Tag Archives: Corona Park

Schiavone diverte publico e quer mais um Grand Slam. “Depois que voce ganha um, fica com fome.”

O US Open já entrou hoje na sua segunda semana. Confesso que não havia reparado, até chegar hoje a Flushing Meadows, que as mulheres jogavam por vaga nas quartas-de-final.
Dos quatro jogos femininos de oitavas-de-final deste domingo, escolhi o da Schiavone para dar uma olhada. Queria ver a italiana campeã de Roland Garros jogando em Nova York.
Amigos que vieram ao torneio nesta semana já tinham falado que os jogos dela estavam um show. Primeiro, porque joga um tênis clássico e inteligente e depois porque sempre dá o seu melhor em quadra, vibra, chama o público.
Um jornalista comentava que ir a um torneio e assistir um jogo da “French Open champion” já vale o ingresso.
Tenho que concordar.
Ela é uma “show woman,” e neste domingo o show demorou apenas 68 minutos. Ganhou de Pavlyuchenkova por 6/3 6/0 e está nas quartas-de-final do US Open Tennis Championships pela segunda vez na carreira.
A primeiro foi em 2003, quando foi derrotada por Jennifer Capriati.
Desde a vitória em Roland Garros, no início de junho, o melhor resultado de Schiavone havia sido as quartas-de-final em Montreal, em seis torneios que disputou.
Agora, ela “desencantou” de novo e quer escrever um novo capítulo na sua história.
“Venci um Grand Slam e quero outro. Tenho fome de vitórias, mas tenho que respeitar o Grand Slam e ainda estou longe do ultimo jogo,” disse a italiana, na sua sempre divertida entrevista coletiva.
Perguntaram para ela, qual era o sabor da quadra rápida do US Open, já que havia experimentado o saibro de Roland Garros. Ela falou que ainda não provou, mas que vai pensar em algo se continuar vencendo.
Schiavone também disse que com seu jogo variado e o spin, causa problemas para as jogadoras, por isso está se saindo tão bem. “Eu sou rápida e vario muito as jogadas. Isso atrapalha as jogadoras. Não é como no saibro em que mais lento e dá para fazer uns 10, 20 ou 30 golpes num ponto, mas ao mesmo tempo posso sacar e volear, posso jogar rápido ou mais devagar. É como a pizza Capricciosa. Não é margherita. É Capricciosa, a mesma mas com um ingrediente diferente.”  Pizza aliás, que ela tem comido em Little Italy.
Perguntaram para Schiavone se ela sentiu a pressão depois de Roland Garros. Perdeu na estreia em Wimbledon e em outros torneios também, ou na segunda rodada. Ela explicou. “Pressão tem todos os dias, quando você joga a primeira rodada ou a final. Eu só não estava com energia suficiente.”
Depois de mais de meia hora de entrevista coletiva, em ingles e italiano, a sétima colocada no ranking mundial, ainda passou outra hora dando entrevistas no jardim da sala dos jogadores para uma série de televisões internacionais.
Agora, ela vai descansar e se preparar para o próximo desafio: Venus Williams, que ganhou de Shahar Peer, por 7/6(3) 6/3 e causou com seu vestidinho rosa brilhante.
Clijsters, mais em casa do que nunca, venceu a 18ª partida consecutiva no torneio, ganhando de Ivanovic por 6/2 6/1.
O outro joga das oitavas-de-final deste domingo é entre Stosur e Dementieva. Último jogo da rodada no Arthur Ashe Stadium.
PS – peco desculpas por qualquer falha de acentuacao e por nao ter fotos hoje. Problemas no computador.

Leave a Comment

Filed under Uncategorized