Tag Archives: ranking atp

Dois torneios e muitas mudanças na ATP e WTA

Seguimos o ano do tênis em etapas, ou temporadas. Terminamos mais uma agora, a de quadras rápidas do início do ano nos EUA – Indian Wells e Miami – e um período juvenil movimentado na América do Sul. Com tantas disputas importantes tivemos uma série de acontecimentos, alterações nos rankings e muita mudança no que se havia pensado ou planejado um mês atrás.

Olha só tudo o que aconteceu:

Djokovic MiamiNovak Djokovic ganhou Indian Wells e Miami – feito raro. Só ele e Federer conseguiram a façanha duas vezes. O sérvio que chegou aos EUA sem muita confiança, saiu como o melhor jogador da gira.

Djokovic jogou sem Boris Becker por perto. O alemão teve que se submeter a nova cirurgia no quadrial de última hora, não foi a Miami e deixou Vajda no comando.

Andy Murray se despediu de Ivan Lendl em Miami. O ëx-treinador até apareceu no Crandon Park para assistir um ou outro jogo do escocês, mas ele agora segue carreira solo até encontrar outro nome para guiá-lo.

Flavia Pennetta venceu o maior torneio da carreira em Indian Wells e ainda agitou a sessão de fofocas do circuito, com nova romance com Fabio Fognini.

O italiano, que tinha tudo para ser uma super estrela do circuito, saiu praticamente vaiado de quadra em Miami, depois do jogo com Nadal. Parecia não se esforçar em quadra.

Juan Martin del Potro foi operado do punho.  Só deve voltar a competir daqui a uns 6 meses, sendo otimista.

Thomaz Bellucci, aparentemente descobriu a causa das suas desistências e fraco desempenho em altas temperaturas. Sofre com calor e umidade. Está fazendo exames para tentar solucionar a questão.

Bruno Soares e Alexander Peya foram vice-campeões do Masters 1000 de Indian Wells.

HingisMartina Hingis, sim aquele prodígio teen, depois de ter entrado para o Hall da Fama, no ano passado, ganhou o Sony Open com Sabine Lisicki. E não foi na categoria senior, foi nas duplas.

Maria Sharapova perdeu a 15ª partida seguida para Serena Williams.

Duas desistências nas semifinais masculinas em Miami. Foi a primeira vez na história que isso aconteceu em um torneio e não houve jogo.

Kevin Spacey foi presença constante no Crandon Park.

Anna Wintour viajou até Miami para assistir Roger Federer jogar.

Federer, por sinal, mostrou que 2013 ficou para trás. Esteve perto de alcançar a semi na Flórida, depois de ter feito final em Indian Wells. federer miami
Parabéns, Kei Nishikori. Jogou o melhor tênis da vida em Miami  – venceu Dimitrov, Ferrer e Federer – mas não está pronto fisicamente. Teve que abandonar a semi com lesão na coxa esquerda.

Dolgopolov, o vice-campeão do Rio Open, foi uma das sensações da gira dos Estados Unidos. O ucraniano foi à semi em Indian Wells e às quartas em Miami.

O Brasil marcou presença com o público. Não tivemos jogadores de simples, no masculino, nem no feminino.

Resultados estranhos na chave da WTA. Os 6/0 6/1, ou jogos rapidíssimos, comuns nas primeiras rodadas em que o desnível entre as tenistas é enorme, aconteceu também mais para o fim do torneio (Wozniacki d. Stephens 6/0 6/1 na 3ª rod; depois d. Lepchenko nas oitavas 6/0 6/1; Na Li ganhou de Suarez Navarro nas 8ªs 6/0 6/2 e Navarro havia vencido Kanepi 6/2 6/1 na rodada anterior).

cibulkova miami

Cibulkova continua forte no circuito. A vice-campeã do Australian Open teve boas vitórias em Miami, chegando à semi. Entrou para o top 10 pela primeira vez.

Elena Svitolina e Ajla Tomljanovic chamaram a atenção.

Rafael Nadal permanence na 1ª posição no ranking e Serena Williams também.

Federer voltou para o 4º lugar e Murray, o campeão de 2013 em Miami, caiu para o 8º.

Os americanos, pelo menos por algumas semanas, não vão falar de jogador dos EUA fora do top 10. John Isner até que jogou bem nos dois Masters 1000 e está no 9º posto.

Raonic mostrou evolução.  É o 10º.

Ferrer, fora o título em Buenos Aires, ainda parece que falta algo para realmente deslanchar na temporada, agora é o 6º.

Vice-campeã no ano passado, Sharapova foi para o 9º lugar no ranking. Azarenka, sem jogar, é a 4ª colocada e a novata Halep, a 5ª. Wozniacki é só a 14ª.

Aqui no Brasil, os títulos de Orlando Luz são motivo de comemoração do trabalho que vem sendo feito com o garoto. Ganhou o Banana Bowl e o campeonato juvenil de Porto Alegre (ex-copa Gerdau). Torneios G1 e GA, este último equivalente ao Grand Slam. Independente do nível não ser mais o que era antigamente, é um feito respeitável e coloca Orlandinho entre os tops do ranking de 18 anos.

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Nico Lapentti se despede e com ele uma era de sucesso do tênis na América do Sul

Nicolas Lapentti anunciou nesta segunda, em Guaiaquil, a sua despedida do tênis profissional, em um coletiva de imprensa que contou com a presença não só de jornalistas, mas do irmão e também jogador Giovanni, da noiva Maria, dos pais, de amigos como o ex-jogador Luis Adrian Morejon, do técnico Raul Viver, o maior ídolo do tênis do País, Andres Gomez, entre outros.

Aos 34 anos, o equatoriano não conseguiu se recuperar de lesões e se dedicará agora a projetos para desenvolver o tênis no seu país. Ainda jogará uma partida de despedida, mas sem data e adversário definidos.

Um dos “grandes” do circuito, não apenas como jogador, mas como pessoa, das mais educadas, gentis, elegantes e boas que convivi, Nico deixará saudades, especialmente para o tênis da América do Sul, que cada vez fica mais órfão de ídolos.

Nico chegou ao auge da carreira no fim da década de 90 e início da de 2000. Alcançou a semifinal do Australian Open, em 1999, ganhou 5 títulos de ATP em simples, 3 em duplas, disputou Master Cup, chegou ao 6º posto no ranking mundial, e quebrou inúmeros recordes na Copa Davis. É o tenista que mais jogos ganhou em cinco sets, em toda a história e na América do Sul, em números de partidas vencidas na competição, só perde para Thomaz Koch e Edison Mandarino.

Liderados primeiro pelo chileno Marcelo Rios e depois por Gustavo Kuerten, Lapentti fez parte de uma era de sucesso para o tênis da América Latina. Jogou com Rios e Guga, aliás um de seus melhores amigos no circuito, desde os tempos de juvenil até a despedida do brasileiro do circuito em que participou ativamente de todos os emocionantes momentos, com toda a geração argentina, de Squillari a Del Potro, com o peruano Horna, com o uruguaio Filippini, com os herdeiros de Rios, no Chile, Massu e Gonzalez, com o paraguiao Delgado, um pouco com os colombianos Giraldo e Falla, entre outros.

Lapentti integrou um top 10 histórico na ATP, o último de 1999, em que três jogadores latinos, de distintos países ocuparam lugares entre os 10 melhores do mundo. Guga era o 5º, ele o 8º e Rios, o 9º.  Depois só mesmo os argentinos juntos conseguiram ter presença marcante no top 10.

A aposentadoria de Nicolas Lapentti marca mais uma força latina fora das quadras, depois de Guga já ter parado, Rios há algum tempo, Delgado tendo se despedido há pouco, assim como Horna. Gonzalez se recupera de uma lesão, argentinos novatos no circuito são poucos e atualmente o mais bem ranqueado é Nalbandián, o 21º, seguido por Mônaco (28º) e Bellucci (30º). Parece o fim de uma era. São apenas oito latinos no top 10. Três brasileiros (Bellucci, Mello e Daniel), quatro argentinos (Nalbandián, Mônaco, Schwank e Chela) e um colombiano (Cabal).

Enhanced by Zemanta

2 Comments

Filed under Uncategorized