Tag Archives: Sony Ericsson Open

Com títulos de Djokovic e Radwanska, Sony Ericsson se despede de Miami para virar Sony Open

A partir do ano que vem, quando começarmos a falar do Masters 1000 de Miami não o chamaremos mais de Sony Ericsson Open. Depois de 12 anos fazendo parte do torneio, seja como nome principal – Ericsson Open –, ou como parte do grupo de patrocinadores quando o torneio teve o Nasdaq como “main sponsor,” e após cinco anos sendo chamado de Sony Ericsson Open, iremos ao Sony Open (Tennis) em 2013.

Raridade no mundo do tênis onde os campeonatos são mais conhecidos pelos nomes dos lugares onde são sediados, especialmente no Brasil – aqui ninguém chama o torneio de Indian Wells de BNP Paribas Open, ou Shanghai de Shanghai Rolex Masters e Madri de Mutua Madrileña Open.

Mas, o Masters 1000 de Miami fugia à regra. Conhecido por mais de uma década como Lipton Championships (de 1984 a 1999), o torneio foi o único no final dos anos 90 e início dos anos 2000 que se recusou a acatar decisão da ATP.  Era época da parceria – falida – com a ISL e havia a exigência de que os torneios então Super 9 passassem a se chamar Masters Series e que não pudessem mais ter o nome do patrocinador principal como nome do campeonato.  A direção do Lipton Championships não aceitou, se manteve firme e assim continuous a tradição de fazer com que as pessoas chamem o torneio pelo nome do patrocinador.

Depois das vitórias de Novak Djokovic, conquistando o tricampeonato diante de Andy Murray, por 6/1 7/6(4) e de Agnieszka Radwanska erguendo o seu maior trofeu com vitória sobre Maria Sharapova, por 7/5 6/4 e o evento batendo recorde de público mais uma vez – foi a quinta vez nos últimos seis anos (325.000 pessoas estiveram no Crandon Park) –é bem provável que continuemos a chamá-lo pelo nome designado pelos organizadores e para 2013 já vale guardar, Sony Open.

Segundo a Sony a mudança de nome se deve ao fato de terem adquirido completamente a Sony Ericsson e agora quererem reposicionar a marca Sony.

 

Foto de Cynthia Lum

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

O que o Sony Ericsson Open, em Miami, tem de tão especial

Outro dia estava conversando com alguns amigos sobre viagens, tênis e um deles me perguntou porque o Sony Ericsson Open era chamado de quinto Grand Slam, o que ele tinha de tão especial.

Depois de dois dias de qualifying e uns jogos da chave principal feminina, o torneio começa para valer mesmo nesta quarta-feira, com grandes nomes em quadra.

Mas, voltando ao fato de ser chamado de quinto Grand Slam, a pergunta me inspirou a fazer uma matéria para a Tennis View (edição 118) em que coloco as 30 razões de porque ir ao torneio vale a pena. Reproduzo aqui neste post.

Já faz tempo que o Sony Ericsson Open é considerado o quinto maior torneio do mundo, ou seja, o mais importante depois dos Grand Slams. Com chave de 96 jogadores para homens e mulheres, os melhores do mundo duelam pelo prestigioso trofeu em 2012 até o dia 1º de abril, no Crandon Park, em Miami.

Com patrocínio com a Sony Ericsson renovado até 2014, e a nova parceria com a MasterCard, que entra na lista do que eles chamam de “Hot Sponsors,” assim como o Itaú, o torneio continua se reinventando para que a experiência para os fãs seja ainda mais especial.

Tennis View, que desde 1997 acompanha todas as edições do torneio (e está lá de novo) fez uma lista dos motivos que fazem a competição ser uma das melhores escolhas para o amante do tênis desfrutar, em um torneio internacional.

 

  • O torneio é considerado o quinto Grand Slam. Para a ATP é um Masters 1000 e para a WTA é um Premier Event.
  • Do 1º dia de jogos até a final, com certeza você assiste os melhores do mundo em ação. No ano passado Djokovic d. Nadal e Azarenka d. Sharapova.
  • Além de assistir os jogos, você pode ver todos os jogadores treinando e de perto. As quadras de treino são ao lado das de jogo e acessíveis a todos, com qualquer tipo de ingresso.
  • Os jogadores passam no meio do público para treinar ou jogar. Você tem chance de trombar com o Federer no meio do caminho.
  • A viagem do Brasil é a mais rápida para um torneio deste porte.
  • A comunicação é fácil. Não só em Miami, mas no torneio, todos falam espanhol.
  • É uma perfeita combinação de passeio, com tênis e compras.
  • O Crandon Park fica a 10 minutos da região da Brickell Avenue, em Miami e a 15 de Miami downton.
  • Dá par air de carro ou pegar um “shuttle” que te deixa na porta do torneio, em um dos hotéis oficiais do campeonato.
  • Você pode se hospedar nos diversos hotéis oficiais dos jogadores e não paga a mais por isso. O próprio torneio ou operadoras oficiais fazem a reserve para você, de acordo com o seu orçamento.
  • Há pacotes de viagem que incluem hospedagem, transporte, camiseta autografada pelo Sampras para clientes MasterCard, com vouchers para o Champions Club.
  • Mesmo se você não for um convidado VIP do torneio, tem a opção de comprar pacotes que dão acesso a espaço VIPS, com refeições completas, Open Bar e presença dos jogados. E os preços não são exorbitantes. Começam em US$ 600 (aproximadamete R$ 1050,00).
  • Há ingressos para todos os tipos de bolso. Os preços vão de US$ 29 (R$ 50,00) – lugar mais alto do Estádio – até o mais perto da quadra na final US$ 465 (R$ 815,00).
  • Além de pacotes com hotel e ingressos, há pacotes de ingressos para quem vai vários dias, ou só para as semi e finais. Opções não faltam para atender a todos os gostos.
  • Quer sentar lá embaixo, quase dentro da quadra, onde os fotógrafos se posicionam e se sentir como em um jogo de basquete da NBA? O torneio proporciona essa experiência. É o Star Box. *
  • Você pode jogar a moeda na quadra central e decider quem vai começar sacando. É o VIP Player Coin Toss. *
  • O torneio te dá acesso aos bastidores da competição. Você pode fazer um tour e ainda degustar de um buffet no The Terrace. *
  • Cliff Drysdale, Monica Seles, Lindsay Davenport e Nick Bollettieri, podem ser seus técnicos, em uma clínica de tênis nas quadras do torneio. *
  •  O caminho entre Miami e o Crandon Park é paradisíaco.
  • Há jogos de manhã até à noite, masculino e feminino.
  • Se o seu acompanhante de viagem não for fã de tênis, não tem problema. Há inúmeras opções de lazer e entretenimento dentro do Crandon Park.
  • Do Gourmet Hot Dog ao Veuve Clicquout Wine & Sushi Bar, são inúmeros os restaurantes ou stands de fast food. Entram nesta lista o Starbucks, Crepe Express, Corona Beach House, Latin Café and Bacardi House, The Grill e muito mais.
  • Há opções para verdadeiras refeições gourmet, para você desfrutar ou fazer uma reunião de negócios, no Collectors Club, Champions Club, The Terrace e nas Suítes dentro do Estádio.
  • Lojas também não faltam para você comprar os mais modernos equipamentos de tênis, roupas das mais diferentes marcas e acessórios. Tennis Plaza, parceira da Tennis View estará lá novamente!
  • Com a grande comunidade latina em Miami, incluindo os brasileiros e com o sucesso dos tenistas da região nos últimos anos, começando com Marcelo Rios em 1998, o torneio dá atenção e destaque para os jogadores e fãs latinos.
  • Durante o torneio há inúmeros eventos em Miami relacionados à competição.
  • Celebridades amantes do tênis costumam prestigiar o evento. Anna Wintour, Bob Sinclair, Lebron James, Andy Garcia e muitos outros estiveram no Crandon Park em 2011.
  • Os jogadores circulam à vontade pela cidade. É fácil encontrar algum deles jantando em diversos restaurantes de Miami, como o Novecento, o Nobu e a churrascaria Porcão.
  • A temperatura costuma ser das mais agradáveis possíveis, variando entre 22ºc e 28ºc.  Mas é bom levar protetor solar e beber muita água. Às vezes costuma esquentar no estilo do verão brasileiro.
  • O Brasil tem uma agência oficial do Sony Ericsson Open, a Faberg Tennis Tour, que tem pacotes disponíveis ou apenas a venda de ingressos individuais (www.faberg.com.br).

 

*pago à parte

 

Fotos: Dalia Gabanyi e Sony Ericsson Open

 

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Djokovic é o Rei de Roma, mas surpresa fica com Sharapova

Afirmar que Djokovic é o jogador do momento, é simplesmente escrever sobre os fatos. O sérvio não perdeu nenhum jogo ainda em 2011, ganhou Grand Slam, Masters 1000 e não há o que contestar. Está quase deixando Nadal para trás.

Por isso, já que meus posts tem sido raros – nestas semanas espero conseguir uma freqüência maior, especialmente porque o torneio favorito do ano está aí – Roland Garros – prefiro escrever sobre a nova “Regina de Roma,” Maria Sharapova.


Há dois meses, durante o Sony Ericsson Open, em Miami, bati um longo papo com o fisioterapeuta e preparador físico de Sharapova, o espanhol Juan Reque e ele me contou do trabalho que estava fazendo com a russa – ele fechou a clínica dele em Madri – em que chegou a atender Rafael Nadal, depois de ter trabalhado como fisioterapeuta da ATP – para se mudar para Los Angeles e atender exclusivamente a musa.

Sempre cético, sem se deixar envolver pelas emoções do circuito, achei Juan muito otimista em relação ao trabalho com Sharapova. Lembro dele falar que ela estava evoluindo, que o corpo dela estava respondendo bem ao trabalho, que o técnico – Thomas Hodgstedt – estava fazendo bem para a russa e que em pouquíssimo tempo ela estaria entre as melhores de novo.

Estranhei um pouco a confiança de Reque, mas fiquei feliz por ele – até porque imagino que os últimos tempos não devem ter sido dos mais fáceis -.  Sharapova acabou jogando tão bem naquela semana do nosso encontro em Miami, que foi à final e agora conquistou o maior título da carreira no saibro, em Roma. Durante a entrevista coletiva após a vitória sobre Samantha Stosur, disse estar mais forte fisicamente,  o que faz a diferença.

A próxima edição da Tennis View que sai nesta semana traz mais detalhes deste meu bate-papo com Reque em Miami, em que ele fala sobre preparação física no circuito e como ela evoluiu e mudou na última década.

 

 

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Com Tião Santos em YALE, Lixo Extraordinário ganha prêmio do Festival de cinema ambiental,o EFFY

 

Meus posts tem ficado cada vez mais raros. Falta tempo – parece desculpa, mas é verdade – e estou completamente envolvida com os catadores de materiais recicláveis, estruturando a Rede Agrega Rio, com profissionais como a Jackie de Botton, a Produtora Executiva do Lixo Extraordinário e superempreendedora que me chamou para o trabalho com o filme, na época do Oscar e acabou me levando para muitas outras atividades fantásticas envolvendo os catadores, Jardim Gramacho, a reciclagem e a possibilidade de promover uma mudança na sociedade, mesmo que lentamente.

Foi por causa desse trabalho que tive que deixar Miami e o Sony Ericsson Open bem antes dele terminar e viajar para Nova York e YALE, onde o filme abriu o EFFY, o Environmental Film Festival at Yale. Acompanhei o Tião Santos na viagem e tenho certeza que a participação dele no debate após a exibição do filme, ao lado de Martin Medina, advisor do fundo do Clinton para reciclagem, emocionou a plateia que já havia lotado o cinema, com pessoas sentadas no chão para assisitir o documentário e que acabaram votando no filme, como o melhor do festival. Lixo Extraordinário ganhou o prêmio do público de melhor filme do Festival e YALE, além do prêmio, ainda mandou uma mensagem dizendo que quer acompanhar os projetos apresentados por lá, da Rede Agrega Rio e fazer parte da transformação dos catadores em empreendedores.

É, perdi jogos incríveis em Miami, num torneio que tanto adoro, mas, valeu a pena!

Com presença de Tião Santos em YALE,  Lixo Extraordinário ganha prêmio no EFFY, o Festival de Cinema Ambiental da prestigiada universidade

Projeto apresentado por Tião em YALE foi o mesmo apresentado à COMLURB
Tião Santos fez uma passagem rápida, na semana passada pelos Estados Unidos, mas o suficiente para emocionar a interessada plateia de YALE, na abertura do EFFY (Environmental Film Festival at Yale) e dar ao filme Lixo Extraordinário o prêmio de melhor filme, escolhido pelo público.

Lixo Extraordinário abriu o Festival, o único de cinema ambiental no mundo com entrada gratuita, e logo após a exibição do Documentário, que já ganhou outros 20 prêmios pelo mundo e foi indicado ao Oscar, Tião participou de um debate com os acadêmicos de Yale, o público e o Conselhor do Fundo Clinton para Reciclagem, Martin Medina.

“Fiquei surpreso com o interesse de uma universidade como YALE no nosso trabalho e no que estamos planejando para um futuro próximo no Brasil. Tive a oportunidade de apresentar para YALE o projeto da Rede Agrega Rio, o mesmo que foi apresentado para a COMLURB,” disse Santos.

“Foi uma honra para YALE receber o Tião Santos e ouvir todos os projetos que eles estão fazendo no Rio e como os catadores estão se tornando empreendedores e como o lixo está realmente sendo transformado. YALE quer estar envolvida nesse processo,” disse Chandra Simons, Diretora do Festival e Acadêmica de Yale.

REDE AGREGA RIO – Com toda sua experiência de vivência com o lixo, desde os 11 anos de idade e sua liderança natural, Tião Santos falou do lixo no Brasil, do poder de transformação do mesmo, que aprendeu com o filme, e dos projetos futuros com a recém lançada Rede Agrega Rio. A Rede, uma união de cooperativas de catadores de materiais recicláveis, visa a valorização e melhoria das condições de trabalho dos catadores e que tem como principal objetivo, fazer com que os catadores se tornem empreendedores e transformem o lixo em dinheiro. A primeira mudança será a forma de trabalho dos catadores, que não mais catarão com as mãos. Eles trabalharão com um sistema automatizado, em ECOPOLOS  (Centrais de Valorização, com implantação inicial prevista para junho) e terão uma maior capacidade produtiva. O Kg de PET reciclado, que hoje rende até R$ 0,90, passará a valer R$ 4,00, no seu valor agregado,já transformado em “flake,” o produto final que as indústrias compram.
Estudo feito pela Rede, mostra que os catadores, mesmo com as máquinas, terão emprego nos diferentes estágios do processo e em variadas áreas que estão se abrindo com este novo momento e a aprovação, no dia 23 de dezembro de 2010, da Política Nacional de Resíduos Sólidos, que obriga os municípios a fazerem a coleta seletiva. Dez plantas de “Centrais de Valorização – Ecopolos,” – estão planejadas para a região metropolitana do Rio de Janeiro, atuando com a maximização dos ganhos de logística de Coleta dos Materiais, com equipamentos que permitem maior escala de produção, para atingir as metas estabelecidas na Política Nacional de Resíduos Sólidos.
Com estes novos postos de trabalho, os catadores já estão sendo preparados e treinados para assumirem o importante papel na sociedade do Rio de Janeiro, de fazerem a coleta seletiva e a partir daí, transformarem o lixo.

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Bernardes explica mais uma dúvida sobre as regras do Electronic Line Calling

Desde que o primeiro challenge foi disputado, em 2006, no Sony Ericsson Open, em Miami, jogadores, técnicos, torneios, juízes e fãs foram se acostumando às novas regras.

Aos poucos cada vez mais campeonatos foram instituindo o  Electronic Line Calling, ou o Instant Replay, ou como chamamos, o “Challenge – Desafio,” em suas quadras principais, através do Hawk Eye. A inovação tecnológica – se comparado com outros esportes como o futebol americano, demoramos muito para instituir o Challenge – mas diante de tanta controvérsia com marcação dos juízes na Copa do Mundo de futebol deste ano, in South Africa (mais especificamente no jogo entre Alemanha e Inglaterra), o tênis virou até exemplo para a FIFA, de esporte que combina tecnologia e material humano, no caso, os juízes, para tirar eventuais dúvidas que podem decidir uma partida.

Só para dar um exemplo, atualmente o baseball, hockey, football (o futebol americano) e o basquete usam o Instant Replay nos Estados Unidos.

E se na televisão já é interessante assistir um Challenge, ao vivo fica mais ainda. Você sente a emoção do momento, de verdade.

Mas, o Challenge também gera dúvidas nos atletas e nos fãs. Roger Federer, um tradicionalista do esporte, declarou, desde o início que era contra o uso do desafio, mas que usaria para seguir as regras. Nem sei se ele já se acostumou ao hawk eye.

Nosso colunista na Tennis View, Carlos Bernardes vem escrevendo textos para os leitores sobre o Hawk Eye e o seu Review System, as “rules” e o funcionamento,  mas dúvidas continuam surgindo e em Cincinnati, no jogo entre Andy Roddick e Robin Soderling, houve controvérsia. Roddick ficou discutindo longamente com o juiz. Poderia ter pedido o Challenge, ou não? Demorou para fazer a solicitação?

Para esclarecer as dúvidas sobre o Challenge, entrei em contato com o próprio Bernardes, que está em Cincinnati e perguntei a ele se há algum tipo de regra quanto ao tempo que o jogador tem para pedir o Challenge e vejam o que ele respondeu:

“O que existe é um procedimento como no saibro. O jogador não pode esperar muito tempo para fazer um Challenge. Por exemplo, ele não pode jogar o ponto e depois pedir o challenge, tem que ser de imediato. Ou após o fim do ponto ou ele parando o ponto. As vezes ele acha a marca na quadra e pede. Mas tudo tem que ser em um tempo razoável. Enfim não há esta coisa de 5 seg ou menos ou mais. É uma questaão de bom senso. Se vc ver que o jogador está esperando pelo coach ou até mesmo o juiz de cadeira dar uma dica, este Challenge pode ser recusado.”

Bernardes está sempre disposto a responder as nossas e as suas dúvidas. Caso tenha alguma pergunta, seja sobre o Challenge ou qualquer outro assunto de regra de tênis, é só mandar um email para tennisview@tennisview.com.br.


Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized