Tag Archives: França

Parabéns Argentina

Parabéns Argentina

 

 

A essa hora a Espanha está comemorando a conquista da sua quinta Copa Davis. Estranho pensar que só é a quinta Saladeira espanhola da história e que até uma década atrás eles nunca tinham erguido a tão famosa Taça.

 

Dez, vinte anos atrás outros nomes, outras nações ainda dominavam o esporte. Estados Unidos, Grã Bretanha, Suécia cansaram de ganhar essa competição.

 

Mas, o post não é sobre o time de Rafael Nadal e sim sobre os argentinos.

Já faz tempo também que a nação vizinha deixou de ser uma força dominante no tênis como uma vez já fora, tendo quatro tenistas no top 10.

Eles ainda tem Nalbandian e Del Potro, mas nenhum dos dois está no auge. Já faz seis anos que Nalbandian ganhou o Masters em Xangai e dois que Del Potro venceu o US Open.

 

Por isso, chegar à final pela terceira vez em cinco anos e pela quarta na história e ter chances reais de vencer é para se aplaudir de pé.

 

Pelo que dizem os amigos jornalistas e há até livros escritos sobre o assunto, até hoje a Argentina não ganhou a Davis devido a brigas internas do time, o que aparentemente não aconteceu desta vez.

Como disse Nalbandian, os espanhóis ganharam porque foram melhores.

E ganhar de Nadal, no saibro, na casa dele, é missão quase impossível e Del Potro chegou perto.

 

O domingo também foi cheio de debates entre jornalistas e técnicos sobre a mudança de formato da Copa Davis, especialmente dos Americanos que depois que deixaram de chegar à final, não conseguiram fazer a competição ter destaque nos Estados Unidos.

Houve gente que falou que a Davis só importa para as nações que estão na final.

Não concordo. Quantas pessoas ao redor do mundo assistiram ao embate hoje entre Espanha e Argentina? E no ano passado entre Sérvia e França.

Depende sim da qualidade dos jogadores envolvidos e principalmente do coração que eles estão colocando em quadra.

Adoro os espanhóis e como não gostar de Rafa Nadal, mas gostaria muito de ter visto uma vitória argentina.

Com certeza uma Taça Davis chegando em Buenos Aires teria muito mais impacto no povo argentine do que ela tem nos espanhóis.

Mas mesmo assim, parabéns Argentina.

 

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

A Davis, o “cansaço” brasileiro na Índia e a vitória unida da França, em Lyon

Sei que deveria estar escrevendo da derrota para o Brasil na Índia, no Play Off do Grupo Mundial da Davis, mas tenho pouca informação de Chenai para fazer qualquer análise diferente do que já tenha sido publicado ou emitir mais uma opinião de surpresa.

Só não consigo entender o fator cansaço e calor serem um dos responsáveis pela derrota do Brasil de Bellucci, Mello, Soares e Melo.

Mello e o capitão Zwetsch (Marcelo Ruschel/Poapress)

Novak Djokovic disputou a final do US Open na segunda-feira e representou a Sérvia no sábado e no domingo, jogando duplas e simples.

Rohan Bopanna foi vice-campeão de duplas do US Open, poucos dias atrás e jogou as mesmas partidas de simples do que Mello e Bellucci.

A maioria dos envolvidos em importantes disputas da Davis neste fim de semana foi bem mais longe no US Open do que os brasileiros e muitos ainda tiveram que trocar de piso e enfrentar uma quadra indoor. De nenhum deles se ouviu a palavra cansaço: Mardy Fish, Sam Querrey, Robin Soderling, Eduardo Schwank e Horacio Zeballos, David Nalbandian, Gael Monfils, Michael Llodra, Arnaud Clement, entre outros.

E é da França que eu quero falar.

Llodra (Tennis View)

Da ousadia do capitão Guy Forget em colocar Michael Llodra para jogar simples e duplas, surpreendendo a todos no dia do sorteio dos jogos, quinta-feira.

Lembro que até comentei com um amigo que Forget estava ousando e a tática do capitão francês deu certo.

Os argentinos (Monaco, Nalbandian, Schwank e Zeballos), guerreiros na Davis, não tiveram chance alguma no Palais de Sports Gerland, em Lyon contra Llodra, Monfils, Clement e Simon.

Uma França unida, que contou com Jo-Wilfried Tsonga, Julien Bennetau, Richard Gasquet torcendo o tempo todo pelo País, com Tsonga e Bennetau lesionados e Gasquet de quinto jogador.

Uma França que ainda se lembra da vitória do País sobre os Estados Unidos, em 1991, na mesma Lyon, quando Forget era jogador.

Uma França que não parecia acreditar estar na final novamente, a primeira desde 2002.

Uma França que apostou nas suas melhores armas para vencer, misturando uma equipe renovada com um time experiente.

Uma França que viu Gael Monfils, como ele mesmo disse “finalmente entender o que significa uma Copa Davis,” e jogar o seu melhor tênis.

Uma França que soube jogar em equipe.

Reproduzo aqui algumas das declarações dos jogadores, nas entrevistas coletivas, após a vitória arrasadora sobre a Argentina, que os colocou na decisão contra a Sérvia, na terra de Novak Djokovic, em dezembro.

Monfils: “Acho que demorei mais do que os outros para entender o que significava a Davis. Agora que compreendi vou buscar a Taça. Pedi até para os meus companheiros me beliscarem para eu entender que não era um sonho.”

Monfils (Tennis View)

Clement: “Foram o Tsonga e o Benneteau que classificaram a equipe para esta fase. Eu tinha pressão para ganhar a dupla e estou superfeliz de ter conseguido. Tomara que eles voltem a jogar logo.”

Bennetteau: “É um momento magnífico e não posso nem imaginar como será a final. Vamos dar de tudo até dezembro e vamos à decisão em equipe, não com três ou quatro jogadores, mas sim com sete, oito. Graças ao Forget conseguimos entender o verdadeiro significado da Copa Davis e o que essa competição exige da gente.”

Gasquet: “Ganhamos os três confrontos de três a zero, sem perder um jogo. É enorme. Eu, de fora da quadra, fiquei impressionado com o nível de jogo do nosso time.”

Tsonga: “Desde pequeno eu sonho com a Davis e agora vamos jogar a final. O sonho está quase se tornando realidade.”

Llodra: “As imagens de 1991 nunca saíram da minha cabeça. E estamos refazendo a história. Ainda não consegui perceber de fato o que está acontecendo. É muita emoção.”

Forget: “Eu tinha até esquecido até que ponto essa emoção maravilhosa da Copa Davis nos leva. O que fizemos até agora fizemos bem, mas não é nada comparado ao que nos espera e ao que poderemos viver na final. O momento é mágico, mas pode ser mais ainda. Temos que aproveitar a chance, porque ela pode demorar a voltar.”

Enhanced by Zemanta

1 Comment

Filed under Uncategorized

O tênis, com o herói Nalbandian, faz a Argentina vibrar neste 11 de julho

Nalbandian vibra com a vitória contra a Rússia, em Moscou

Há dois dias escrevi neste blog que a Copa Davis não passava de um evento perdido em meio à decisão da Copa do Mundo de Futebol, fato incontestável.

Mas, as incríveis vitórias da Argentina e da França, fizeram as respectivas nações vibrarem e comemorem uma conquista diferente da que imaginavam há algumas semanas.

Torcedor na África do Sul, na partida da Argentina contra o México, David Nalbandian e acabou se tornando o herói nacional neste 11 de julho, depois que as esperanças de conquistar o “Mundial” terminaram com a derrota do País para a Alemanha, nas quartas-de-final. Mesmo sem competir há quase três meses, ainda se recuperando da cirurgia no quadril a que foi submetido há um ano, Nalbandian aceitou o papel de protagonista mais uma vez e levou a “celeste” à primeira vitória na Rússia, nos últimos 15 anos, garantindo a vaga do País na semifinal, enquanto o maior ídolo da nação, Lionel Messi, descansava nas praias do Rio.

A vitória podia servir de tema para um Tango. Foi dramática e decidida apenas no quinto jogo, com Nalbandian, que aumentou o seu recorde de vitórias na Davis, em simples, para 20, contra apenas 4 derrotas.

Foi Nalbandian quem abriu o placar na sexta-feira ganhando de Nikolay Davydenko; no segundo jogo Leonardo Mayer foi derrotado por Mikhail Youzhny; no sábado, com o confronto empatado, os ainda novatos em Davis, Eduardo Schwank e Horacio Zeballos ganharam de Igor Kunitsyn e Davydenko nas duplas; Schwank tentou fechar o confronto no quarto jogo, neste domingo, mas Davydenko foi superior e como já havia feito outras vezes, inclusive na primeira rodada contra a Suécia neste ano, Nalbandian voltou à quadra do Estádio Olímpico de Moscou para marcar o ponto da vitória. Nem deu chances a Youzhny. Venceu por 3 a 0 e fez a Argentina vibrar.

“Entrei em quadra decidido a buscar a vitória. Na sexta ganhei mas não tinha jogado bem, mas contra o Youzhny joguei um tênis de altíssimo nível. Estou muito feliz por estarmos na semifinal outra vez,” comemorou Nalbandian, que não contou novamente com os tops argentinos Juan Martin del Potro e Juan Monaco, lesionados. “É um grupo novo, mas estamos nos dando muito bem. Espero que possamos contar com o Juan Martin e com o Monaco na semifinal.”

Para avançar à decisão, os argentinos terão que viajar novamente, desta vez para a França, que surpreendeu ao vencer a Espanha, por 3×0.

“Mesmo sem o Nadal, os espanhóis formam uma equipe muito forte com Verdasco, Ferrer, Lopez e o Almagro, por isso não imaginávamos vencer por 3×0,” comentou o capitão francês, Guy Forget, após a vitória em Clermond Ferrand.

Assim como os argentinos e espanhóis, Forget não pôde contar com os seus principais tenistas em quadra. Jo-Wilfried Tsonga e Richard Gasquet também lesionados assistiram pela TV os jogos. “Foi quando falei para o Monfils, Llodra, Bennetteau e Simon que uma Davis se ganhava jogando em equipe e foi o que aconteceu.”

Monfils teve uma de suas melhores performances na Davis vencendo Ferrer, no primeiro jogo, em cinco sets.

“Provei para o meu capitão que ele pode confiar em mim,” desabafou Monfils. O segundo ponto veio com Llodra, que ganhou de Verdasco em quatro sets.

Com uma vitória em quatro sets, sobre Verdasco e Lopez, Llodra e Bennetteau encerram o confronto, marcando a primeira vitória sobre os espanhóis desde 1923 e a primeira passagem à semi da Davis, desde 2004.

Eliminada de maneira vergonhosa da Copa do Mundo de Futebol, em meio a polêmicas envolvendo técnico e jogadores e decepcionando toda uma nação, o tênis devolveu orgulho ao País. O L’Equipe, principal jornal esportivo da França, estampou, em cima da foto da comemoração da equipe de Forget, na sua capa deste domingo: “Essa é a França que vence.”

A outra semifinal será entre Sérvia e República Checa, na terra de Djokovic, que pela primeira vez tem seu país em uma semifinal de Copa Davis.

Resultados completos

França d. Espanha

Gael Monfils (FRA) d. David Ferrer (ESP) 76(3) 62 46 57 64

Michael Llodra (FRA) d. Fernando Verdasco (ESP) 67(5) 64 63 76(2)

Julien Benneteau/Michael Llodra (FRA) d. Feliciano Lopez/Fernando Verdasco (ESP) 61 62 67(6) 76(5)

Gilles Simon (FRA) d. Nicolas Almagro (ESP) 76(4) 76(7)

Julien Benneteau (FRA) d. Feliciano Lopez (ESP) 76(3) 64



ARGENTINA d. RUSSIA 3-2

David Nalbandian (ARG) d. Nikolay Davydenko (RUS) 64 76(5) 76(6)
Mikhail Youzhny (RUS) d. Leonardo Mayer (ARG) 63 61 64
Eduardo Schwank/Horacio Zeballos (ARG) d. Nikolay Davydenko/Igor Kunitsyn (RUS) 76(7) 64 67(3) 61
Nikolay Davydenko (RUS) d. Eduardo Schwank (ARG) 46 63 61 64
David Nalbandian (ARG) d. Mikhail Youzhny (RUS) 76(5) 64 63

Sérvia d. Croácia

Novak Djokovic (SRB) d. Ivan Ljubicic (CRO) 76(3) 64 61
Marin Cilic (CRO) d. Viktor Troicki (SRB) 64 75 62
Janko Tipsarevic/Nenad Zimonjic (SRB) d. Marin Cilic/Ivan Dodig (CRO) 63 62 64
Novak Djokovic (SRB) d. Marin Cilic (CRO) 63 63 62
Janko Tipsarevic (SRB) d. Antonio Veic (CRO) 62 76(5)

República Checa d. Chile

Ivo Minar (CZE) d. Nicolas Massu (CHI) 60 62 63
Jan Hajek (CZE) d. Paul Capdeville (CHI) 60 62 61
Lukas Dlouhy/Jan Hajek (CZE) d. Jorge Aguilar/Nicolas Massu (CHI) 76(3) 63 36 63
Jorge Aguilar (CHI) d. Lukas Dlouhy (CZE) 61 76(6)
Ivo Minar (CZE) d. Cristobal Saavedra-Corvalan (CHI) 76(2) 62

PS: A Espanha comemora neste domingo a sua segunda grande conquista esportiva em uma semana. Há sete dias Nadal conquistava o bicampeonato de Wimbledon e foi até a África do Sul torcer pelo País na final da Copa do Mundo.

*o blog está sendo reestruturado. Peço desculpas por qualquer inconveniente.

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized