Tag Archives: Federer

Djokovic comprova evolução mental e física na conquista do Australian Open

Lembro logo que o Australian Open começou de ter ouvido uma pergunta para o Djokovic, após uma de suas vitórias, que me chamou a atenção. A questão era. Desde Roland Garros você vem melhorando de produção nos Grand Slams. Foi às quartas em Paris, à semi em Wimbledon e a à final no US Open. Vai ganhar o Australian Open?

Sim, Novak Djokovic, o “Imperador da Sérvia,” ganhou o  seu segundo título de Grand Slam, convincentemente, derrotando Federer na semifinal e Andy Murray na decisão, por 6/4 6/2 6/3, sem falar do Berdych nas quartas.

Como a comparação da evolução dos resultados nos Grand Slams, a vitória para a Sérvia na Copa Davis, no fim do ano, é notória a evolução mental, física (lembra quando ele tinha que abandonar jogos, especialmente no calor, por não aguentar fisicamente?) e técnica do seu jogo.

Para duelar de igual para igual com Federer e Nadal, teve que  fazer mudanças em todos os planos do seu jogo.

Mudanças que ele mesmo explica e que foram principalmente mentais e físicas. Como costuma dizer o colunista de preparação física e mental da Tennis View, o internacional Steve Jack, não há como separar a mente do corpo. Djokovic comprova.

Veja o que ele disse na entrevista coletiva do campeão do Australian Open 2011.

N  Djokovic – 30 01 11 1

Q.  Do you think you could play any
better than this?  Is it a perfect match that
you expected, that you dream of, or not?
NOVAK DJOKOVIC:  This was a great match.  From the start to the last point, I did what I intended of doing tactically, what I talked with my coach, what I prepared for.  Physically I was very fit. I had two days between the semifinals and finals match, which was important at this stage of the tournament.  Because I was aware of the fact that I
am going to — yeah, bring it to me.  (Laughter.)  That will have long rallies and I will have a player who doesn’t miss a lot, a very talented player who is one of the best returners in the game.  And, yeah, you know, I had to step in.  That was the key.  When I had the chance to step in and try to move him around the court, that’s what I did.  Probably the turning point was the last game of the first set where we had some incredible exchange from the baseline, long rallies, and some passing shots that turned the
match around.  You know, when you have a set advantage, it’s much different, you know, instead of getting into the match.

Q.  It’s been three years between getting one of those.  Do you feel like now that you’re older and more experienced, it
won’t be as long the next time?
NOVAK DJOKOVIC:  Yes, I feel like more experienced player.  I feel a better player
now than I was three years ago, because I think that physically I’m stronger, I’m faster, mentally I’m more motivated on the court.  I know how to react in certain moments, and I know how to play on a big stage.  It’s the best way that I could ask for to start a season.

Q.  How did you fix your serve?
NOVAK DJOKOVIC:  Well, hitting thousands and thousands of balls on the practice.  It’s all about hard work and patience, I guess, dedication to the hard work which in the end pays off.  That’s the situation.  There is no secrets.  Of course, I was aware of what I do wrong.  But once it gets into your head, it’s really hard to get it out of your habit.  Everybody was, you know, criticizing me, Why did I change my serve?  I didn’t change it intentionally.  It just came like that.  I worked hard the last 10 months, and
now it’s back.

Q.  You took a tough loss here last year, Roland Garros obviously, and then even
Wimbledon.  Did something happen in between Wimbledon and the hard courts where you regained confidence?
NOVAK DJOKOVIC:  Something switched in my head, because I am very
emotional on and off the court
.  I show my emotions.  This is the way I am.  Everybody’s
different.  The things off court were not working for me, you know.  It reflected on my game, on my
professional tennis career.  But then, you know, I settled some things in my head.  It was all on me. You know, I had to try to find the best possible solution and try to get back on the right track.  That’s what I did.

Q.  Can you talk about some of those secrets that you discovered about yourself that helped you get back on track?
NOVAK DJOKOVIC:  As I said, you know, something switched in my head.  It’s been a big mental struggle, because I was trying to separate my, of course, professional life from my
more private life.  But, you know, if somebody’s emotional — we’re all humans.  It’s not possible.  If something isn’t working off court, then it’s going to reflect on the court.  I managed to solve that problems.
This is all part of life.  Of course, everybody’s facing difficult situations in their lives.  To overcome the crisis and to stand up
and try to still dedicate yourself to the sport was a big success for me as a person.

Q.  You said you were sure Andy would win one one day.  What makes you sure?
NOVAK DJOKOVIC:  I just said.  He’s, first of all, a very talented player and he’s a hard
worker.  He’s been in finals three times, and he just needs to make that final step.
Of course, it’s not easy.  You could see his struggle and frustrations tonight, because he
felt his chances to win a first Grand Slam trophy tonight.
But, you know, it’s a learning process, I guess.  It wasn’t easy for me, as well.  I know
how he feels.  I’m sure that he knows how he feels the best.  He’s still young.  I’m sure he’s
gonna have more chances to win it, so…

Q.  Three sets to Federer and three sets to Murray.  How different were you  feeling against Federer and Murray?  When
you were more worried?
NOVAK DJOKOVIC:  You’re always worried, the semifinals and finals of Grand Slam.
You have your own worries and little pressure and expectations and things that you feel during the match.
But, you know, you work hard to be mentally prepared for these moments and physically fit to overcome the long five-setters.

You know, both of those matches were different, because I played against two different types of
players.  You know, I take always one match at a time.  I try not to look who I’m going to play, you
know, in the later stages of the tournament, even though maybe as a top player I’m expected to.
But, you know, it’s always been like that.  I always try to take one match at a time.

Q.  You have so much in common.  What’s the difference between having two Grand Slams and not having one?  What’s the
difference between you, do you feel?
NOVAK DJOKOVIC:  Well, it’s hard to say.  What do you mean?

Q.  Do you feel for him it’s a mental issue in the big matches?  You looked very confident and strong out there tonight.
NOVAK DJOKOVIC:  Well, it is in some ways a mental issue when you are facing a
situation, playing the finals of a Grand Slam, being so close to winning a title.  Every time you get it there, you know, you want to win it badly, but some things go wrong.  You’re thinking too much.  You’re worrying too much in your head.
It’s a mental battle, definitely.  Bottom line is that this is a very mental sport in the end
.  Everybody
is very fit.   I think tennis has improved so much in the last couple of years.  It’s incredible.  To compare the tennis from 2007, ‘8, to the tennis of 2010, ’11, I have the feeling the ball is traveling much faster, they’re big hitters, big servers.
So in order to keep up, you have to be always dedicated professional and consistent with your success.

Q.  There are a few people saying now that because Rafa and Roger went out before the final, the tide is turning, a changing of the guards, so to speak. Do you feel that’s the case?
NOVAK DJOKOVIC:  Still Rafa and Roger are the two best players in the world.  No question about that.  You can’t compare my
success and Murray’s success to their success.  They’re the two most dominant players in the game for a while.  All the credit to them.  It’s nice to see that there are some new players in the later stages of Grand Slams fighting for a title.  That’s all I can say.

Q.  Some of your footwork was outstanding.  At the end when you took your shoes off to throw them into the crowd, you
took out the insoles.  Do you have to have special insoles?
NOVAK DJOKOVIC:  Yes.  That’s the secret to my footwork.  You got me there
(smiling).

Q.  The Davis Cup win and now this, the last two months, has this been the best period in your life so far?
NOVAK DJOKOVIC:  On the tennis court, yes.  Yeah, Davis Cup title and another Grand Slam title.  I’m living the dream of a tennis player, definitely.

Q.  Are you more focused than ever on your game?
NOVAK DJOKOVIC:  Yeah, I’m very focused.  Yes, I have been more focused and dedicated to the sport than I have ever been before.

Q.  There are only two players but Nadal and Federer that have won two slams, you and Hewitt.  Hewitt when he did it, he
stopped.  What do you expect from yourself, to win many?
NOVAK DJOKOVIC:  I don’t want to stop here.  Definitely I want to keep my body healthy,
fit, and ready for some more challenges to come.

I feel that I have a good game for all the surfaces.  I have proven that in the past.

Q.  Which ones?
NOVAK DJOKOVIC:  Hard court.  Hard
court is my favorite surface.  Two finals in US
Open and two finals here.  It’s obvious; results
are showing everything.
But, still, I feel I can do well at French
Open and Wimbledon.

Q.  You’ve driven yourself to the point of exhaustion, overplaying, in previous seasons.  How do you avoid doing that again
this year?
NOVAK DJOKOVIC:  Well, I think you’re getting wiser by the time of being a part of this
sport.  You are more aware of the things that you should do and not do.  I was spending too much
energy on the things I shouldn’t spend on.  I mean, it’s school, a learning process.
That’s why I have a big team around me of people who are organizing my time and making me feel a bit released and making me perform the best that I can on the court.

Enhanced by Zemanta

1 Comment

Filed under Uncategorized

Australian Open vai começar! Federer vai atrás do recorde das mulheres

Parece estranho, mas o primeiro Grand Slam do ano já vai começar neste domingo à noite para nós brasileiros.

Há pouquíssimo tempo, pouco mais de um mês, estávamos assistindo Roger Federer derrotar Rafael Nadal na final do Barclays ATP World Championships, em Londres e agora todos já estão do outro lado do mundo, na Oceania, para jogar o Australian Open.

Aqui vão alguns dados interessantes sobre a competição.

  • É a 28ª no Melbourne Park, conhecido anteriormente como Flinders Park.
  • Premiação total é de AUD 8,9 milhões (equivale praticamente ao dólar Americano). É a maior premiação de todos os Grand Slams. Os campeões de simples ganham AUD 2,2 milhões cada.
  • Quando Rod Laver derrotou Andres Gimeno na final, em 1969, ele ganhou AUD 5 mil.
  • Rafael Nadal pode se tornar o primeiro homem desde Don Budge e Rod Laver a vencer os quatro torneios de Grand Slam na sequência, já que ganhou Roland Garros, Wimbledon e o US Open na semana passada. Sampras e Federer também tiveram essa oportunidade, mas não alcançaram o feito. Sampras perdeu para Courier nas quartas-de-final de Roland Garros em 1994 e Federer para Nadal, nas finais de Roland Garros de 2006 e 2007.
  • Federer agora está atrás das mulheres. Já quebrou todos os recordes de número de títulos de Grand Slam de simples. Tem 16 e quer agora passar Navratilova e Evert. Elas tem 18 cada. A maior detentora de títulos de simples de Grand Slam é Margaret Court, com 24.
  • Só um tenista tem mais do que quatro títulos em Melbourne: Roy Emerson. São seis troféus do australiano. Federer tem 4, assim como Agassi.
  • Este é o 45º Grand Slam consecutivo que Federer disputa. O sul-africano Wayne Ferreira é o jogador que mais vezes jogou Grand Slams na sequência. Foram 56.
  • Federer é o atual campeão do torneio. A última vez que um detentor do título foi derrotado na primeira rodada foi em 1996, quando Becker perdeu para Moyá.
  • São 6 os campeões de Grand Slam na chave principal: Federer, Nadal, Del Potro, Roddick, Hewitt e Djokovic.
  • Nos últimos 13 anos 8 jogadores alcançaram a única final de Grand Slam da carreira, no Australian Open: Rios, Enqvist, Clement, Johansson, Schuettler, Baghdatis, Tsonga, Gonzalez. Destes, só Johansson foi campeão.
  • Gustavo Kuerten foi cabeça-de-chave 1 do Australian Open em 2001, há 10 anos. Perdeu na 2ª rodada. Hewitt é o único cabeça-de-chave 1 da história a ter sido eliminado na estreia, em 2002. Nadal é o cabeça-de-chave 1.
  • O último australiano a vencer o Australian Open foi Mark Edmonson, em 1976. Hewitt foi o último a alcançar uma final, em 2004, perdendo para Federer.
  • Federer pode alcançar mais um recorde neste Grand Slam, o de títulos em quadras rápidas. Ele tem 45 contra 46 do líder Andre Agassi.
Enhanced by Zemanta

1 Comment

Filed under Uncategorized

Federer é campeão do ATP World Finals. Dez anos atrás era o Guga

Federer é pentacampeão da Masters Cup, agora ATP World Finals. Derrotou Rafael Nadal na final deste ano, na O2 Arena, in London, por 6/3 3/6 6/1 e encerrou a temporada com um título importante, assim como começou, vencendo o Australian Open.

Federer creditou o título ao novo técnico Paul Annacone e disse que arriscou jogando cinco torneios em sete semanas, que estava cansado, mas que em 20 anos não se lembraria do cansaço e sim dos títulos que venceu.

A colocação de Federer é perfeita.

Essa época de Masters Cup é sempre um pouco nostálgica para mim. Não tem como não lembrar daquela semana inspirada de Guga em Lisboa, 10 anos atrás, vencendo Pete Sampras e Andre Agassi na sequência para vencer o campeonato e chegar ao topo do ranking mundial. Não tem como não ficar relembrando cada momento, nesta época, tendo vivido de perto tudo aquilo.

Como o calendário naquela época era ainda mais longo, esta semana começaria amanhã para o Guga.

Por isso, os próximos dias deste blog serão dedicados a relembrar cada momento daquela semana mágica em Portugal.

Para começar, reproduzo a materia que escrevi para edição 109 da Tennis View, em que relembro a temporada do ano 2000 de Guga.

Somente ao escrevê-la é que eu tive noção de quanto ele jogou e viajou naquele ano. Muito mais do que Federer jogou nas últimas semanas, mas com certeza, o Guga não fica lembrando do cansaço e de quantas semanas ele ficou fora de casa. O que está e ficará para sempre são os títulos especiais que ele conquistou no ano 2000, culminando com o Masters.

Uma viagem pela temporada de Guga

Dez anos atrás o circuito mundial de tênis era dominado por um brasileiro.

Essas palavras, às vezes, parecem ter saído de um sonho, mesmo para nós que acompanhamos cada vitória daquela trajetória.

Mas, foi real. Um brasileiro ganhou Roland Garros três vezes, venceu Masters 1000 e chegou ao topo do ranking mundial.

Não só alcançou o lugar mais alto do ranking, como terminou uma temporada como o melhor do mundo, fato inédito para um sul-americano, ao vencer a Masters Cup de Lisboa – hoje o Masters – e depois de ter ganhado de Pete Sampras e Andre Agassi, na sequência. Feito que só ele na história do tênis atingiu.

Dez anos atrás, o mundo do tênis se curvava a Gustavo Kuerten.

A vitória sobre Andre Agassi, em Lisboa, por 6/4 6/4 6/4, encerrou uma temporada mágica para Guga. Uma, que como ele costuma dizer que “nem nos meus melhores sonhos poderia imaginar que conquistaria tanto.”

Para comemorar esse momento e o dia 04 de dezembro, em que viu seu nome no primeiro posto do ranking mundial, pela primeira vez, Guga jogará uma exibição com Agassi, no Maracanãzinho, no dia 11 de dezembro deste ano.

Tennis View, para homenagear o eterno número um e mostrar, relemebrando a história, que o Brasil já teve o melhor do mundo, vamos fazer uma retrospectiva da temporada que levou Gustavo Kuerten ao auge da sua carreira.

Guga começou o ano 2000 como o 5º colocado no ranking mundial.

Perdeu nas estreias dos ATPs de Sidney e do Australian Open, para os espanhóis Francisco Clavet e Albert Portas.

Logo depois venceu o francês Jerome Golmard, na Copa Davis, em Florianópolis e perdeu para Nicolas Escude, quando já não valia mais nada.

Foi à Cidade do México, com o ranking na 6ª posição, jogar o ATP local e depois de ganhar de Gaston Etlis na estreia, perdeu para Juan Ignacio Chela.

A temporada começou a tomar o rumo de um ano vitorioso no torneio seguinte, o ATP de Santiago, em que foi campeão de simples, sem perder um set, e duplas.

Guga e Antônio Prieto - campeões em Santiago

Ganhou, na sequência de Jean Rene Lisnard, Orlin Stanoytchev, Agustin Calleri e Mariano Puerta.

Nas duplas, ganhou o troféu ao lado de Antonio Prieto, vencendo Lan Bale e Pietr Norval.

De volta à 5ª posição no ranking, foi até a semifinal do ATP de Bogotá, derrotando Sergi Brugera, Sebastian Prieto, Markus Hantschk e perdendo para Puerta.

A breve temporada norte-americana de quadras rápidas (6º no ranking) foi marcada pela derrota na segunda rodada em Indian Wells (venceu Justin Gimelstob na estreia), para Tommy Haas e pelo vice-campeonato em Miami.

Guga, vice em Miami

A campanha em Key Biscayne começou com Guga tendo que salvar match point contra Arnaud Clement na estreia. Depois ganhou de Goran Ivanisevic, Gianluca Pozzi, Wayne Ferreira, Andre Agassi, o número um do mundo na época e perdeu uma das mais marcantes decisões da carreira, para Pete Sampras.

Sem tempo para comemorar a chegada à final em Miami, o brasileiro, novamente no 5º posto da ATP, voou no mesmo dia para o Rio de Janeiro, para defender o Brasil na Copa Davis, contra a Eslováquia. Ganhou de Karol Kucera, mas não resistiu a Dominik Hrbaty. Fernando Meligeni acabou fechando o confronto e colocando o Brasil na semifinal da competição.

Guga- Brasil na semi da Davis

Com a sua melhor posição na temporada, a quarta, Guga foi a Monte Carlo e perdeu para Kucera na estreia.

Ficou treinando e com dois lugares atrás no ranking foi para a Itália. Derrotou, na sequência, em Roma, Golmard, Mark Philippoussis, Younes El Aynaoui, Albert Costa, Alex Corretja e só parou na final diante de Magnus Norman.

Próximo destino: Hamburgo.

A primeira vitória na Alemanha, com o ranking na 7ª posição, foi sobre Karim Alami. Em seguida, ele derrotou Sebastien Grosjean, Wayne Ferreira, Norman, Andrei Pavel e em uma emocionante final, de mais de quatro horas, Marat Safin na final.

Era o segundo título da temporada.

De volta ao seu torneio favorito, Guga disputava Roland Garros como o quinto do mundo e cabeça-de-chave cinco. Arrasou Andreas Vinciguerra na estreia, perdendo só três games. Não deu chances a Marcelo Charpentier, na segunda rodada. Ganhou de Michael Chang, que se despedia das quadras, na terceira fase e eliminou o amigo Nicolas Lapentti nas oitavas-de-final. Depois de estar perdendo por 2 sets a 1 para Yevgeny Kafelnikov virou e avançou à semifinal. O mesmo aconteceu contra Juan Carlos Ferrero e Guga estava em mais uma decisão de Roland Garros.

Guga bi em Roland Garros

O adversário era um de seus grandes rivais da temporada: Norman. Depois de onze match points, o brasileiro erguia o seu segundo título em Paris e o terceiro da temporada.

Depois de surgir no quarto lugar do ranking e com dreadlocks em Wimbledon, alcançando a terceira rodada na Inglaterra (venceu Chris Woodruff e Justin Bower, perdendo para o alemão Alexandre Popp), Guga foi para a Austrália, defender o Brasil na Copa Davis. Perdeu para Patrick Rafter e viajou para a América do Norte.

Ganhou da Arnaud di Pasquale an estreia em Toronto, mas perdeu para o local Sebastien Laureau na segunda rodada.

Em Cincinnati, estreou derrotando Jerome Golmard e depois passou por Gianluca Pozzi, Stefan Koubek e Todd Martin, para alcançar a semifinal do Masters 1000 do meio-oeste americano. Perdeu uma disputada semifinal, no tie-break do terceiro set para Tim Henman.

Começou a campanha no hoje extinto torneio de Indianápolis com o seu melhor ranking, o 2º e com  vitória sobre Todd Woodbridge. Depois a vítima foi Taylor Dent, seguida por Wayne Ferreira, Lleyton Hewitt e por fim o russo Marat Safin.

Era o primeiro troféu de Guga em quadras rápidas e o quarto do ano 2000.

O bom momento parou em Wayne Arthurs, na estreia do US Open, em que perdeu no tie-break do quarto set.

Nova viagem a Austrália levou Guga às Olimpíadas de Sidney, em que, na 3ª posição na ATP, começou vencendo Christophe Pognon, Rainer Schuettler e Ivan Ljubicic, para chegar às quartas-de-final em que foi parado por Kafelnikov.

A temporada continuou na Ásia, com as quartas-de-final nos ATPs de Hong Kong e Tóquio. Ganhou de Vincent Spadea e Sargis Sargsian, perdendo para Rafter no primeiro torneio. Superou Nicolas Massu e Andrea Gaudenzi no Japão, perdendo para Hrbaty.

Da Ásia, a longa temporada de Guga, seguiu para a Europa, com uma vitória sobre Nicolas Escude em Stuttgart – indoor – e derrota para Grosjean.

Em Lyon, com uma breve volta ao segundo lugar no ranking, nova derrota para Rafter nas quartas-de-final, depois de ter vencido Pavel e Michael Llodra.

O último Masters 1000 do ano, em Paris, viu Guga, 3º da ATP, vencer Woodruff, Rafter e Albert Costa, só parando na semifinal diante de Philippoussis.

O brasileiro chegava ao último torneio do ano, a Masters Cup, em Lisboa, com poucas chances matemáticas de ascender ao topo do ranking mundial. Marat Safin, 75 pontos na frente de Guga, então número um, era o favorito para terminar o ano como tal.

Os oito melhores da temporada foram divididos em dois grupos. Safin, Sampras, Hewitt e Corretja estavam no vermelho e Guga, Agassi, Kafelnikov e Norman, no verde.

O desenrolar da semana em Portugal, continuam nos próximos posts.

Enhanced by Zemanta

1 Comment

Filed under Uncategorized

O sósia do Federer em NY

Darren Cellemme

Ontem à noite finalmente conheci o famoso sósia do Federer.

Federer

Darren Cellemme ficou conhecido no ano passado, quando o PR Steve Pratt entrou num bar perto da Broadway e deu de cara com um barman que era igual a Roger Federer.

Pratt acabou levando Cellemme ao US Open e ele virou matéria em diversos meios de comunicação.

Ficou conhecido na Suíça – a TV suíça fez uma grande reportagem com ele, tamanha a semelhança.

A história rendeu e durante dias no ano passado, o barman foi convidado a sair pelas ruas, se vestir de Federer e ver como o público reagia. Todos achavam que era o Federer. Me lembro da nossa fotógrafa Cynthia Lum contar a história, mas não sabia que tinha dado tanto o que falar.

Natural de Rhode Island e em New York para tentar a vida de ator, Cellemme acabou cansando um pouco de fazer as mesmas histórias todas as vezes e neste ano não apareceu no US Open.

Mas, na noite de quinta-feira Steve Pratt, que acabou virando amigo de Darren, o convidou para jantar e acabamos nos conhecendo.

No começo não achei o “sósia” assim tão parecido. Mas depois fui reparando nas semelhanças e como as pessoas olhavam para o americano, pensando o que “Federer” fazia com uma garrafa de cerveja na mão.

Celleme contou que até o bar onde ele trabalha, o Charley O’s ganhou mais movimento quando as notícias começaram a sair no ano passado e que muitos suíços passaram a frequentar o local. Contou também que foi até chamado para fazer um comercial de televisão como sósia do Federer, mas recusou por achar que se tratava de uma empresa que não queria pagar o Federer original e iria usá-lo, para depois esperar dar a confusão.

Ele continua chamando atenção quando anda pelas ruas. “As pessoas ficam olhando e pensando é ou não o Federer.”

Depois de tanto se vestir de Federer, Darren começou a ter aulas de tênis. Joga com frequência nas quadras públicas de NYC.

Ontem à noite, após o jantar fomos todos tomar um drink num bar pequeno perto do hotel, o Snafu, e lá estavam todos os jornalistas suíços, Stanilas Wawrinka e o técnico Peter Lundgren.

Todos os profissionais da mídia foram falar como Darren e Wawrinka e Lundgren se divertiram com o sósia do amigo.

PS – deve haver mais fotos legais do sósia e do original, mas no momento era apenas essa que Darren tinha para dar pra gente.

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

In NYC, no meu 15º US Open – vitórias de Mello e Bellucci na estreia

Se New York é “the city that never sleeps,” é também a cidade que mais me dá a sensação de estar sempre correndo contra o tempo.

Não importa o quanto eu me prepare, me organize, me programe, estou a todo momento fazendo uma coisa e já pensando que deveria estar em outro lugar fazendo outra, mandando uma mensagem para alguém me esperar que estou chegando, correndo para não perder o horário do transporte e nesses primeiros dias de US Open, essa sensação se intensifica ainda mais.

Já comecei o dia quase perdendo o transporte de manhã para vir para o Billie Jean King National Tennis Center.

Acordei até antes do relógio despertar, mas era tanta coisa para trazer para a sala de imprensa – revistas, computador, todos os cabos, camera fotográfica, gravador, os papéis para poder pegar o transporte e retirar a credencial, telefone, carregadores, protetor solar- está um calor infernal aqui em Nova York –  os jornais para ler no caminho até aqui e por aí vai, que quase perdi o ônibus. Estava cada coisa em um lugar do quarto do hotel (nem preciso dizer que já baguncei o quarto inteiro).


Não consegui ler os jornais no ônibus, apesar do trânsito que pegamos para chegar de mid town até Flushing Meadows. O USA Today e o New York Times publicaram, cada um, um caderno especial sobre o US Open,  o que nunca tinha visto antes.

Deu só para folhear os dois e perceber que, além das inúmeras matérias, nas páginas de anúncio, quem mais aparece é o Federer. O Credit Suisse colocou anúncio de página dupla com o suíço no NY Times e a Mercedes-Benz, no USA Today.

Depois de pegar a minha credencial, – a minha 15ª aqui no US Open – deixar computador e todo o resto na sala de imprensa, fui direto para a quadra do Ricardo Mello e me deparei com outro grande poster do Federer, no meio dos “grounds” do torneio, junto a dois carros da Mercedes.

Chego na quadra e Mello está ganhando o primeiro set. Vence o primeiro, o segundo – com os amigos André Sá, Bruno Soares e Júlio Silva, no melhor NY Style na torcida – perde o terceiro e vence o quarto. Está na segunda rodada do US Open e vai enfrentar Juan Carlos Ferrero.


Volto para a sala de imprensa e daqui não consegui sair mais até agora.

Primeiro demorei para me adaptar à inovação tecnológica que colocaram aqui. Antes cada jornalista tinha uma televisão na sua mesa, com acesso a imagens de todas as quadras, canais, estatísticas, jogos online, entrevistas dos jogadores, etc.. Neste ano, substituíram a TV por um computador IBM Think Pad que dá acesso às mesmas imagens e informações  – e até mais eu acho – mas até conseguir me entender com a novidade perdi um bom tempo.

E aí, como é primeiro dia e além do trabalho habitual, é tanta gente para encontrar, cumprimentar, conversar, reunião para marcar, etc, que ainda estou aqui sentada na minha mesa e pelo jeito, por aqui vou ficar até o jogo do Bellucci começar.

Mas, como é NY, o que parece que vai demorar, provavelmente, vai começar sem eu nem perceber que estou há horas na sala de imprensa.

Em tempo. Termino o 1º dia de US Open, ou melhor, quase termino, com a vitória de Bellucci na estreia. Derrotou o americano wild card Smyczek por 3/0 – 6/4 7/5 7/6(5)  e está na 2ª rodada da competição. Enfrenta na próxima rodada o sul-africano Kevin Anderson.

Como acabei de perder o ônibus de volta p/ Manhattan, vou aproveitar para ver um pouquinho do pentacampeão Federer em ação.

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Nadal, um campeão que quer ainda mais

Com conquista em Wimbledon, ele supera McEnroe e Wilander, se iguala a Lendl, Agassi, Connors e já surge a questão. Será que ele pode superar Federer e se tornar o melhor de todos tempos?

É essa a pergunta que começa a ser levantada entre jornalistas, analistas e críticos do esporte.

Que louco é o tênis. Há um ano só se falava em Roger Federer. Era ele o grande nome do momento, tendo conquistado o Grand Slam ao vencer Roland Garros e em seguida ganhado Wimbledon. De Nadal, com os joelhos lesionados, só se comentava se ele conseguiria se recuperar para voltar a jogar o seu melhor tênis.

Até o fim de janeiro, quando Federer foi novamente campeão do Australian Open, era só do suíço que se falava. Com 16 títulos de Grand Slam, parecia que nada poderia impedí-lo de seguir conquistando Grand Slams como se estivesse jogando no quintal de casa.

Mas, veio a temporada de saibro e Nadal retomou o domínio do tênis como se nem tivesse ficado ausente do esporte por alguns meses se recuperando da lesão nos joelhos e como se nem tivesse sido eliminado antes das finais nos Grand Slams e Masters 1000 anteriores.

Nadal, bicampeão em Wimbledon (fotos de Cynthia Lum)

Desde meados de abril, com o Masters 1000 de Monte Carlo, só se fala em Nadal. E não é para menos. Só ele ganha. Dos últimos cinco grandes torneios disputados, os três Masters 1000, Roland Garros e Wimbledon, ele ganhou todos.

Por isso, com a conquista deste domingo em Wimbledon, vencendo Tomas Berdych por 6/3 7/5 6/4, para chegar ao seu oitavo título de Grand Slam, começam a surgir as perguntas se Nadal superará Federer em números de títulos de Grand Slam.

Comemoração típica do espanhol

O oitavo troféu o colocou a frente de nomes como John McEnroe e Mats Wilander e entrou para a companhia de Jimmy Connors, Ivan Lendl e Andre Agassi.

Rotulado de tenista do saibro no início da sua carreira, este já é o segundo título de Wimbledon do espanhol, que tem também um do Australian Open. E é a segunda vez que ele vence na Inglaterra logo depois de ter sido campeão em Paris.

Um feito que antes parecia impossível, alcançado a última vez por Bjorn Borg, até que Nadal o fez em 2008, quando ganhou de Federer na final, se tornou a norma dos últimos três anos em Wimbledon. Nadal em 2008 e agora em 2010 e Federer, no ano passado, venceram o mais importante torneio de tênis do mundo, logo depois de ter ganhado Roland Garros. E Nadal ainda conseguiu a façanha erguendo os troféus dos dois Grand Slams sem perder nenhum set nas finais desta temporada. A última vez que isso aconteceu foi com Borg, em 1978.

Por isso, o próprio Nadal brincou na coletiva de imprensa do campeão, nesta tarde em Wimbledon. “Que louca é a vida. Não acontecia desde o Borg e agora nos últimos três anos os campeões de Roland Garros ganharam Wimbledon.”

Como explicar essa conquista, já que segundo os especialistas não há mudança mais drástica no tênis do que sair do saibro e ir para a quadra de grama e em tão pouco tempo. “Para mim se você quer alguma coisa, mesmo que seja difícil, você vai dar um jeito de conseguir. Acabou Roland Garros e no dia seguinte eu já estava treinando na grama. Aprendi que a temporada de grama é importante e que isso não é fácil, por isso coloco como um objetivo diário estar pronto para jogar aqui. Jogar na grama e neste torneio, o melhor do mundo, sempre foi um sonho e um objetivo de vida para mim. Eu também me movimento bem na grama e isso é fundamental. Mas estou sempre melhorando e querendo melhorar.”

Nadal com o oitavo troféu de Grand Slams

Com troféus de Roland Garros, Wimbledon e Australian Open, mais a medalha de Ouro Olímpica conquistada em Beijing, há dois anos, Nadal pode passar Federer, de certa maneira, caso venha a vencer o US Open, já que o suíço jamais ganhou medalha de simples nos Jogos Olímpicos. Feito alcançado por Agassi, que foi medalha de ouro nos Jogos de Atenas e completou o Grand Slam em 1999, ganhando Roland Garros.

Há pouco mais de um ano, quando entrevistei Nadal para a Tennis View, em Paris, antes de Roland Garros começar e ele ser eliminado naquele jogo de oitavas-de-final por Robin Soderling, ele já manifestara que seu grande objetivo era o US Open, o único Grand Slam que falta para ele e que por isso faria uma preparação específica para tentar vencer em Nova York. A lesão nos joelhos o privou deste timing em 2009, mas a afirmação dele nesta tarde de domingo em Londres de que “com certeza o US Open será o meu grande objetivo até o fim da minha carreira,” não deixa dúvidas de que o espanhol está para Federer, assim como Federer está para Borg e Sampras.

Não, não tivemos as épicas finais dos últimos dois anos como a entre Nadal e Federer, em 2008 e a entre Federer e Roddick, no ano passado, mas tivemos a certeza de estar vendo um daqueles momentos que começam a transformar um grande campeão em uma das maiores lendas da história do esporte.

2 Comments

Filed under Uncategorized

Magic Murray?


Dá para imaginar ser o único jogador britânico no País que sedia o mais importante torneio de tênis do mundo, no caso o seu próprio País? Este é Andy Murray.

O escocês, número quatro do ranking mundial, enfrenta Rafael Nadal nesta quinta-feira para tentar alcançar, pela primeira vez, a decisão de Wimbledon e acabar com a espera de 74 anos de toda uma nação, para ver um dos seus erguer a taça de campeão.

Como o próprio Murray diz, “essa história de quantos anos faz que um britânico não ganha um Grand Slam já virou piada entre os jogadores.” O último foi Fred Perry, em 1936.

Seria mais ou menos como o Brasil sediar a Copa do Mundo e o País estar sem ganhá-la há décadas. Imagina a pressão que sentiria a Seleção? Como se comportariam público e imprensa? Mas, com um diferencial. Murray é apenas um tenista e no futebol são, no mínimo 11 jogadores em campo.


Os britânicos gostam de tênis e como País sede de um Grand Slam, dão espaço para o esporte na mídia. Jornalistas ingleses seguem Andy Murray por onde quer que ele vá. E não são apenas um ou dois. Os repórteres dos principais jornais da Grã-Bretanha viajam para os torneios onde Murray estiver competindo.  Quando está em Londres, onde reside atualmente, sua vida é acompanhada pelos famosos tablóides britânicos. A separação da namorada Kim Sears, no ano passado, foi capa dos jornais ingleses. Agora juntos novamente, os jornais reportam até como convivem Kim e a mãe de Andy, Judy.

Durante as semanas que antecedem Wimbledon aumentam as matérias nos jornais e a discussão se Murray será capaz de enfim ganhar um Grand Slam se torna conversa de bar. Assim como Guga quando vivia seu auge, outdoors do escocês, com seus patrocinadores, estão espalhados por todo o País.

Dunblane, a cidade natal do tenista, na Escócia, já está recebendo jornalistas que acompanharão a semifinal por lá.

Mais desacreditado do que nos últimos anos, quando este Wimbledon começou, sem ter conseguido nenhum resultado expressivo nos últimos meses, desde o seu vice-campeonato no Australian Open, em janeiro, Murray conta agora com toda a nação na torcida. Com a Inglaterra eliminada da Copa do Mundo, as atenções se voltam ainda mais para ele.

Mas, Murray parece não se incomodar. “Já estou acostumado e faz parte do dia a dia. Mas, quando estou em quadra, especialmente na quadra central, não sinto nada disso, sinto uma paz, uma tranquilidade,” declarou ele.

Acostumados com o sempre solícito Tim Henman, os jornalistas ingleses reclamam da dificuldade que é trabalhar com Murray. Não tem qualquer acesso a sua equipe técnica. Seus treinadores e preparadores físicos são proibidos de dar entrevistas. “Assim fica difícil trabalhar, saber mais do Andy e acho que até ajudaria ele se pudéssemos conversar com os técnicos também. Conseguiríamos mostrar mais quem é Andy Murray e explicar melhor algumas de suas derrotas e seus altos e baixo,” diz um jornalista do “The Telegraph.”

Mas Murray não se importa com as reclamações. É o que escolheu, se sente melhor assim e é desta maneira que diz querer continuar procedendo.

Com opiniões firmes, sem se preocupar muito mesmo com o que pensa o público, afirmou, antes da Copa do Mundo começar, acreditar ser a Holanda a favorita ao título.

Diferente da maioria dos tenistas escolheu uma agência de marketing especializada em celebridades, a 19 Entertainment, a mesma de David Beckham, para gerenciar a sua carreira. A foto dele no portfólio da empresa foge do comum, com ar de modelo, em vez de tenista.

De Beckham ele recebe constantemente mensagens de apoio e costumam participar de campanhar publicitárias juntos, como foi o caso da campanha para erradicar a Malária. Assim como Beckham, Murray também é patrocinado pela adidas.

E assim como Beckham, Murray recebe tratamento especial da Realeza. A Rainha Elizabeth II esteve em Wimbledon pela primeira vez depois de 33 anos para ver Murray jogar. Quantos tenistas tem a Realeza na sua torcida, no maior torneio do mundo?

Andy Murray tem.

O que Murray e a torcida esperam é que ele consiga ir além. Consiga primeiro passar por Nadal – ele perdeu para o espanhol em 2008, em Wimbledon, mas afirma estar muito melhor preparado – e depois ganhar o título. A expectativa começa a ficar grande novamente, da mesma maneira que na sua primeira final de Grand Slam, há dois anos, no US Open, em que perdeu para Federer. Derrotado, foi desculpado. Era inexperiente, era a sua primeira final de Grand Slam. Veio a segunda, no íncio deste ano, no Australian Open, contra o mesmo Federer. Murray não se superou. Perdeu da mesma maneira que em Nova York e desta vez, será que ele vai conseguir fazer mágica em Wimbledon?

1 Comment

Filed under Uncategorized

Roddick, transformado, entra na 2ª semana de Wimbledon em busca do troféu de campeão

Se existe no circuito um tenista que se transformou, como pessoa, e para melhor, ao longo da sua carreira, o nome dele é Andy Roddick.

De fenômeno juvenil, successor da geração de Courier, Agassi e Sampras, típico american boy, por vezes arrogante, Roddick foi crescendo, como ele mesmo gosta de dizer, diante dos olhos do mundo.

Foi treinado por Brad Gilbert, ganhou o US Open, chegou ao topo do ranking mundial, viveu o inferno ao aprovar uma campanha da American Express, toda feita em cima dele durante um US Open em que acabou perdendo na primeira rodada, namorou a atriz Mandy Moore, escolheu Jimmy Connors para ser seu treinador, levou os Estados Unidos a ganhar a Taça Davis, perdeu inúmeras vezes seguidas para Roger Federer (incluindo a final do ano passado em que perdeu por 16/14 no 5º set), tentou carreira solo, viajou com Patrick McEnroe e depois contratou Larry Stefanki. Casou com a modelo, capa da Sports Illustrated, Brooklin Decker, se tornou bom moço, ajudando em causas sociais, como a do “Champions for Chile,” no começo do ano, em Miami, na noite anterior a jogar a final que viria a vencer, levou pizza para John Isner, no meio da maratona do jogo mais longo da história do tênis e em meio a tudo isso decidiu três finais de Wimbledon e quer enfim levar para casa o troféu de campeão.

Roddick na final do ano passado contra Federer

Já nas oitavas-de-final, em que enfrentará, na segunda-feira – sim, segunda-feira, ninguém joga em Wimbledon no domingo, a grama precisa descansar – Yen-Hsun Lu, do Taipei, Roddick, apesar da derrota prematura no torneio de Queen’s (foi eliminado nas oitavas-de-final pelo israelense Dudi Sela), segue em busca do seu sonho: conquistar Wimbledon.

Reproduzo aqui a entrevista que Tennis View – www.tennisview.com.br – publicou na última edição, a 105, com Roddick, para que todos possam conhecê-lo um pouco mais.

Nota – A entrevista foi feita após a vitória do Americano no Sony Ericsson Open, no meio da temporada de saibro. Mas, ele já estava de olho na grama.

Roddick Declara Seu Amor Por Wimbledon

Tennis View – O que significou ganhar o Sony Ericsson Open, em Miami, para você?

Andy Roddick – Foi uma grande vitória para mim. Tive umas semanas muito boas e vencer um torneio como esses, o maior depois dos Grand Slams, foi fantástico. Eu tinha sido vice em Indian Wells umas semanas antes e estava sentindo um pouco de pressão para ganhar em Miami. Me dá muita motivação para o resto da temporada.

TV – O torneio de Miami foi um dos primeiros grandes que você jogou. Ganhou um convite aos 17 anos de idade, já ganhou do Sampras, Federer… Você tem uma conexão especial com o evento?
AR – Tenho muitas memórias daqui, até mesmo antes de jogar profissional. Joguei o Orange Bowl, a Sunshine Cup, a Copa Davis juvenil, tudo nesse estádio. Foi onde eu senti pela primeira vez o que era representar o tênis nos Estados Unidos. Já joguei tantas vezes aqui que me sinto em casa e super à vontade em quadra, com a torcida e com as condições de Miami.

TV – Há uns quatro anos você não ganhava um torneio tão importante. Isso te incomodava?

AR – Acho que todo atleta tem dúvidas. Eu cheguei a pensar que talvez o meu melhor já tivesse ficado para trás, mas no fundo eu sabia que ainda podia encontrar maneiras de continuar evoluindo e dar tudo de mim para ter sucesso.

TV – Você é superfã de esportes. Você aprende muito com outros esportistas?

AR – Sou sempre muito grato por ser um esportista e respeito de mais todos os atletas. Sempre fico pensando quando assisto um outro esporte o que o atleta teve que fazer, como treinou, como se preparou. Todo mundo acaba vendo só os resultados e acham que o atleta vai lá joga e ganha, mas tem um milhão de manhãs geladas em que você levanta cedo e está lá correndo, treinando. Fico fascinado com os esportistas e tudo o que eles fazem.

TV – Se você não fosse tenista, que outro esporte gostaria de jogar?

AR – Ser um quarterback – futebol Americano – seria divertido. Você tem que ser muito inteligente para ser um quarterback, muito esporte. É uma das posições mais difíceis.

TV – O seu maior adversário dos últimos anos é o Federer. Você chega a pensar que se não fosse por ele poderia ter ganhado muito mais troféus?

AR – Penso, mas não fico obcecado com isso. Ouço toda hora as pessoas dizerem quantas vezes ele já ganhou de mim, mas o que eu vou fazer. Eu entro em quadra e dou o meu melhor. Sou comparado ao melhor jogador de todos os tempos, que respeita e faz muito pelo esporte. Um cara que faz golpes dificílimos parecerem rotineiros.

TV – Foi difícil digerir a derrota na final de Wimbledon do ano passado?

AR – Foi muito, mas ao mesmo tempo, tenho muitas memórias boas daquele jogo. O tênis virou assunto em todos os lugares por umas duas ou três semanas e isso é incrível. Foi difícil não ter vencido, mas me trouxe muitas coisas boas.

Acho que perder para o Murray, em Wimbledon em 2006, foi mais duro, o período mais negro da minha carreira.

Eu não vinha jogando bem o ano todo, mas lá no fundo eu sabia que sempre tinha Wimbledon, onde eu costumo jogar bem constantemente. Mas perdi para o Murray que tinha 18, 19 anos na época. Foi duro me reerguer.

TV – Você sempre disse que tinha quatro objetivos na sua carreira: ganhar o US Open, ser número um do mundo, vencer a Davis e Wimbledon, o único que falta.

AR – Se você me falasse quando eu me tornei profissional aos 17 anos que eu teria essa carreira, eu teria pego na hora. Mas, obviamente quando você vai conquistando as coisas você vai mudando os seus objetivos. Eu quero muito ganhar Wimbledon e sinto que estou pronto. Signficaria muito para mim.

TV – Você gosta de toda aquela pompa, tradição..

AR – Eu amo, de coração. Todas aquelas pequenas tradições e sem meio termo. Você ama ou odeia. Eu adoro ficar na Vila de Wimbledon, andar pela vizinhança, ver rostos familiars quando você está indo para as quadras …

TV – E a Quadra Central, ela também é especial para você?

AR – É A QUADRA. Ela tem uma magia, uma aura, é a nossa Catedral, a Meca do tênis.  Wimbledon é tradição e não precisa de todo o show que os outros torneio promovem porque já é uma entidade.

TV – Você quer ganhar Wimbledon, mas já ganhou muito até agora. Qual momento foi mais especial?
AR – Não sei dizer, mas gostei muito da reação das pessoas depois da final de Wimbledon do ano passado. Acho que pela primeira vez as pessoas puderam me ver como realmente sou. Eu perdi o jogo mas todos apreciaram o esforço, o jogo e você não tem essas respostas sempre.

TV – Se você tivesse a oportunidade de escolher um sonho para realizar na sua carreira, qual seria?

AR – Se eu ganhasse Wimbledon, teria tudo que eu sempre quis.

TV – Você mudou um pouco o seu jogo, como o Larry Stefanky influenciou?

AR – Quando começamos a trabalhar acho que ele estava meio preocupado porque eu já tinha sido número um, sou um cara respeitado no circuito e ele afirmou que para trabalhar ele teria que comandar. Era isso que eu queria. Alguém que me guiasse novamente. Admiro a inteligência dele no tênis, a energia e a personalidade dele.

TV – Algo específico que você melhorou?
AR – Perdi um pouco de peso, incorporei slices e a minha esquerda em geral melhorou com certeza. Nunca vai ser o meu melhor golpe, mas eu não erro mais e consigo ser eficiente. A devolução também melhorou e isso me dá ainda mais segurança na hora de sacar.

TV – Você ainda fica chateado quando as pessoas dizem que a sua melhor arma é o saque e a sua raça?

AR – Eu sempre ouço as pessoas dizerem: olha que linda a esquerda desse cara, o voleio daquele, etc, e escuto que eu não consigo fazer nada, mas no fim, acabo ganhando de quase todo mundo, consistentemente.

TV – Falando em golpes, quem tem a melhor direita do circuito?

AR – O Roger. Ele controla o jogo com a direita no meio da quadra e bate bem de todas as maneiras, de dentro para fora, angulada, com ritmo…

TV – E uma esquerda?

AR – A do Rafa. Ninguém nunca fala dela, porque gostam de falar das belas esquerdas de uma mão. A esquerda do Rafa é sólida e muito pesada. Ele consegue variar demais a maneira como usa o golpe. A do Murray também é muito boa.

TV – Qual é o jogador mais forte mentalmente no circuito?

AR – Sempre penso no Hewitt. O Rafa nunca te dá nada de graça, mas sou fã do David Ferrer. Você olha para ele e não diz, isso é puro-talento. Adoro como ele consegue vencer jogos dando duro. Ele luta até o fim, trabalha muito e conseguiu se tornar um grande jogador de tênis.

TV – Que jogadores que fizeram a história do tênis você mais admira?

AR – O Arthur Ashe, que transcendeu o esporte, o Agassi por ter feito tanto pelo tênis e se tornado um líder filantropista e a Billie Jean King pela sua luta pela igualdade. Eles são heróis.  Conseguiram pegar tudo o que fizeram como esportistas e transformar em algo maior do que eles mesmos. São exemplos. Eu mesmo comecei a minha fundação por causa do Agassi. Fiquei muito chateado pela maneira como as pessoas o trataram quando ele lançou o livro. Ele é o cara que mais fez pelo tênis nas últimas décadas e de repente todo mundo virou as costas para ele.

TV – Depois de tantos anos sendo o principal nomes do tênis dos Estados Unidos, você ainda sente pressão dos americanos que parecem sempre estar em busca do Agassi e do Sampras?

AR – Acho que desde que eu tenho uns 17 anos eu escuto isso. Estou acostumado e lido bem com pressão e expectativas. Isso significa que as pessoas acreditam em mim.

TV – Você vê novos nomes surgindo no tênis americano?

AR – Gosto muito do Ryan Harrison, de 17 anos. Ele gosta de treinar, tem talento, escuta, presta atenção no que está acontecendo. Já treinei com ele várias vezes em Austin. Ele nunca reclama, aproveita as oportunidades, tem uma cabeça boa e tem todos os golpes que podem evoluir muito.

TV – A sua mulher, a Brooklyn Decker apareceu na capa da SwimSuit Issue da Sports Illustrated. Isso te incomoda?

AR – Tem sido uma loucura desde então, mas eu gosto de acompanhar o que acontece com ela. Tenho orgulho do sucesso dela, uma trabalhadora que nunca se afetou com o mundo da moda. Desde que a revista saiu, ela não parou, é como se ela tivesse vencido Wimbledon. Temos que conciliar nossas agendas. Então, quando tenho que parar, por algum motivo, por alguns dias, até fico empolgado pela chance de estar com ela.

TV – O pessoal fica mexendo muito com você no circuito?
AR – Surpreendentemente, não. Eles mais dizem” não é possível que você está com ela,” ou “ como é ser o mais feio no relacionamento?”

TV – Você cresceu em Austin, uma cidade pequena, e continua morando lá, com a Brooklyn. Nunca pensou em viver em outro lugar?

AR – Gosto de morar em Austin porque é um lugar em que as pessoas não são afetadas. Tem muitas pessoas conhecidas e empresários que moram em Austin e levam uma vida tranquila. Não quero falar sobre tênis cada vez que entro em um lugar para tomar um café e lá eu consigo fazer isso.

TV – Você acha que mudou muito nos últimos anos?
AR – Todo mundo muda e eu fui mudando na frente de todos, mas acho que dentro de mim não sou muito diferente do que era. Sou apenas um cara mais caseiro e que gosta ainda mais do tênis do que antes.

TV – Você está no circuito profissional há 10 anos e desde 2002 sempre esteve entre os top 10. A que você credita esse sucesso?
AR – Eu não tive lesões sérias em todos estes anos. Acho que o maior tempo que eu fiquei fora da quadra foi quando machuquei o tornozelo, no fim do ano passado e foram três meses. Também soube me adaptar às mudanças no circuito, sempre trabalho duro e tive um pouco de sorte.

TV – Você já está esperando jogar Wimbledon de novo?
AR – Tenho jogado bem até agora nesta temporada. Fui o melhor jogador nos torneios de quadra rápida do começo do ano. Estou otimista.

Colaborou a Lagardére Unlimited

Leave a Comment

Filed under Uncategorized