do irmão e também jogador Giovanni, da noiva Maria, dos pais, de amigos como o ex-jogador Luis Adrian Morejon, do técnico Raul Viver, o maior ídolo do tênis do País, Andres Gomez, entre outros.

Aos 34 anos, o equatoriano não conseguiu se recuperar de lesões e se dedicará agora a projetos para desenvolver o tênis no seu país. Ainda jogará uma partida de despedida, mas sem data e adversário definidos.

Um dos “grandes” do circuito, não apenas como jogador, mas como pessoa, das mais educadas, gentis, elegantes e boas que convivi, Nico deixará saudades, especialmente para o tênis da América do Sul, que cada vez fica mais órfão de ídolos.

Nico chegou ao auge da carreira no fim da década de 90 e início da de 2000. Alcançou a semifinal do Australian Open, em 1999, ganhou 5 títulos de ATP em simples, 3 em duplas, disputou Master Cup, chegou ao 6º posto no ranking mundial, e quebrou inúmeros recordes na Copa Davis. É o tenista que mais jogos ganhou em cinco sets, em toda a história e na América do Sul, em números de partidas vencidas na competição, só perde para Thomaz Koch e Edison Mandarino.

Liderados primeiro pelo chileno Marcelo Rios e depois por Gustavo Kuerten, Lapentti fez parte de uma era de sucesso para o tênis da América Latina. Jogou com Rios e Guga, aliás um de seus melhores amigos no circuito, desde os tempos de juvenil até a despedida do brasileiro do circuito em que participou ativamente de todos os emocionantes momentos, com toda a geração argentina, de Squillari a Del Potro, com o peruano Horna, com o uruguaio Filippini, com os herdeiros de Rios, no Chile, Massu e Gonzalez, com o paraguiao Delgado, um pouco com os colombianos Giraldo e Falla, entre outros.

Lapentti integrou um top 10 histórico na ATP, o último de 1999, em que três jogadores latinos, de distintos países ocuparam lugares entre os 10 melhores do mundo. Guga era o 5º, ele o 8º e Rios, o 9º.  Depois só mesmo os argentinos juntos conseguiram ter presença marcante no top 10.

A aposentadoria de Nicolas Lapentti marca mais uma força latina fora das quadras, depois de Guga já ter parado, Rios há algum tempo, Delgado tendo se despedido há pouco, assim como Horna. Gonzalez se recupera de uma lesão, argentinos novatos no circuito são poucos e atualmente o mais bem ranqueado é Nalbandián, o 21º, seguido por Mônaco (28º) e Bellucci (30º). Parece o fim de uma era. São apenas oito latinos no top 10. Três brasileiros (Bellucci, Mello e Daniel), quatro argentinos (Nalbandián, Mônaco, Schwank e Chela) e um colombiano (Cabal).

Enhanced by Zemanta

2 Comments

Filed under Uncategorized

Depois das declarações de Bellucci, Copa Petrobras promete agitar ainda mais o tênis no Brasil

Bellucci teve contrato com a adidas oficializado nesta sexta (foto de Sarkar/AFP/Getty Images)

A Copa Petrobras ainda nem começou e já está criando polêmica no tênis nacional. Não é pela competição, que aliás é de fundamental importância para o tênis da América do Sul.

Lançada há mais de 10 anos como Copa Ericsson, viu grandes nomes do tênis sul-americano subindo no ranking jogando o Circuito Challenger da ATP do final da temporada.

Nesta sexta, no lançamento oficial da etapa de São Paulo, na Sociedade Harmonia de Tênis, o cabeça-de-chave 1 do torneio e campeão do ano passado, Thomaz Bellucci, ao explicar um dos problemas do tênis no Brasil, acabou exagerando em suas declarações, ao afirmar que não há técnicos competentes no País, além de Larri Passos, treinador que levou Guga ao topo do ranking mundial e o seu, João Zwetsch, atual capitão da Copa Davis.

Não estive no evento de lançamento, nem no almoço que seguiu a coletiva, por isso não gosto de criticar. Não sei qual teria sido o contexto da pergunta. Mas, de qualquer maneira, é sempre bom pensar antes de fazer uma afirmação destas ou estar pronto para aguentar as consequências.

Os repórteres da Tennis View, Edgar Lepri e Fabiana de Oliveira participaram da entrevista e reproduzo aqui a matéria publicada no nosso site, em que Bellucci também fala da derrota na Copa Davis e da semana dolorosa na Índia: “uma semana infeliz no calendário.”

São Paulo (SP) – A etapa paulista da Copa Petrobras foi lançada nesta sexta-feira, na Sociedade Harmonia de Tênis, com a participação dos tenistas Thomaz Bellucci, melhor brasileiro e número 27 do mundo, e Tiago Fernandes, ex-número 1 juvenil. Além de falar da importância de jogar em casa e defender o título de 2009, Bellucci aproveitou para se defender das críticas relacionadas à sua atual fase e à derrota da equipe na Copa Davis, na Índia, e defendeu a maior atuação de ex-profissionais como treinadores.

Para o atual melhor tenista do país, faltam técnicos competentes para alavancar a carreira de um jogador, principalmente depois que ele chega ao top 250. “Faltam técnicos que saibam tirar o potencial dos jogadores. O Larri (Passos, treinador de Fernandes) e João (Zwetsch, seu treinador), por exemplo, são exceções, porque poucos técnicos têm qualidade para treinar jogadores de alto nível”, afirmou.

Bellucci não descarta fazer parceria com um treinador estrangeiro no futuro e enaltece a escassez de treinadores no Brasil. “Às vezes, a solução é um técnico de fora, e isso seria normal no Brasil, pela falta de técnicos que temos”. O paulista de Tietê ainda defendeu uma maior participação de ex-profissionais no tênis atual. “O ex-tenista tem muito a acrescentar e poderia ajudar como técnico. Isso é mais comum no exterior”.

O brasileiro também analisou sua primeira temporada entre os melhores tenistas do mundo e rebateu as críticas à equipe que caiu diante da Índia na Copa Davis, em setembro. “Só joguei torneios grandes neste ano, e às vezes a gente é obrigado a pegar um top 5. É preciso saber lidar com as derrotas, mas acho que fiz um bom ano, principalmente no primeiro semestre, que é mais fácil para tenistas de saibro, e consegui me manter no top 30”.

O tenista reconhece que receberá mais críticas por ser o número 1 do Brasil e precisa saber como enfrentá-las. Sobre a derrota na Davis, ele afirmou que na semana seguinte, quando voltou ao Brasil, ficou três dias sem conseguir fazer nada, pelo desgaste físico e mental da competição e do calendário longo na temporada. “A semana da Davis machucou muito todo mundo que estava lá. Não atrapalhou muito meu calendário, mas não caiu muito bem, pelas viagens longas que fiz. Fico um pouco chateado pelas críticas porque nunca deixei de defender o Brasil”.

Mais informações no www.tennisview.com.br

PS: Em tempo. A adidas confirmou hoje a parceria com Bellucci. O tenista já vinha usando o uniforme da marca há algum tempo, mas o contrato ainda não havia sido oficializado. www.tennisview.com.br

Enhanced by Zemanta

3 Comments

Filed under Uncategorized