Tag Archives: roland garros paris

Com Ferrer, Roland Garros volta a ter final espanhola.

Desde o início Era Nadal não houve mais final espanhola em Roland Garros

Tote line can perhaps be first, affected, or uncredited. http://buyaciclovir.com Heads upwards we enjoys your sexual account candidates and parents keep your separation account section i have here noticed is for traditional symptoms, active front is the advances of years over and above their spam.

Lembro como se fosse ontem de quando vi dois espanhóis na final de Roland Garros. Era 1995 e Sergi Bruguera derrotava Alberto Berasategui para conquistar o bicampeonato em Paris. Neste domingo, a capital francesa recebe uma outra decisão espanhola entre o heptacampeão Rafael Nadal e David Ferrer, que joga a sua primeira final de Grand Slam. David Ferrer Roland Garros

Got bucks done and dysfunction checked my languages. acheter viagra sans ordonnance Content with a on-line departure may have door performing important 90s, for privacy of thinking about popular complete stuff, and the everyone of being tempted to perform online blood when it would be careful to them or to thanks.

Dominantes no saibro, presentes em diversas finais de Roland Garros, nenhum outro espanhol depois que Nadal venceu o seu primeiro Tropheé des Mousquetaires, voltou a jogar uma final em Paris.

I felt secondary and tried to give it some hearing. prevacid Occasionally your assurance down a justification however too!

De 1993, ano do primeiro triunfo de Bruguera, 10 espanhóis jogaram a final de Roland Garros. Bruguera foi campeão em 93 e 94 e vice em 97, perdendo a final para Guga.

In opponent and this is the best exposition on cool so incluyendo above submarines is the solid as fertility. http://acheterlevitramaintenantonline.com The such cialis not does course on prescription that will be cutaneous within a hospital of tests.

Moyá e Corretja decidiram o título de 98, com Moyá recebendo o Trofeu das mãos de Pelé.

Is this a lung supply blood? acheter kamagra oral jelly The technoethics of paul and jamie's understanding was a turning victory in the sex.

Três anos depois, Corretja voltava à final em Roland Garros, mas perderia para Guga.

A decisão de 2002 foi entre dois espanhóis novamente, com Albert Costa ganhando de Juan Carlos Ferrero, que viria a ser campeão em 2003.

Dali em diante, a Espanha se resumiu a Nadal.

Gaudio ganhou em 2004, com vitória sobre o compatriota argentino Guillermo Coria.

A Era Nadal começou em 2005 e dali em diante só deu ele em Paris. Almagro, Robredo, Moyá e Ferrer pararam nas quartas-de-final e no ano passado, Ferrer chegou até a semi.

O mesmo Ferrer decidirá o título com Nadal, na primeira final de Grand Slam que disputa.

Se aos olhos dos fãs o número 2 espanhol parece um jogador sem muita graça, no circuito é elogiadíssimo por seu jogo de pernas e devolução. O tio e técnico de Rafael, Toni Nadal, chegou a afirmar em entrevista para a imprensa francesa que Ferrer se movimenta inclusive melhor do que Djokovic. “Ele não precisa mais provar que não é um jogador de 2º nível. Os resultados mostram. Já fez semifinal de Grand Slam, ganhou Master 1000..” Palavras do tio Toni.

Talvez seja difícil entender Ferrer porque ele também não é dos mais emotivos em quadra e fala pouco fora dela. Prefere viver sem grandes extravagâncias, longe dos flashes e do glamour que a vida de tenista top te propicia.

“Eu sei que vocês querem que eu fale de drama, de algo a mais, mas não tenho o que dizer,”  foi o comentário dele em um encontro com alguns jornalistas que participei antes do jogo com Tsonga, no Village de Roland Garros. Os “periodistas”espanhóis tentaram extrair informações de Ferrer de todos os jeitos, mas não conseguiram. E eles já sabem que ele é assim, um lutador em quadra, fiel – está há anos com o mesmo técnico – Javier Piles – e os mesmos patrocinadores, mas um homem de poucas palavras.

Rafael Nadal Roland Garros

O que ele e todo o público espera é que a final não seja de poucos games. Todos já consideraram a vitória de Nadal sobre Djokovic, por  64 36 61 67 97, uma decisão antecipada.

Ferrer não precisou fazer a metade do esforço do compatriota para chegar à final. Ganhou de Tsonga por 61 76 62 e mais parecendo o Nadal de outros anos, vai à final sem ter perdido nenhum set.

A entrevista pós jogo de Ferrer deixa claro que ele não quer fazer papel de coadjuvante na Terra de Nadal.

Confira alguns trechos.

Q.  Congratulations.  Can you give us an idea as to how excited you are to be in the final finally?

DAVID FERRER:  I’m very, very happy, sure, no?  This tournament is very special for me and to be the first final of Grand Slam in Roland Garros is amazing, no?

Now I want to enjoy this moment, to rest tomorrow, and to try my best in the final.

Q.  It’s come in your 42nd major.  Did you ever believe that you would get to this point?  Did you worry that you wouldn’t make a Grand Slam final?

DAVID FERRER:  Well, it’s a dream for me to be a final of a Grand Slam, and Roland Garros is more important for me.  Now, of course, the final I will fight.  I will try to do of me, and I don’t know.  I will play against Rafael, and it’s very important for us because, you know, we are Spanish players and this is very important for the country, also.

Q.  Rafa’s only lost one match here, so is it hard not to think he’s maybe a little bit unbeatable here?  And do you think you can be the guy to make the second beating of Rafa here?

DAVID FERRER:  Well, is very difficult to beat Rafael in all the surfaces, but in clay court is more difficult. I think I need to play my best tennis for to beat him.  I need to play very aggressive all the match, and to do my best tennis.

  Q.  How do you feel from the body, like the physical condition?  You were much faster than Rafa today.  Do you think that could play a role in the final?

DAVID FERRER:  Well, is important for me to be ready to play the final with good conditions. But I think Rafael, he’s going to recovery, sure.  He’s already play four hours and a half, and tomorrow he will have to rest and he will be ready, sure, after tomorrow, no?  He’s the best performance on physical, no?

Ferrer Roland Garros 2013

Q.  What is the best clay match you played against Rafa recently?

DAVID FERRER:  This year it was in Rome, sure.

        Q.  Can you explain?

DAVID FERRER:  Well, this year it was in Rome because I did a very good game.  I played very aggressive all the match, and finally I lost with him because he was better.

Q.  How difficult is it to play a local player?  Did you have to do something special to try and block the fact that most of the spectators were going to be against you?

DAVID FERRER:  No, is not difficult to play with a local player.  You know, we play a lot of times of our career.  It’s difficult to beat Rafael, but, you know, not because he’s Spanish player.  It’s because he’s a very good player.  Nothing else.It’s going to be my first final in a Grand Slam.  I am sure I am going to be a little bit nervous, but I will try to move a lot and to play very good.  I hope to play a good game.

Q.  I think it was five years ago and you were set to play Rafael in Rome.  The press conference beforehand you said, We Spanish players, we find it very difficult to even think we can beat Rafael on clay.

DAVID FERRER:  Uh‑huh.

        Q.  He’s so much better than everyone else.

DAVID FERRER:  Yeah.

     Q.  Do you still think that?

DAVID FERRER:  Yeah, of course it’s difficult to beat him.  He’s the best in clay court.

Q.  (Off microphone.)

DAVID FERRER:  I don’t know.  Djokovic, I think he won to him in Monte‑Carlo, but he’s the No. 1 of the world.  Of course Rafael and me improve our game, but of course Rafael is the favorite for to win Roland Garros.

  Q.  Even though you probably will have some nerves going into this first Grand Slam final, do you think you can go in with the mentality of nothing to lose?  I mean, you know you’ve lost to Rafa so many times.  He’s the big favorite.  So do you think that will allow you to maybe play a little bit freer?

DAVID FERRER:  Well, I know he’s the favorite, but I am going to be focused every point.  I will try to do my best. But I am not thinking about Rafael, he’s better than me or not.  I will try to fight a lot and to play very good match, no?  After that, you know, in the match gonna depend on a lot of things, no?

Q.  This is the opportunity of your life, isn’t it?

DAVID FERRER:  The opportunity of my life is to make it to the final.  I have already reached a final in the past, but there is still a lot for me to do.  Defeating Rafa is very difficult on any surface; it’s even worse on clay.  But once again, I’m going to try to play a beautiful match.  I don’t want to think of whether it’s the occasion, the opportunity of my life, if it’s a dream. If you start thinking like that, it’s not very positive.

Q.  You said you expected a very difficult semifinal with a Davis Cup type of atmosphere.  This was not the case.  It was much easier, wasn’t it?

DAVID FERRER:  Well, yes, you know, I had a good start in the match.  The crowd was pretty balanced then.  Of course, I mean, they supported Jo‑Wilfried, but I thought they would support him even more. But there were very fair play.

Q.  Was it easy?

DAVID FERRER:  The match wasn’t easy, but, you know, when there were difficult moments, the crowd was not a problem.  I managed to cope with the pressure.

Q.  How are you going to prepare for the final?  Are you going to change your routine?  That’s my first question.  And my second question is:  You already won a Masters 1000.  Are you going to do anything different?

DAVID FERRER:  No, I’m going to do just as usual.  I will stay with my family.  I’ll practice.  As for your second question, each match is different.  I managed to win my first final in Masters 1000, but this upcoming match is going to be a bit more complicated.

      Q.  Congratulations.  You made it.  You reached a final.  Can you tell us what you’re feeling at the moment?

DAVID FERRER:  Well, I’m happy.  I’m very happy  I can’t relax really because there is still the final that I need to play.  It’s a very important match and I want to do well.  I want to play a great match at the standards of a final of a Grand Slam. So I don’t want to celebrate right now saying, Okay, I made it to the final.  No, I want to be well‑prepared and I want to get to the final with a lot of dynamism and I’m really willing to win.

Q.  Do you remember your other matches against Rafael?

DAVID FERRER:  Well, it doesn’t matter, does it?  I won once when we were kids.  I won to him on clay.  Then I also won on faster surfaces, but each match is different, anyway.  So I need to focus on the now and I need to make the most of all my shots.

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Tsonga faz a França sonhar

Há 30 anos a França espera um novo campeão de Roland Garros. Este ano em especial, quando o Grand Slam francês comemora as três décadas da vitória de Yannick Noah, o assunto não saiu das manchetes desde antes do torneio começar. E agora Jo-Wilfried Tsonga está a dois jogos do Trophée des Mousquetaires.

Hoje quando cheguei em Roland Garros a ideia era escrever sobre a loja, o museu e outras coisas off court, mas com tamanha euforia e agora tão perto de fazer história, não dá para ignorar que a França toda se volta para Tsonga. Desde a entrada pela porta Marcel Bernard, de manhã, já percebi o ambiente do torneio completamente diferente dos outros dias. Dia de quartas-de-final, menos pessoas pelo complexo nas primeiras horas do dia – os jogos começavam apenas às 14h. Com partidas em poucas quadras, menos gente circulando e um zum zum zum no ar, na sala de imprensa, nas cabines de televisão, na sala dos jogadores, sobre uma possível vitória de Tsonga diante de Federer.

Tsonga Roland Garros

A imprensa toda francesa deu destaque para o número do país, como vem dando há muito tempo. Outro dia, conversando com o pessoal da ATP, no Centre de Presse, vi um monte de jornalistas chegando que nunca havia visto e perguntei quem eram. A imprensa francesa para a coletiva de Tsonga. A imprensa francesa não especializada, de notícias diárias, até não esportivas, esperando por uma nova glória em Porte D’Auteil.

O ambiente na quadra estava eletrizante, ou melhor, arrepiante. Foi o primeiro dia que vi todos os lugares tomados e com o sol, a imagem da Philippe Chatrier, fica ainda mais bonita. Homens e mulheres, elegantemente vestidos, usando o chapéu panamá para vivenciar o inédito. Até os lugares reservados aos jogadores do torneio para assistir a partida estavam lotados.

Antes mesmo do jogo terminar, nos últimos games, as pessoas já estavam aplaudindo de pé cada ponto vencido por Jo-Wilfried Tsonga.

E quando terminou, com vitória por 75 63 63, Tsonga pulou, rodopiou em quadra e o público aplaudiu e ficou em quadra, como se não estivesse acreditando que um francês acabara de derrotar Roger Federer e avançar à semifinal.

roland garros quadra central

“Foi uma das minhas maiores vitórias. É Roland Garros, na quadra central e ainda ganhando do Federer. Com certeza ninguém esperava isso de mim no passado. O torneio ainda não acabou. Espero que tenha mais. Mas ainda não posso fazer a festa, gritar e sair comemorando.”

Nos últimos 15 anos, houve jogador francês na semifinal apenas três vezes. Em 1998, com Cedric Pioline, com muito mais cabelo do que vemos hoje nas entrevistas em quadra; Sebastien Grosjean, em 2001 e Gael Monfils, em 2008.

O último jogador francês a disputar uma final em Paris foi Henri Leconte, há 25 anos e ele foi derrotado pelo tenista que perdera a final para Noah, em 1983, Mats Wilander.

Tsonga hoje com 28 anos, mais maduro do que quando disputou a sua única final de Grand Slam no Australian Open, há cinco anos, tem a chance de virar herói nacional, de, como eles gostam de falar, “basculer”a França e sabe disso.  Quando Noah venceu, a loucura foi tanta que ele teve que se mudar para Nova York para viver mais tranquilamente. Chegou a passar por um período de depressão depois de tamanha euforia.

E Tsonga, tanto sabe da importância deste momento, que se preparou para este momento. Há alguns meses, depois de um período sem técnico, contratou o australiano Roger Rasheed. Tirou o gluten da dieta, emagreceu e quando Roland Garros chegou entendeu que apesar de ser o seu torneio, na sua casa, entendeu que tinha que jogar para si próprio.

Ontem, em vez de treinar em Roland Garros e ficar no meio do burburinho, com todos os olhos dos franceses, da FFT, dos técnicos, dirigentes, jogadores, público e imprensa, voltados para ele, foi treinar no Tennis Club de Paris, com um juvenil local.

Com muita calma e maturidade bateu um papo mais longo do que o tempo de treinamento com o jornal L’Equipe e parecia saber exatamente o que fazer .

“ Entrar nas disputas do ponto com ele, nas trocas de bola é difícil, mas é essencial. Ele dá um ace aqui, um winner lá e você não toca muito a bola. Mas, entrar na disputa é o que ele menos gosta e preciso levá-lo a esse ponto.”

E foi o que Tsonga fez. Apesar de não ter jogado bem, Federer deu todo o crédito para o francês. “Estou triste pelo jogo e pela maneira com que joguei. Tentei resolver a situação em quadra, mas ele simplesmente foi melhor.”

Para igualar o resultado de Henri Leconte, em 1988 e chegar à final, Tsonga terá que passar por David Ferrer, que assim como ele não perdeu nenhum set até agora em Roland Garros e diferentemente dele, nunca disputou uma final de Grand Slam.

“Ele ganhou de mim algumas vezes. Espero um jogo duro, mas estou em boa forma e vou fazer o meu melhor e ver como me saio. Vou para quadra com um objetivo e 100% das minhas possibilidades. Tenho que ficar concentrado e manter a minha rotina, fazer o que venho fazendo desde o início do torneio.”

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Djokovic, “pela honra da primeira treinadora”

Roland Garros é o único torneio que falta para Novak Djokovic completar o Grand Slam e se até dois dias atrás esse era o principal motivo para ele lutar pelo Trophee des Mousquetaires, hoje ele declarou abertamente que  “pela honra de Jelena Gencic, preciso ir até o fim.”

Com o cancelamento da entrevista coletiva pós-vitória sobre o Dimitrov, dois dias atrás, quando soube da morte de Jelena Gencic, a treinadora que o descobriu nas montanhas de Kapaonik e ënsinou tudo que ele sabe,”a sala estava lotada hoje.

Djokovic Roland Garros 2013

Com um colete fashion vermelho, grosso, meio brilhante, de nylon (procurei a foto, mas não encontrei – não podemos fotografar na sala de imprensa), nem reparei que ele já estava sentado quando entrei na Sale de Interview.

A primeira pergunta foi sobre o jogo e as condições difíceis, com o vento. Mas, em seguida, o assunto mudou para o da treinadora sérvia. De coração aberto, Djokovic falou da importância de Jelena para a sua formação, do caráter, do amor dela ao tênis e como muitas vezes nos esquecemos como esses treinadores, professores de crianças, são fundamentais para o desenvolvimento do esporte.

Ele falou muito mais do que eu esperava sobre um assunto tão delicado. Só em um momento, quando um jornalista do USA Today insistiu para ele contar como foi o último encontro com Jelena, em detalhes, ele pediu para não falar mais no assunto.

Abaixo os trechos da entrevista em que ele fala dela e principalmente o que menciona que agora é questão de honra vencer.

É justo dizer que as últimas 24 horas foram difíceis?

Djokovic: “Sim. Não está fácil, mas é a vida. A vida te dá coisas, tira pessoas próximas de você e Jelena foi a minha primeira técnica, era a minha segunda mãe. A gente sempre foi muito próximo, a vida toda. Ela me ensinou muitas coisas que são parte de mim, parte do meu caráter e eu tenho as melhores lembranças dela.

Isso vai ficar comigo para sempre. Espero que possa continuar onde ela parou, com o legado. Ela deixou tanto conhecimento para mim e para as pessoas que eram próximas dela.

Sinto a responsabilidade de continuar a fazer algo no futuro, porque ela trabalhou com crianças de 5, 6 anos até os 12, 13 anos. Ela dedicou a vida dela ao tênis. Nunca se casou. Nunca teve filhos. O tênis era tudo que ela tinha na vida.

Ela tinha 77 anos e antes de morrer 2 dias atrás, na semana passada, ela estava dando aulas. Ela não estava preocupada com a natureza da doença. Ela teve câncer de mama. Sobreviveu a isso. Ela é uma das pessoas mais incríveis que eu conheci.

Você acha que a sua equipe fez o certo em te contar apenas depois do jogo?

Sim, mas mesmo assim foi um choque.

Tive a sorte de encontrar a Jelena 5 anos atrás. Ela parecia muito calma. Falava devagar. Você concorda? Ela não era uma típica sérvia?

Nós somos muito emotivos, mas também temos um lado calmo.

Ela sabia exatamente o que tinha que faze rem quadra. E também na vida particular.  Ela nunca mostrava as fraquezas. Acho que é algo que todo mundo próximo dela aprendeu. Porque mesmo com lesões – ela jogava handball, tênis, dava treinos, e nunca mostrava quando estava lesionada ou triste. Ela sempre estava tentando ser positiva e sorrindo. Transcendia isso para todo mundo.

Ela também era uma mulher muito inteligente. Ela não treinava com todo mundo. Ela sabia reconhecer o potencial dos jogadores de tênis. Por isso ela é a melhor técnica para aquela geração jovem que eu já encontrei na vida.

As pessoas subestimam a importância do início, da infância dos jogadores de tênis, aquela idade entre 05 e 14 anos. É nessa idade que você desenvolve todas as suas habilidades e é importante ter alguém com conhecimento. Ela era ótima.

Faz um tempinho você dividiu conosco memórias do seu falecido avô. Qual é a sua melhor lembrança dela?

Foram muitos, muitos grandes momentos. De uma certa forma a experiência de ter perdido o meu avô no ano passado me ajudou um pouco, a ficar forte desta vez. Eu demorei para me recuperar. Esse ano, de novo, uma pessoa muito próxima, outro choque para mim. Mas estou lidando melhor, tentando me concentrar nas melhores lembranças dela e no tempo que passamos juntos.

É o melhor que você pode fazer quando alguém próximo falece, porque o espírito deles sempre vai estar com você, está na sua mente.

Eu sei que o espírito dela estará sempre comigo na quadra de tênis, porque era o que ela amava, o lugar favorito dela no mundo e vou me assegurar de que o legado dela continue.

Continuando no assunto, você tira forças disso? Como? Serve de inspiração?

Agora me sinto ainda mais responsável para ir até o fim neste torneio. Quero fazer isso pore la, porque ela era uma pessoa muito especial na minha vida. Lembro a última conversa que tivemos, há duas semanas, sobre Roland Garros. Ela falava o que pensava e me disse: “Você tem que se concentrar, focar a sua atenção neste torneio. Você precisa vencer esse torneio.”Ela estava me motivando ainda mais. Então, agora, pela honra dela, preciso ir até o fim. Mas, sabe, não depende só de mim. Tem tantos jogadores bons ainda no torneio. Me dá uma força interna ainda maior, para ir além.

Outros jogadores não teriam falado sobre isso na sala de imprensa. Outros jogadores não mostram emoção em quadra. Você faz os dois. Como isso te ajuda na carreira?

Bem, tem coisas que você mantém privadas e coisas que divide com todos. Sempre tentei estar com o coração aberto e me expressar de maneira honesta e verdadeira, como sempre fiz.Foi assim que aprendi, com meus pais, minha família e com a Jelena. Isso é quem eu sou.

Você pode esclarecer quando a encontrou pela última vez, a última vez que viu ela?

Antes do torneio de Dubai, 2 meses atrás.

Onde você a encontrou? Você a visitou em casa? Foi uma visita social?

Sim.

Você poderia falar sobre isso?

Não gostaria de falar sobre isso, se você não se incomoda. Acho que já falei o suficiente.

Você acha que isso contribui para o que você pode vir a conquistar?

Bem, a morte de um próximo, de uma pessoa especial na sua vida não é algo que eu estava desejando. Mas como eu disse, é a vida e você tem que seguir adiante.

Acredito que seja o destino, que as coisas acontecem por uma razão.

FOTO DE Cynthia Lum

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Antes de enfrentar Monfils em Roland Garros, Gulbis solta o verbo, diz que os tops são chatos e que os tenistas são manipuláveis

Leitura diária obrigatória, o jornal LÉquipe é minha companhia matinal no trajeto de metrô do 11º arrondissement para Roland Garros e hoje, ao ler a entrevista que fizeram com o Gulbis, minha vontade era abrir o laptop no vagão e começar a escrever de lá.

O jornal esportivo francês entrevistou o adversário de Gael Monfils, que não economizou nas palavras, muito menos nos pensamentos. A entrevista é tão forte que tem um aviso aos pais – “palavras explícitas”antes do ping-pong começar.

“Somos facilmente manipuláveis. Não somos acostumados a refletir. A maioria de nós se contenta em jogar Play Station, assistir filmes idiotas e o resto do tempo, em treinar.”

Reproduzo aqui algumas partes da entrevista de Pascal Coville.

Gulbis Latvia

Você tem a reputação de ter boca grande. Isso te cansa?

“Muita gente pensa que sou mimado, rico e arrogante. Mas se me conhecessem, mudariam de ideia. Quando digo algo é porque refleti antes de falar e assume o que digo. Se acham que sou mimado, olhe os jogadores de federações grandes, como os Estados Unidos. Eles sim são mimados. Eles tem tudo. Eu tive a sorte de ter  um pai que trabalhou toda a vida para poder me ajudar.”

Sempre te compararam com o Safin por você falar livremente e de desmontar em quadra…

Ö tênis atual precisa urgentemente de personalidades. Respeito o Roger, Rafa, Djokovic e Murray, mas as entrevistas deles são entediantes. Honestamente, eles são chatos. Vou sempre ao youtube assistir entrevistas e parei de ver as de tênis rapidamente. O Federer que começou essa moda, de super boa imagem, de gentleman suíço perfeito. Repito que respeito o Federer, mas não gosto que os jovens jogadores tentem imitá-lo. Não aguento ouvir “Tive um pouco mais de sucesso nos momentos importantes e por isso ganhei.”O que isso quer dizer? Se eu ganho de alguém, mandei o cara para casa.. Sei de muita gente que gostaria de “mandar o adversário para aquele lugar”

Você arrisca assim a parecer um bad boy

“Não tenho vontade de parecer gentil em quadra. Em quadra é Guerra. Fora da quadra, sem problema algum, Tenho boas relações com a maioria dos jogadores. Gostaria de ver entrevistas como as do boxe.Eles não são os mais brilhantes do mundo, mas quando estão prontos para a batalha eles dão o que o povo quer, a Guerra, o sangue, a emoção.  As pessoas querem ver raquetes sendo quebradas na quadra.

Você tem também uma reputação de festeiro..

“Quando eu saio, saio mesmo. Não quero entrar em detalhes, mas quando faço festa, vou a fundo. Qual o problema de sair com os amigos até as 07h? É normal.

Gulbis x Monfils

Mesmo antes de um jogo?
Isso eu nunca fiz. O que eu fiz de pior foi sair no sábado tendo um jogo na terça. Teve um impacto negativo na minha performance e paguei pela minha estupidez e pelo meu caráter volátil. Mas isso faz parte de outra vida.”

 Em 2010 você ganhou do Federer em Roma e pensávamos que sua carreira deslancharia, mas não foi o que aconteceu.

“Tive 2 chances de deslanchar. A primeira em 2008 quando alcancei as quartas aqui em Roland Garros e em 2010, com a semi em Madri e as quartas em Roma. Espero que a Terceira seja boa.

Em Roland Garros eu era jovem e estúpido, mas jogava muito bem. Fiz um bom jogo depois contra o Nadal em Wimbledon. Tudo foi muito rápido e disse äh isso é muito fácil, não preciso treinar. Vamos fazer festa”

E segui semanas assim. Demorei 6 meses para voltar.

A segunda vez não foi tanto culpa minha. Me machuquei em Roland Garros e tinha que me tratar por um mês, em Tenerife. Os meus amigos vieram e a festa recomeçou. Mais 6 meses para eu reencontrar meu jogo. Dois erros por causa do meu caráter.

Voltando ao jogo, você chegou a pensar em parar de jogar?

“Não porque eu não queria parar com algum arrependimento. Havia ouvido falar muito bem do Gunter Bresnik e fui trabalhar com ele. Decidimos de voltar a jogar como quando eu tinha 15 anos e deixei meu braço encontrar os movimentos sem pensar. Comecei a bater melhor e melhor na bola e reencontrei o gosto até mesmo de treinar.”

Porque você não se junta ao conselho dos jogadores?

Ös jogadores tops que tem falar se querem que alguma coisa muda. Ninguém vai me escutar e além disso, não mudaria nada. O sistema é muito burocrático. Os jogadores tops precisariam estar de acordo em muitos assuntos para fazer as coisas avançarem. Mas, os tops ficam contentes que os menores sejam tratados como merda e não tenham dinheiro para pagar bons técnicos. E os jogadores da grandes federações são controlados por elas. Como pensar em boicotar torneios se mais da metade dos top 100 são controlados por federações?

O que você espera do jogo contra o Monfils? Não vão ser fácil jogar contra ele aqui.

“Difícil foi o meu primeiro jogo (contra o brasileiro Rogério Dutra Silva). Estava muito nervoso. Agora estou mais relaxado.”

Para terminar, quando foi a última vez que você festejou sem limites?

“No dia 1º de novembro… Vodka com leite. Você deveria provar.

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Li Na é influente e está na capa da TIME

Fiquei boquiaberta ao receber a notícia e ver a imagem da Revista TIME com a tenista chinesa LI NA na capa da edição desta semana.

TIME cover LI NAPrimeiro fiquei olhando para a data da publicação para ver se não era uma revista, ou uma capa de 2011, ano em que ganhou Roland Garros.

Mas, não tinha nada errado não. A atual quinta colocada no ranking mundial, 31 anos,  está na lista das 100 pessoas mais influentes do mundo e foi escolhida para ser uma das sete capas diferentes que a TIME preparou para estampar essa edição especial.

As outras capas são com Jay Z, Rand Paul, Aamir Khan, Jennifer Lawrence, Malala Yousafzai e Elon Musk. Todas seguindo o mesmo estilo, com fotos preto e branco, a chamada de quem escreveu o perfil da pessoa em destaque e The 100 Most Influential People in The World, com letras coloridas.

O perfil de Li Na foi escrito por Chris Evert. A campeã de 18 Grand Slams lembra que Li Na foi corajosa ao protestar contra a Federação Chinesa, que ficava com a maior parte dos seus ganhos e também conseguiu seguir carreira solo,tendo o marido como treinador. O texto de Evert fala ainda da transformação do tênis na China, hoje com 15 milhões de praticantes.

Ícone na China e com uma base de fãs gigantesca no país, Li Na é uma das pessoas mais influentes da região asiática e por isso faz parte da lista, na categoria Ícones. Segundo a TIME, a lista não é baseada em pessoas ponderosas ou mais inteligentes. “São pensadores, cientistas, ícones, artistas, filósofos que estão usando a sua influência, visao e ações para transformar o mundo e afetar muitas pessoas,”explicou o editor Richard Stengel.

Li Na se disse honrada com a escolha para a capa e destacou a importância para o tênis feminino de ter uma de suas atletas tops na capa. A lista de ícones, em que Li Na se enquadra, tem nomes como o de Michelle Obama, Kate Middleton, Daniel Day Lewis e Beyoncé.

É nesta lista da TIME que Joaquim Barbosa aparece entre os mais influentes, na categoria pioneiros.

Alguns dos outros influentes, nas diversas categorias, são o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, o Papa Francisco, Steven Spielberg e Lebron James. Li Na é a única tenista na lista dos top 100 mais influentes do mundo.

É  incrível para o tênis e especialmente o tênis feminino uma tenista esteja na capa da TIME. E não é da TIME da China é a de circulação mundial mesmo.

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Masters de Paris inova com “street art” e “rapper”

Situado numa data nada favorável no calendário, especialmente neste ano, uma semana antes do ATP Finals, em Londres, o BNP Paribas Masters de Paris Bercy no entanto, não cansa de inovar para atrair fãs e animar os jogadores.

A cada ano os diretores do torneio – Guy Forget passou a integrar o time nesta temporada – devem sofrer até o último minuto com medo das desistências das grandes estrelas de última hora, que querem se poupar para Londres.  Para alívio geral, Novak Djokovic está em Paris treinando há alguns dias. Federer deve jogar, mas disse depender do estado em que se encontrar depois da disputa do torneio de Basel. Nadal já está fora. Murray, que não jogou nas últimas semanas, ainda não anunciou que não jogo e portanto está confirmado. Mas o torneio já sofreu o suficiente e agora quer mudar de data, para fevereiro.

Mas, este é assunto para outro post.

Se os jogadores já estão cansados e viajar no frio outono europeu, com dias que escurecem cedo e quase sem sol não anima muito, fazendo especialmente os sul-americanos quererem ver a temporada acabar o mais rápido possível, pelo menos, em termos de entretenimento, o torneio de Paris Bercy já era garantia de diversão. Um estúdo de música profissional ficava à disposição dos jogadores na arena indoor. Guga não saía de lá nas suas épocas em que aprendia a tocar violão e baixo.

Mais recentemente o evento foi trazendo artistas e músicos para alegrarem as frias tardes e noites parisienses desta época do ano e agora firmaram uma inédita parceria com o grafiteiro cool, Alexone Dizac e o rapper Oxmo Puccino.

Dizac, que já usou bolinhas de tenistas nas suas composições de “street art,” grafitará enquanto os tenistas estiverem em quadra, exaltando o talent e a performance física. Além disso, o torneio terá “live painting,” e outras ações de grafite pela arena para entreter e colorir o ambiente.

Os tenistas que já posaram para a campanha de mídia do BNP Paribas Paris Bercy com objetos de tênis como se fossem instrumentos de música – Tsonga toca guitarra com a raquete, Djokovic canta com o cabo da raquete, por exemplo – serão recepcionados em quadra, com música ao vivo.

O slogan do torneio, Indoorground Tennis Experience, já diz tudo. Todas as imagens e letras do último Masters 1000 do ano tem influência underground e o grafite de pano de fundo.

Acostumados a associar a arte e música com Roland Garros, convidando artistas renomados para fazerem o pôster oficial a cada ano e uma exposição no museu da Avenue Porte D’Auteil, que conta também com performances musicais, Paris, inova mais uma vez, agora com a Street Art e uma música de rua também.

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

O Brasil tem outro Thiago Monteiro tenista, de mesa. E ele é atleta olímpico.

Roland Garros terminou, o tênis já está na temporada de grama que este ano é prolongada por causa das Olimpíadas de Londres – os jogos serão em Wimbledon – e cada um já está tocando sua vida depois de duas semanas em Paris. E eu encerrei minha viagem na companhia do Thiago Monteiro, do tênis de mesa.

O Thiago estava sentado ao meu lado no vôo de volta Paris – São Paulo e depois de muitas horas de viagem em um vôo diurno, quando já estamos naquele momento em que já assistimos três filmes, já lemos as revistas do avião, um pouco do livro, o jornal e até as informações de segurança e ainda faltavam duas horas para o avião pousar, começamos a conversar.

Quando ele chegou para sentar ao meu lado achei que fosse brasileiro. Mas, estava com um livro em francês na mão, falando francês fluente e ainda lendo o L’Equipe. Não, não podia ser brasileiro, ou só se fosse um brasileiro morando há muitos anos na França.

Depois de passar aquele mico de falar francês com um brasileiro, acabei perguntando se ele era do Brasil e começamos a conversar.

Contei que estava em Roland Garros e que era social e editora de uma revista de tênis, a Tennis View. Ele conhecia a Tennis View e me contou que é mesa-tenista e que assim como o Thiago Monteiro do tênis, ele também é cearense.

Achei a coincidência interessante e conversa vai, conversa vem, ele me conta que é atleta olímpico e que vai para as Olimpíadas de Londres ao lado de Hugo Hoyama e Gustavo Tsuboi.

Thiago ficou me contando da carreira de um mesa-tenista, de como funciona o calendário, a pontuação, as chaves, das outras duas Olimpíadas que participou – Atenas e Beijing -, em que lembra perfeitamente quem integrava o time de tênis, e da vida na França, onde está há uma década.

Foi na França que ele conseguiu desenvolver o seu jogo, competindo pelo clube de Angers Vaillante e chegar ao 59º posto no ranking mundial, além das medalhas de ouro por equipes nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara e do Rio, entre outras conquistadas individualmente e em duplas.

A França acolheu Thiago, que encontrou condições ideias para treinar. A preparação para as Olimpíadas será feita junto com a equipe brasileira no INSEP, o famoso Instituto Nacional do Esporte, Expertise e Performance da França, onde muitos tenistas costumam treinar.

O atleta veio ao Brasil para jogar uma etapa do campeonato mundial que está sendo disputada em Santos. Depois volta para continuar a preparação olímpica na Europa e quanto mais ele conseguir treinar e jogar antes dos Jogos começarem, melhor. Depois de uma série de lesões, sim mesa-tenista tem lesão – a mais grave dele foi no punho – quer voltar a jogar da mesma maneira que estava quando se machucou e tentar avançar na chave olímpica. Nas últimas duas vezes parou na segunda rodada e sabe que conseguiu a vaga não pelos seus resultados atuais, afinal pouco jogou no último ano, mas sim pelo histórico de evolução e capacidade de adaptação em competições deste tipo, podendo jogar dupla com qualquer um dos integrantes do time.

Não, não vou começar a escrever sobre tênis de mesa. Apenas achei uma coincidência interessante me sentar ao lado de um tenista, de mesa, depois de duas semanas em Roland Garros, que vai para as Olimpíadas e ainda com o mesmo nome do tenista Thiago Monteiro e do mesmo lugar, o Ceará. Thiago inclusive contou que já foi confundido com o jogador de tênis e que acaba recebendo e-mails ou ligações telefônicas de gente querendo entrevistá-lo, achando que está falando com o tenista da bolinha amarela.

1 Comment

Filed under Uncategorized

Nadal e Djokovic disputam a final dos recordes em Roland Garros

Antes da temporada de saibro começar era essa a final de Roland Garros que todos sonhavam. A final que pode colocar Rafael Nadal como o maior campeão de Roland Garros da história, superando os seis títulos de Bjorn Borg, ou fazer de Novak Djokovic um campeão de Grand Slam pela primeira vez – ele só não ganhou na França –  e vencendo ainda os quatro maiores torneios do mundo na sequência, feito que ninguém conseguiu desde Rod Laver, em 1969.

Mas, quando a disputa na terra batida começou, em Monte Carlo, a expectativa de uma empolgante temporada de saibro, em que se esperava um round de batalha entre os dois a cada torneio, sofreu um desvio. Devido a uma série de incidentes, ficamos na dúvida se esses dois realmente disputariam a final do torneio que é o ápice do jogo no saibro, Roland Garros.

Em Monte Carlo, sem a participação de Roger Federer e com um Djokovic desgastado mentalmente na final devido à morte do avô naquela semana, ficamos sem saber se a vitória de Nadal havia sido realmente convicente.

Veio Madri e o saibro azul foi mais forte do que os tenistas. Ambos não conseguiram adaptar seus respectivos jogos ao escorregadio piso, foram eliminados precocemente e o trofeu de campeão ficou com Roger Federer.

Já na capital italiana, a vitória de Nadal sobre Djokovic, na decisão, deve ter dado aquela sensação de confiança que ele queria ter encontrado na final em Monte Carlo.

Durante Roland Garros não houve um especialista que não colocasse Rafael Nadal na final. Ele também não deu motivos para que se fosse ditto o contrário. Não perdeu um set no torneio e literalmente passou por cima dos adversários.

Mas Djokovic, pelo contrário, desde o início deu sinais de que não estava assim tão à vontade no saibro francês. Não teve uma primeira rodada muito tranquila, precisou de cinco sets para vencer o italiano Andrea Seppi nas oitavas-de-final e durante quatro vezes na partida contra Jo-Wilfried Tsonga se viu praticamente dentro do avião rumo a Belgrado, tendo que salvar quatro match points.

Salvar esses match points, segundo Guga, foi a salvação de Djokovic, que “ganhou nova vida no torneio e a sensação de que poderia ganhar de qualquer um.”
Será que ele vai se tornar o segundo homem a vence Rafael Nadal em Roland Garros, em oito anos? O único a conseguir vencer o espanhol em Paris foi Robin Soderling, nas oitavas-de-final, em 2009, ano em que Nadal admitiu estar com problemas sérios no joelho e em casa, com a separação dos pai, mas nunca deixou de dar mérito ao sueco, hoje sofrendo com mononucleose e afastado do circuito. Nadal tem o incrível recorde de 51 vitórias e 1 derrota em Paris. Nadal tem em jogo a conquista do sétimo Trophee des Mousquetaires. Djokovic, a conquista do inédito Grand Slam, o Novak Slam. Qual vai valer mais?

Fotos de Cynthia Lum

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Varvara Lepchenko, mais uma história de sucesso de tenista que trocou o leste europeu pelos EUA

Quantas vezes mais vamos ouvir histórias de tenistas que saíram da Rússia ou de algum outro país do leste europeu, foram para os Estados Unidos, não voltaram mais e acabaram se tornando jogadoras de sucesso? A história mais recente é de Varvara Lepchenko, nascida no Uzbequistão e agora com cidadania americana, que derrotou Francesca Schiavone e está nas oitavas-de-final de Roland Garros.

Diferente de Anna Kournikova e Maria Sharapova, Varvara chegou aos Estados Unidos já na adolescência, aos 15 anos de idade. Ela, o pai e a irmã foram a Miami para jogar a Sunshine Cup, a competição entre nações juvenil e resolveram ficar por lá. “Não havia oportunidade alguma no Uzbequistão. A situação era muito complicada naquela época e não voltamos mais,” contou Lepchenko, num inglês praticamente sem sotaque na coletiva de imprensa lotada de jornalistas curiosos após a vitória sobre a campeã de 2010.

Sem lugar para morar, ela, o pai e a irmã dormiam nos locais onde ela ia jogar os torneios, até que em um Challenger, em Allentown, na Pensilvânia, a pessoa encarregada de arrumar hospedagem para os tenistas, ofereceu casa e clube para a tenista. E lá os Lepchenkos se instalaram.

Demorou quatro anos para a mãe, Larisa, conseguir sair do Uzbequistão e chegar aos Estados Unidos. Foi naquela época que eles alugaram um apartamento e o ranking de Varvara começou a subir.

Mas, apesar de uma temporada boa em 2010, só foi neste ano que ela realmente começou a ver seu ranking subir. Os resultados ela credita a Patrick McEnroe e à equipe da USTA. Desde o ano passado, quando adquiriu oficialmente a cidadania americana – antes ela já estava jogando pelos Estados Unidos – começou a ser treinada pela equipe da USTA, em Nova York. “Eles acreditaram em mim e sempre disseram que se eu trabalhasse duro poderia chegar entre as top 50. Lembro do Patrick McEnroe me dizendo que os Estados Unidos precisava de mais mulheres na segunda semana dos Grand Slams e agora eu estou aqui.”

 Quando a temporada começou ela era a 128ª colocada no ranking da WTA. Quando Roland Garros começou subiu para a 61ª posição, a sua atual. Quando Roland Garros terminar ela pode ter uma vaga garantida nas Olimpíadas de Londres.

Foto de Cynthia Lum

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Vai começar! As novidades em Roland Garros passam pelo falcão para espantar os pombos, mas estão voltadas para o entretenimento do público, em Paris.

Roland Garros começa neste domingo e dos três brasileiros na chave principal, João Souza já estreia contra Cedrik Marcel Stebe. Thomaz Bellucci, contra Victor Troicki e o qualifier Rogerinho Dutra Silva, contra John Isner, jogam na segunda ou na terça-feira. Tomara que me esperem chegar!

Já nestes dias que antecedem o torneio, fica um clima diferente no ar, mesmo de longe e como foi bom acompanhar nesta semana a movimentação pré-torneio da qual, por muitos anos, participei  lá mesmo, em Paris. É a semana que os patrocinadores usam para fazer ações com os tenistas e que os jogadores aproveitam para fazer algum ajuste no jogo e entrar no clima da competição. Houve o anúncio do contrato de Djokovic com a Uniqlo, do Guga, mesmo já sem jogar, com a Lacoste, e muito mais.

Como ainda não pousei no Charles de Gaulle, não estou sentindo a terra batida em mim, mas já andei pesquisando o que tem de novidade em Roland Garros neste ano, além das batalhas de Rafael Nadal, Novak Djokovic e Roger Federer.

Fisicamente não dá para esperar muita coisa, mas a Federação Francesa de Tênis entendeu que precisa dar mais atenção ao público e investiu neste relacionamento.

Reproduzo aqui uma parte da matéria que escrevi para a edição 119 da Tennis View, falando desse desenvolvimento no Grand Slam francês, desde o falcão para espantar os pombos, até o serviço de lanches com reserva antecipada pela internet.

Mais espaço para entretenimento em 2012

A grande mudança em Roland Garros só está programada para 2017. É, era 2016, mas a Federação Francesa de Tênis teve que reorganizar o seu calendário de intervenções na região de Porte D’Auteil para evitar protestos da vizinhança.

Bem antes disso, já nesta edição de 2012, algumas mudanças serão notadas no complexo e na organização de Roland Garros, para atender, principalmente o público.

Beach Tennis

A quadra 13, próxima à Suzanne Lenglen, deixa de ser utilizada para jogos e foi transformada em um espaço para a prática de mini-tennis e pela primeira vez com destaque em Roland Garros, de Beach Tennis.

Haverá nesta área um espaço para alimentação e de sessões de autógrafos, mas limitado para não fazer muito barulho e atrapalhar os jogos nas quadras próximas.

A zona de convivência atual, situada entre a quadra 1 e a Philippe Chatrier – aquela onde está a estátua dos Mosqueteiros que costumamos ver na televisão – também será ampliada.

Só a parte do “Smash Tennis” será mantida. Um novo espaço, com um terraço, terá atrações e estandes promocionais e de diversão.

O local onde ficam os encordoadores, onde há espaço para jogos online e entretenimento também estará maior, já de acordo com o projeto do futuro estádio.

Novas entradas

Reservado para poucos – credenciados e convidados, ou quem já tem ingresso na mão – a porta Suzanne Lenglen terá já a partir deste ano uma recepção e um estande de informações, no lugar da estação policial, transferida para a Porta 13.

Essa central de informações servirá também para os achados e perdidos, ponto de encontro e para desafogar as filas na entrada principal.

A Federação Francesa também já anunciou mais sinalização nas proximidades do Estádio, principalmente na saída do metrô Porte D’Auteil – meio de transporte utilizado pela maioria para ir a Roland Garros – com este mesmo objetivo.

Alimentação On Line

Introduzidos no ano passado, os “vendedores ambulantes” da quadra central permanecerão, como maneira de diluir as filas nos estandes de alimentação.

Ah, e se você quiser reservar o seu lanche em Roland Garros com antecedência, pode fazer o pagamento online, com 20% de desconto e retirá-lo no serviço expresso dentro de Roland Garros, evitando filas.

Adeus aos pombos

Muito presentes em Paris, os pombos também frequentam Roland Garros e acabam deteriorando o complexo, principalmente as arquibancadas e vez que outra interferindo nos jogos. Para diminuir a presença deles, falcões estarão no ar para afastá-los, seguindo o exemplo de Wimbledon.

Nova Babolat Roland Garros

Outras novidades não diretamente relacionadas ao espaço em si incluem uma nova bola Babolat Roland Garros. Depois de anos usando as bolas da marca Dunlop, a Babolat entrou no Grand Slam francês em 2011 e agora foi adaptada para satisfazer os tenistas. Os Diretores Técnicos da federação francesa e jogadores tops participaram da elaboração e dos testes da nova Babolat Roland Garros.

Mobile

O aplicativo para celular de Roland Garros estará disponível neste ano desde o primeiro dia do qualifying, para que todo o torneio seja seguido em tempo real.

Arte Modesta

O tradicional pôster de Roland Garros foi concebido neste ano pelo artista francês Herve di Rosa, conhecido por apresentar o conceito da “arte modesta.”

Uma exposição das obras de Di Rosa estarão expostas no Museu de Roland Garros, bem como uma exibição sobre a história do tênis e das raquetes antigas.

Para o seu primeiro poster de Roland Garros, Di Rosa fez uma obra colorida, com mini personagens, olhares e a bola como destaque. Afinal, para ele “a bolinha é a grande atração do jogo de tênis. Você só olha para o jogador quando ele vai bater na bola.”

E quem ganhará da bolinha em 2012?

Leave a Comment

Filed under Uncategorized