Tag Archives: New York

Um treino com Nadal no US Open. Brasileiro treina com Nadal e Gasquet em NY.

Depois de estrear com uma boa vitória sobre o venezuelano Ricardo Rodriguez, por 6/3 3/6 6/0, no domingo, no US Open juvenil, o gaúcho Guilherme Clezar, passou por uma experiência inédita na sua carreira. Aqueceu o francês Richard Gasquet para a partida contra Gael Monfils e depois treinou, por 1h30min, com Rafael Nadal, em Flushing Meadows.

O empresário de Clezar, Cesar Villares, já havia me avisado, ontem à noite, que o brasileiro treinaria com o número um do mundo. Então, em vez de aproveitar a manhã de labor day sale em Manhattan, vim assistir o bate-bola.

Luis Carlos Enck, o Biba, Nadal e Clezar

Não dá para chamar de bate-bola um  treino de Rafael Nadal. Durante uma hora e meia, Clezar aguentou os “tiros” do espanhol, que estava acompanhado em quadra do tio e técnico Toni Nadal. “Conversamos bem pouco, só na hora de tomar água. Ele fica concentrado e só fala mesmo com o tio,” contou Clezar ao sair da quadra.  “Não conhecia ele. Foi o meu empresário que organizou tudo.”

O jovem, de 17 anos, nunca havia treinado com um tenista top. “Foi muito bom. Só tinha treinado com os jogadores do Brasil e hoje já foram dois de uma vez. Aqueci o Gasquet de manhã e agora fiquei correndo atrás dos mísseis do Nadal. Foi puxado, mas estou bem,” continuou Clezar, com os olhos brilhando, enquanto conversávamos e ele observava o melhor do mundo distribuir autógrafos na saída da quadra.

Clezar volta a quadra hoje, mas não para mais um treino. Joga duplas ao lado de Tiago Fernandes, o campeão juvenil do Australian Open que ontem ganhou de Mitchell Kruger , na simples, por 6/0 6/1.

O próximo adversário de Clezar é  argentino Andrea Collarini. Fernandes enfrenta o croata Mate Pavic. Ambos jogam na terça.

Além deles, outro juvenil brasileiro venceu na chave principal do US Open. Karue Sell, que veio do qualifying ganhou  do americano Raymond Sarmiento por 7/6(4) 4/6 6/4.

Fotos: Diana Gabanyi-TennisView / BPBarbadillo

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Schiavone diverte publico e quer mais um Grand Slam. “Depois que voce ganha um, fica com fome.”

O US Open já entrou hoje na sua segunda semana. Confesso que não havia reparado, até chegar hoje a Flushing Meadows, que as mulheres jogavam por vaga nas quartas-de-final.
Dos quatro jogos femininos de oitavas-de-final deste domingo, escolhi o da Schiavone para dar uma olhada. Queria ver a italiana campeã de Roland Garros jogando em Nova York.
Amigos que vieram ao torneio nesta semana já tinham falado que os jogos dela estavam um show. Primeiro, porque joga um tênis clássico e inteligente e depois porque sempre dá o seu melhor em quadra, vibra, chama o público.
Um jornalista comentava que ir a um torneio e assistir um jogo da “French Open champion” já vale o ingresso.
Tenho que concordar.
Ela é uma “show woman,” e neste domingo o show demorou apenas 68 minutos. Ganhou de Pavlyuchenkova por 6/3 6/0 e está nas quartas-de-final do US Open Tennis Championships pela segunda vez na carreira.
A primeiro foi em 2003, quando foi derrotada por Jennifer Capriati.
Desde a vitória em Roland Garros, no início de junho, o melhor resultado de Schiavone havia sido as quartas-de-final em Montreal, em seis torneios que disputou.
Agora, ela “desencantou” de novo e quer escrever um novo capítulo na sua história.
“Venci um Grand Slam e quero outro. Tenho fome de vitórias, mas tenho que respeitar o Grand Slam e ainda estou longe do ultimo jogo,” disse a italiana, na sua sempre divertida entrevista coletiva.
Perguntaram para ela, qual era o sabor da quadra rápida do US Open, já que havia experimentado o saibro de Roland Garros. Ela falou que ainda não provou, mas que vai pensar em algo se continuar vencendo.
Schiavone também disse que com seu jogo variado e o spin, causa problemas para as jogadoras, por isso está se saindo tão bem. “Eu sou rápida e vario muito as jogadas. Isso atrapalha as jogadoras. Não é como no saibro em que mais lento e dá para fazer uns 10, 20 ou 30 golpes num ponto, mas ao mesmo tempo posso sacar e volear, posso jogar rápido ou mais devagar. É como a pizza Capricciosa. Não é margherita. É Capricciosa, a mesma mas com um ingrediente diferente.”  Pizza aliás, que ela tem comido em Little Italy.
Perguntaram para Schiavone se ela sentiu a pressão depois de Roland Garros. Perdeu na estreia em Wimbledon e em outros torneios também, ou na segunda rodada. Ela explicou. “Pressão tem todos os dias, quando você joga a primeira rodada ou a final. Eu só não estava com energia suficiente.”
Depois de mais de meia hora de entrevista coletiva, em ingles e italiano, a sétima colocada no ranking mundial, ainda passou outra hora dando entrevistas no jardim da sala dos jogadores para uma série de televisões internacionais.
Agora, ela vai descansar e se preparar para o próximo desafio: Venus Williams, que ganhou de Shahar Peer, por 7/6(3) 6/3 e causou com seu vestidinho rosa brilhante.
Clijsters, mais em casa do que nunca, venceu a 18ª partida consecutiva no torneio, ganhando de Ivanovic por 6/2 6/1.
O outro joga das oitavas-de-final deste domingo é entre Stosur e Dementieva. Último jogo da rodada no Arthur Ashe Stadium.
PS – peco desculpas por qualquer falha de acentuacao e por nao ter fotos hoje. Problemas no computador.

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

O tênis é verde no US Open em NY com o reduce, reuse, recycle

The US Open is Green

Sempre inspirados por Billie Jean King, os americanos e principalmente o US Open que nomeou o complexo onde se joga o maior torneio de tênis do mundo de Billie Jean King National Tennis Center, continuam a incrementar as iniciativas “verdes.”

Billie Jean foi praticamente uma pioneira também nesta área ao lançar o Green Slam alguns anos atrás e o Greenternship program, para que universitários trabalhem com iniciativas verdes.

Cada vez mais os Grand Slams vão ampliando as ações para fazer um torneio sustentável, como já escrevi aqui algumas vezes e os exemplos estão sendo segiudos por outros eventos.

Desde que cheguei ao torneio, no primeiro dia, a primeira coisa que notei é que na sala de imprensa, todas as latas de lixo são para coleta seletiva, de latas e garrafas e papel e plástico.E olha que há duas lixeiras enormes em cada fileira dos lugares onde se senta a a mídia. Para o lixo comum há uma pequena lixeira embaixo da mesa de cada jornalista.

Os guardanapos antes feitos com 90% de papel reciclável agora são 100% com papel reciclável.

Vi outro dia David Nalbandian entrando no carro oficial do torneio, na porta do Waldorf Astoria para ir ao US Open e era um Mercedes híbrido.

São pequenos detalhes mas que vão fazendo alguma diferença, especialmente em uma cidade como New York, em que tenho a sensação de que reciclagem praticamente não existe. Como juntam lixo esses americanos.

Fui pesquisar e fiz abaixo um resumo das principais iniciativas verdes deste US Open 2010, que tem o slogan US Open Reduce, reuse, recycle.

1 – Todo o complexo do US Open tem 100% de latas de lixo para coleta seletiva.

2 – A IBM reduziu de 60 para 6 os servidores usados no US Open, reduzindo o consumo de energia em 40%.

3 – 60% dos carros usados pelos jogadores são híbridos.

4 – Billie Jean King e Alec Baldwin são os embaixadores das iniciativas verdes para divulgar as ações da USTA e alertar fãs e consumidores.

5 – Fãs estão ganhando cartões de metro no valor de US$4,50. É a empresa Esurance incentivando o uso do transporte coletivo.

6 – Os ingressos do US Open estão sendo impressos com 30% de papel reciclável. O papel usado para imprimir chaves, os daily programs, revista do torneio são todos com 30% de material reciclado.

7 – Os guardanapos do US Open são de papel reciclado.

8 – 20.000 bolas serao recicladas quando o US Open terminar e 60.000 serão doadas para projetos sociais.

9 – O torneio lançou uma linha de roupas orgânicas feitas 50% com material reciclado.

10 – Os jogadores estão recebendo indicações de como melhor usar as “iniciativas verdes” e os seus benefícios para o planeta.

A julgar pelo calor de mais de 35ºc neste fim de verão americano in New York City, tudo o que cada um puder contribuir, ajuda.

Ah, e o hurricane Earl is on the way. Já venta bastante em Flushing Meadows.

PS – p/ complementar o post. Descobri que estão oferecendo diariamente no restaurante da imprensa iogurte orgânico – Stonyfield. Acabei de provar um, o organic greek yogurt com mel. Muito bom!


Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

US Open Tennis – The Heat is on

Aqui no US Open não se fala em outra coisa, “The Heat is On.”

Li hoje de manhã no New York Times que desde 1993 não fazia tanto calor nesta época de US Open.

Raras vezes, nestes anos que venho ao torneio fez frio. É sempre quente, mas um pouco mais fresco à noite e um casaquinho tem que estar à mão em todos os momentos para suportar o ar-condicionado da sala de imprensa, dos restaurantes, do carro.

Neste ano, meu casaquinho só está fazendo a viagem do quarto do hotel para o US Open todos os dias, intacto. E o ar-condicionado da sala de imprensa está ligado no máximo.

Ontem à noite também, preferimos sentar numa mesa outside para jantar no Sushi Samba e dez minutos depois já tinha me arrependido da escolha. O calor às 22h estava de mais.

Ontem já estava vendo algumas entrevistas em que perguntavam aos jogadores se eles gostariam que a ATP aderisse ao “Heat Policy”, como faz a WTA, que permite que as jogadoras façam um break de 10 minutos depois do segundo set, quando a temperatura atinge níveis extremos. (Dizem que a temperatura de manhã estava 36ºC hoje).

Todas as respostas que ouvi dos jogadores da ATP é que mesmo com esse calorão, não deveria haver essa regra para a ATP.

Mesmo Sam Querrey, que admitiu estar sentindo cãibras hoje na partida em que venceu Klhan por 6/3 4/6 7/5 6/4, disse que não e que também não é favor de se construir uma quadra com teto retrátil para que se feche o teto quando estiver muito quente.  “O tênis é um esporte físico. Você deveria ser recompensado pelo trabalho duro. Se você é um jogador que está em forma,  não deve ser prejudicado por isso.”

Baghdatis, eliminado ontem por Clement, disse que estava quente, mas que o calor não o afetou tanto. “Em Cincinnati também estava muito quente, mas já está assim há alguns dias. A gente tem treinado nesse calor. Não foi isso que me fez perder. Estava cansado mental e fisicamente.”

Clement, o vitorioso após mais de três horas de jogo, também afirmou que o calor estava forte, mas que é parte do jogo e que não é a favor de uma regra para altas temperaturas. “Alguns jogadores gostam de jogar quando está quente. Alguns gostam de jogar no inverno, na grama, indoor. Há tenistas que tem melhor físico e é bom enfrentar diferentes condições de temperatura. Sou contra ter uma regra.”

Tenista Americano que mais se destaco no Olympus US Open Series, Mardy Fish também falou sobre o calor. Dez quilos mais magro e ganhando jogo após jogo, Fish disse que está muito quente em NY, mas nada se compara ao que ele e o amigo John Isner enfrentaram na final em Atlanta, há pouco mais de um mês, vencida por ele. “Comparado a Atlanta, aqui está gostoso. Deve estar uns 20 graus a menos e nem tem a umidade. Claro que está calor, mas nem perto do que já passamos neste verão.”

Djokovic, que costuma sofrer com problemas respiratórios e com o físico também, disse ontem, após vencer Troicki em cinco sets, que o calor está aí para todos e que tem que enfrentá-lo, não há o que fazer. “Fui paciente e tentei não entrar em pânico. Estava esperando pela sombra. Passamos por situaçoes extremas muitas vezes.”

Gael Monfils, que venceu Robert Kendrick na segunda-feira, em cinco sets, disse que quando a sombra apareceu na quadra, ele ficou tão feliz que se sentiu num “encontro romântico com a namorada.”

Até mesmo o alemão jamaicano Dustin Brown confessou estar sentindo o efeito do calor. “Vivi na Jamaica durante uns sete oito anos da minha vida e estou acostumado ao calor. Mas hoje está muito quente. Lutei contra ele,” afirmou após a vitória sobre Ruben Ramirez Hidalgo.

Murray que não teve dificuldades para vencer Lukas Lacko, disse que na quadra central não se sente tanto o calor, mas que nas outras é pior. “Senti mais calor quando fui aquecer do que quando jogava.”

Eliminado pelo jovem Ryan Harrison, Ivan Ljubicic disse que o calor foi o seu pior inimigo hoje. “SEmpre tive dificuldade com o calor, durante toda a minha carreira. Já tentei diferentes táticas e nada funciona. Eu tenho muito suor, não me sinto bem, não me movimento bem e o Ryan estava jogando o melhor tênis dele. Acho que a regra que eles tem na Austrália de que quando se chega a uma certa temperatura ninguém joga, é a melhor. Esse break de 10 minutos, da WTA, não ajuda.”

Chela, que também venceu hoje (derrotou Yen HSun Lu(, afirmou ter a sensação de que o tênis pegava fogo.

Mas, ninguém foi mais assunto hoje do que Victoria Azarenka.

Ela caiu na quadra enquanto enfrentava Gisela Dulko, foi levada ao hospital e até sair o comunicado oficial muita gente achava que a queda estava relacionada ao calor.

Eis aqui o official statement:

“I was warming up in the gym prior to my match against Gisela Dulko when I fell while running a sprint.  I fell forward and hit my arm and head.  I was checked by the medical team before I went on court and they were courtside for monitoring. I felt worse as the match went on, having a headache and feeling dizzy.  I also started having trouble seeing and felt weak before I fell. I was taken to the hospital for some medical tests and have been diagnosed with a mild concussion.“

Mas, esse assunto de calor não deve durar muitos dias.

O Hurricane Earl está previsto para chegar na sexta-feira.

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

In NYC, no meu 15º US Open – vitórias de Mello e Bellucci na estreia

Se New York é “the city that never sleeps,” é também a cidade que mais me dá a sensação de estar sempre correndo contra o tempo.

Não importa o quanto eu me prepare, me organize, me programe, estou a todo momento fazendo uma coisa e já pensando que deveria estar em outro lugar fazendo outra, mandando uma mensagem para alguém me esperar que estou chegando, correndo para não perder o horário do transporte e nesses primeiros dias de US Open, essa sensação se intensifica ainda mais.

Já comecei o dia quase perdendo o transporte de manhã para vir para o Billie Jean King National Tennis Center.

Acordei até antes do relógio despertar, mas era tanta coisa para trazer para a sala de imprensa – revistas, computador, todos os cabos, camera fotográfica, gravador, os papéis para poder pegar o transporte e retirar a credencial, telefone, carregadores, protetor solar- está um calor infernal aqui em Nova York –  os jornais para ler no caminho até aqui e por aí vai, que quase perdi o ônibus. Estava cada coisa em um lugar do quarto do hotel (nem preciso dizer que já baguncei o quarto inteiro).


Não consegui ler os jornais no ônibus, apesar do trânsito que pegamos para chegar de mid town até Flushing Meadows. O USA Today e o New York Times publicaram, cada um, um caderno especial sobre o US Open,  o que nunca tinha visto antes.

Deu só para folhear os dois e perceber que, além das inúmeras matérias, nas páginas de anúncio, quem mais aparece é o Federer. O Credit Suisse colocou anúncio de página dupla com o suíço no NY Times e a Mercedes-Benz, no USA Today.

Depois de pegar a minha credencial, – a minha 15ª aqui no US Open – deixar computador e todo o resto na sala de imprensa, fui direto para a quadra do Ricardo Mello e me deparei com outro grande poster do Federer, no meio dos “grounds” do torneio, junto a dois carros da Mercedes.

Chego na quadra e Mello está ganhando o primeiro set. Vence o primeiro, o segundo – com os amigos André Sá, Bruno Soares e Júlio Silva, no melhor NY Style na torcida – perde o terceiro e vence o quarto. Está na segunda rodada do US Open e vai enfrentar Juan Carlos Ferrero.


Volto para a sala de imprensa e daqui não consegui sair mais até agora.

Primeiro demorei para me adaptar à inovação tecnológica que colocaram aqui. Antes cada jornalista tinha uma televisão na sua mesa, com acesso a imagens de todas as quadras, canais, estatísticas, jogos online, entrevistas dos jogadores, etc.. Neste ano, substituíram a TV por um computador IBM Think Pad que dá acesso às mesmas imagens e informações  – e até mais eu acho – mas até conseguir me entender com a novidade perdi um bom tempo.

E aí, como é primeiro dia e além do trabalho habitual, é tanta gente para encontrar, cumprimentar, conversar, reunião para marcar, etc, que ainda estou aqui sentada na minha mesa e pelo jeito, por aqui vou ficar até o jogo do Bellucci começar.

Mas, como é NY, o que parece que vai demorar, provavelmente, vai começar sem eu nem perceber que estou há horas na sala de imprensa.

Em tempo. Termino o 1º dia de US Open, ou melhor, quase termino, com a vitória de Bellucci na estreia. Derrotou o americano wild card Smyczek por 3/0 – 6/4 7/5 7/6(5)  e está na 2ª rodada da competição. Enfrenta na próxima rodada o sul-africano Kevin Anderson.

Como acabei de perder o ônibus de volta p/ Manhattan, vou aproveitar para ver um pouquinho do pentacampeão Federer em ação.

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Com Sharapova & Cia, Nike faz o 1º grande evento do US Open em New York

O US Open só começa oficialmente na segunda-feira, mas Nova York já está vivendo o Grand Slam e não é porque o qualifying começou na terça-feira.As principais estrelas do campeonato já estão na Big Apple e aproveitam a semana que antecede o maior campeonato do mundo para treinar e participar de diversos eventos para seus patrocinadores.

Sempre causando “buzz” a Nike levou Rafael Nadal, Roger Federer, Maria Sharapova, John McEnroe e até Serena Williams que não jogará o Grand Slam, ao Pier 54 nesta noite de quarta-feira, para o Nike Knockout event, Lights In, Lights Out, em que montaram uma quadra no Pier e abriram a festa ao público.

A  gigante norte-americana aproveitou também para mostrar as roupas que Federer, Nadal e Sharapova usarão no US Open. Para quem não tinha gostado da camiseta ultra pink do Nadal nos últimos torneios, não se preocupe, ele vai jogar de verde limão de dia, e de preto à noite. Federer também não vai continuar usando o rosa. A cor dele para o US Open é o azul.  E Sharapova vai de azul marinho à noite e azul turquesa durante o dia.

O evento da Nike foi apenas o primeiro de muitos que acontecem em New York City até os jogos começarem.

O próprio sorteio da chave principal, nesta quinta, costuma ser um grande evento para a USTA. Antes realizado em um grande hotel da cidade ou até mesmo na sede da ONU, desta vez, a chave será sorteada no Billie Jean King National Tennis Center.

A chef Ingrid Hoffmann e Roddick

Nesta quinta também muitos dos jogadores “celebs” participaim do BNP Paribas Taste of Tennis, no Hotel W da Lexington Avenue, em que grandes chefs de cozinha oferecem suas delícias aos convidados que pagam US$ 275 para entrar. Os tenistas se juntam aos chefs, colocam a mão na massa e arrecadam fundos para instituições de caridade. Esta é a 9ª edição do Taste of Tennis.

Venus Willimas também tem compromisso nesta quinta. Participa de uma clínica de tênis virtual com a Ralph Lauren, parceira do US Open.

A K-Swiss, patrocinadora de Mardy Fish, Sam Querrey e Vera Zvonareva, também já anunciou evento no mesmo hotel W, no sábado; a Donnay que está voltando ao tênis patrocina um torneio Pro-Am cheio de ex-campeões de Grand Slam, no domingo; a Wilson costuma fazer sua festa em um dos outros hotéis da cidade, no fim de semana.

Estes são apenas alguns dos pré-eventos do US Open.  Sessões de autógrafos na Macy’s, aparições na Times Square – lembram-se de Guga, Ivanisevic e Agassi em um evento da Head, em 2001, em pleno coração da vibrante cidade? – entrevistas em lugares inusitados de Manhattan, ainda agitarão New York até o torneio começar de fato na segunda-feira.

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Dokic e Lucic, as ex-prodígios, com histórias de pais abusivos e que continuam lutando na WTA. Dokic já está entre as top 100 de novo.

As atenções do tênis mundial estão voltadas nesta semana para o Masters 1000 de Toronto, a Rogers Cup, com o retorno de Nadal, Federer e Djokovic às quadras, depois de um mês de descanso do tour.

Mas, já faz tempo que quero escrever sobre a Mirjana Lucic e Jelena Dokic. E hoje, ao passar os olhos sobre o ranking da WTA e ver o de Dokic no 82º posto, resolvi aproveitar para falar sobre a croata e a sérvia.

Quando as vi pela primeira vez no circuito, há mais de 10 anos, elas eram do leste europeu, eram jovens e pareciam prontas para dominar o mundo do tênis. Com estilo de jogo agressivo e cabelos loiros colorindo as quadras do mundo, elas eram a sensação na WTA.

Mas, diferente das histórias de outras meninas prodígio da época, como Martina Hingis, Anna Kournikova e Serena Williams, Dokic e Lucic viajavam com pais um pouco diferentes dos já diferentes pais de tenistas.

Sim, Martina ganhou o nome da mãe Melanie, em homenagem a Navratilova. Queria fazer da filha uma campeã no tênis. As irmãs Williams fizeram o sonho do pai se tornar realidade e Kournikova viajava todos os torneios com a mãe. Mas, nenhum deles, pelo menos que se saiba, bateu na filha, abusou sexualmente, foi preso, expulso de algum torneio, passou dos limites com imprensa  e com as próprias meninas.

No caso de Lucic, semifinalista de Wimbledon em 1999 e de Dokic, semifinalista no ano 2000, isso aconteceu.

Lucic, um ano mais velha do que Dokic, não chegou ao quarto posto do ranking mundial como a hoje australiana Dokic. Seu auge foi o 32º lugar em 1998, ano em que precisou fugir de seu país, a Croácia, para se livrar dos abusos do pai, que batia na adolescente, após cada jogo que ela perdia.

Número um do mundo juvenil, campeã junior do US e do Australian Open, Lucic também era obrigada a se pesar diariamente na frente do pai. Caso estivesse acima do peso, apanhava. A mãe também sofria com os abusos do marido, que segundo a própria Mirjana batia nas crianças desde que elas eram pequenas.  A família chegou a se esconder na casa de Goran Ivanisevic, em Split, até conseguir asilo político, primeiro na Suíça e depois fixar residência nos Estados Unidos.

Com toda essa confusão mental na vida da então adolescente Mirjana, a carreira no tênis foi desmoronando aos poucos. Ela saiu do top 100 no ano 2000, sumiu dos rankings entre 2004 e 2007, engordou mais de 20 quilos e  agora, aos 28 anos, está chegando perto de um lugar entre as 100 mais bem colocadas do ranking mundial novamente.

Depois de perder todos os contratos, processar a IMG (International Management Group), ficar sem dinheiro para poder competir, está no circuito de novo e tendo que disputar os qualifyings de todos os torneios em que já brilhou.  Desde 2003 sem jogar um Grand Slam, passou o quali de Wimbledon e jogou a chave principal neste ano. Espera conseguir fazer o mesmo em New York .

Já Dokic tem uma história até mais complicada do que a de Lucic, por já ter sido top 5 e ter um pai que chegou a ser preso e foi acusado de abusar ainda mais fisicamente da filha. “Ninguém sofreu mais do que eu,” revelou Dokic em uma entrevista à revista Sport & Style, da Austrália, no ano passado.

Foi em 2009 que ela viveu um novo momento de conto de fadas ao alcançar as quartas-de-final do Australian Open, jogando novamente pela bandeira da Austrália e depois de ter disputado apenas um torneio do Grand Slam nos quatro anos anteriores.

Viu seu ranking subir, seu pai ser preso, viveu momentos de celebridade novamente. Assinou contratos com a Lacoste, JetStar, ganhou wild cards para vários torneios, mas seu corpo não estava tão pronto assim para aguentar a forte rotina do circuito mundial e logo os resultados pararam e vieram as lesões.

Pensei, sinceramente, que Dokic pararia por alí. Cheguei a vê-la na estreia em Roland Garros, mas ela foi facilmente superada pela checa Lucie Safarova. Ela parecia estar entrando naquela rotina de lesões e derrotas que depois de tantos infortúnios passados, tanta luta fora da quadra, acabam levando o atleta a desistir do esporte.


Mas, não foi o que aconteceu. Ela se separou do namorado e treinador Borna Bikic, e contratou o ex-técnico de Ana Ivanovic e Dinara Safina, Glen Schaap, ganhou três torneios seguidos da categoria Challenger, todos com premiação de US$ 75 mil (Bucareste, Contrexeville e Vancouver) e já está na 82ª posição no ranking mundial.

Para jogar o US Open ela provavelmente – se não ganhar um wild card – terá que passar pelo qualifying, mas não está preocupada. Ela afirma estar se preparando para a temporada 2011.

Que coragem e vontade destas meninas – elas ainda tem cara de menininhas, apesar de possuírem um olhar muitas vezes triste – de vencerem novamente. É admirável.

Para quem quiser ler uma história mais detalhada de Dokic, reproduzo a seguir uma material bem completa que escrevi – alias, adorei escrever – sobre ela, na edição 95 da Tennis View.

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized