Tag Archives: bellucci brasil

Nadal avisou: surpresas podem acontecer nas olimpíadas. Quase que o Bellucci surpreende.

Lembro exatamente quando estava procurando informações para escrever uma material sobre as Olimpíadas, das afirmações de Rafael Nadal, em uma entrevista coletiva, de que jogos em três sets na grama, poderiam trazer muitas surpresas. Uhm, não havia pensado nisso. Nadal foi a própria surpresa, ao ficar fora dos Jogos de Londres, mas neste domingo deu para ver claramente, nas vitórias aperdas de Jo WIlfried Tsonga sobre Thomaz Bellucci e de Novak Djokovic, diante de Fabio Fognini.

Bellucci, que só entrou na chave olímpica graças a um convite da ITF e fez por merecer nas últimas semanas com os bons resultados na ATP,  e Tsonga, o 6º colocado no ranking mundial e semifinalista em Wimbledon, há três semanas, fizeram um primeiro set equilibradíssimo. Bellucci jogou melhor o tie-break e venceu.  No segundo, Tsonga foi um pouco superior e no terceiro, o brasileiro chegou a ter dois break points no começo do set decisivo. Não converteu e Tsonga, quando teve a oportunidade, aproveitou e vibrou com o box da França lotado, centrado no medalhista Arnaud Di Pasquale, hoje diretor de desenvolvimento de alto nível da FFT.

Bellucci tentou reagir, mas uma quebra de saque na grama, ainda mais em jogos de três sets, tem se provado praticamente fatal e Tsonga selou a vitória com 6/7 6/4 6/4.

Ao lado de André Sá, no sábado, ele já tinha feito uma boa estreia nas duplas, contra os irmãos Bryan. Também venceu um set, mas no fim, os melhores duplistas da história acabaram confirmando o favoritismo.

Com duas boas atuações, mas sem a vitória, pelo menos mostrando evolução, Bellucci encerra a participação em Londres.

O Brasil ainda continua na competição. Melo e Soares, que ganharma de Isner e Roddick, aguardam os vencedores do jogo entre os italianos Seppi e Braccialli e os checos Stepanek e Berdych. Só devem voltar a jogar na terça-feira.

 PS – sobre o Djokovic, o campeão de Wimbledon 2011, da mesma maneira do Tsonga, perdeu o primeiro set por 76 (7), num jogo interrompido pela chuva. Precisou vencer mais dois para ganhar do show man Fognini.

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Bellucci campeão: Como é bom ver um brasileiro erguer um trofeu de ATP novamente

 Há um mês, quando nosso reporter da Tennis View, Renan Justi, entrevistou Thomaz Bellucci, em Wimbledon, a afirmação dele foi clara: “meu objetivo é marcar pontos no ranking.” O objetivo foi mais do que cumprido e corado neste domingo com o título do ATP de Gstaad, o terceiro da carreira e o segundo nas montanhas da Suíça.

 

Depois da derrota na estreia em Roland Garros e Wimbledon, Bellucci foi buscar, talvez, o que mais precisava. Aceitou o desafio de jogar um torneio Challenger, na Alemanha, em Braunschweig e saiu com o trofeu de campeão. Não ganhou de nenhum tenista top, mas venceu cinco jogos seguidos, o que só havia acontecia neste ano, em Nice, quando jogou o qualifying e foi até as quartas-de-final.

 

Sem desgastes com longas viagens, Bellucci continuou na Alemanha e foi jogar em Stuttgart,onde seu técnico Daniel Orsanic já havia sido campeão de duplas, com Jaime Oncins. Onde Guga fora bicampeão de simples e campeão de duplas com Fernando Meligeni. Alcançou a semifinal, com vitória sobre Bernard Tomic, no caminho e só parou perdendo em três sets para Janko Tipsarevic, por 6/4 2/6 6/4.

 

De Stuttgart, no sul da Alemanha, ele foi para a Suíça, jogar em Gstaad, no ATP 250, onde em 2009, como um qualifier, havia erguido o seu primeiro trofeu de campeão de um torneio ATP.

 

Venceu fácil Blaz Kavcic, na estreia, ganhou do cabeça-de-chave 4, Mikhail Youzhny na segunda rodada, de quem nunca havia vencido em três confrontos anteriores e já estava nas quartas-de-final. Ganhou do espanhol Feliciano Lopez, cabeça-de-chave 5, sem dificuldades e na semi encarou o búlgaro Grigor Dimitrov, ganhando em dois sets do tenista que vem sendo considerado um fortissimo candidato a top 10.

O adversário da final era o mesmo top 10 (8º na ATP), que o havia derrotado na semi em Stuttgart, Janko Tipsarevic.

Perdeu o primeiro set, mas não se perdeu no jogo e venceu por 6/7(6) 6/4 6/2.

 

O sorriso do triunfo e a comemoração da vitória foram diferentes daquele título de 2009. O trofeu há três anos veio de forma inesperada. Ele estava jogando o qualifying, foi indo, ganhou o torneio e foi subindo no ranking. Alguns meses depois, no início de 2010, ganhou outro ATP, em Santiago e se passaram dois anos e meio até que ele sentisse o gostinho do que é levantar um trofeu de ATP novamente e vendo seu ranking oscilar, aguentando críticas e tendo que trabalhar muito para ver o seu nome como campeão de um ATP de novo.

Critiquem, reclamem, palpitem sobre o Thomaz, gostem ou não, mas o que de fato importa é que ele foi atrás dos objetivos e deu a todos nós a satisfação, a alegria de ver um brasileiro campeão de um ATP.  E se vai sem uma preparação específica na grama para as Olimpíadas de Londres, em Wimbledon, vai em alta com um dos aspectos que mais influenciam o jogo de qualquer tenista, a confiança.

Leave a Comment

Filed under Uncategorized