Tag Archives: Wimbledon 2011

Mello: “Finalmente venci meu primeiro jogo em Wimbledon”

Ricardo Mello comemorou muito a vitória na primeira rodada de Wimbledon, de virada, contra o canadense Frank Dancevic, por 3/6 3/6 6/4 7/6(6) 6/2, em quase três horas de jogo.

Comemorou porque virou um jogo praticamente perdido. Dancevic venceu os dois primeiros sets sem muita resistência do brasileiro e no quarto set, Mello perdia por 5/2 quando começou a reação.

A quadra sete, que já estava cheia, foi lotando, o público foi se aglutinando para ver o tie-break e o quinto set e ao final do jogo Mello comemorou, foi até a arquibancada beijar a esposa Júlia e abraçar os companheiros brasileiros – Soares, Ferreiro e Sá – que estavam torcendo por ele na arquibancada – e ao sair da quadra, cercado de fãs brasileiros e dos guardas ingleses para levá-lo ao vestiário, falou: “Finalmente ganhei um jogo na chave nesse torneio.”


Essa é a terceira participação de Mello na chave principal do Wimbledon Championships – perdeu na primeira rodada em 2005 e em 2010, respectivamente para David Scherwood e para Thomaz Bellucci, que aliás também apareceu para ver um pouco do jogo do Ricardinho.

Para o tenista de Campinas a “diferença foi no quarto set quando estava perdendo por 5/2 e conseguiu virar.” Entrou no quinto cheio de confiança e nem a longa ida ao vestiário do canadense conseguiu esfriar Mello, que agora espera pelo francês Michael Llodra.

 

 

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Projetos que inspiram – Voz das Comunidades no Rio, lembrando o começo da Tennis View

Nesta semana pré Wimbledon tive a oportunidade de participar de um bate-papo com o Secretário de Segurança do Rio de Janeiro, Mariano Beltrame e com Rene Silva, o garoto de 17 anos que ficou conhecido mundo afora ao twitar (@Rene_Silva_RJ) a subida do Morro do Alemão, durante a pacificação da comunidade.

Não, não enlouqueci e depois de achar que estou começando a entender de lixo, recicláveis e coleta seletiva com o projeto da Rede Extraordinária, não vou começar a escrever sobre segurança no Rio de Janeiro.

 

Rene e o irmão Renato

Era para ser apenas um bate-papo de troca de ideias e acabou sendo uma noite inspiradora em Ipanema.

Meu conhecimento sobre o Rene e o seu sucesso instantâneo era pequeno. Ao longo da noite fui ouvindo Rene e seu irmão mais novo, Renato, o fotógrafo contarem sobre o que estão fazendo e como se envolveram com Twitter, Redes Sociais e comunicação.

Rene começou a falar do jornal que ele, Renato e alguns outros companheiros do complexo começaram a fazer, o Voz Das Comunidades.  Ouvindo Rene contar sobre o seu sonho de ser jornalista e de como iniciaram a publicação – com a vontade de contar para toda a comunidade o que estão fazendo, que começaram com uma versão P&B e hoje já estão com a publicação colorida, que a primeira edição teve 1000 exemplares de tiragem e hoje estão com 5000 e que querem conseguir atingir todas as comunidades do Rio, além do Alemão, me lembrou do começo da Tennis View. 

Já contei essas histórias do começo da Revista várias vezes. Eu, o Neco (Nelson Aerts), Heidy Krapf Aerts e a Fernanda Papa começamos a revista numa conversa despretensiosa no Tênis Clube de Santos, em 1996. Lançamos a revista em janeiro de 1997, no confronto da Copa Davis entre Brasil e Estados Unidos, em Ribeirão Preto. Tennis View tinha cara de jornal do tênis, era P&B também e eram apenas 16 páginas.

Poucos meses depois Guga ganhou o primeiro de seus três Roland Garros e o jornal logo se transformou em Revista. Aproveitamos a revolução do tênis no Brasil e começamos a adquirir o formato que temos hoje.
Claro que a revista passou por transformações. Mudou de tamanho, hoje são, no mínimo, 72 páginas, são nove edições por ano em vez de 6, já passamos do número 100 e amanhã estou embarcando para Wimbledon, onde a Revista integra a Biblioteca do Museu de Wimbledon, com a edição 113 para levar para lá e fechando neste fim de semana a edição 114.

 

Vejo que Rene e Renato estão no momento certo de fazer o Voz das Comunidades. Eles mesmos, assim como Neco, Heidy, Fernanda e eu fizemos no início – e de vez em quando ainda fazemos – fazem tudo no jornal muito além da parte editorial, vendendo anúncios, levando à gráfica, distribuindo, buscando parcerias, entre outros.

Já estão na Era Digital, com um site bem cheio de notícias das comunidades e estão estudando uma maneira de transformar também o jornal em uma versão on-line.

Eles, que são da comunidade, estão aproveitando a oportunidade de viver no momento da pacificação, o momento em que empresas estão entendendo o valor das comunidades, fazendo pesquisas com o objetivo de abrir estabelecimentos por lá, para alavancarem o jornal.

Talvez nem tenham essa percepção ainda do momento que vivem, mas o principal de tudo foi que o bate-papo me inspirou, ao ver os olhos dos meninos brilharem com o sonho – que já é uma realidade – de fazer o jornal, de serem ouvidos, de crescerem, de transformarem não o mundo, mas o mundo onde vivem, que já é mais do que muitos nem chegam a sonhar.

Rene quer estudar jornalismo. Não sabe ainda para que ramo da comunicação quer se direcionar, mas sabe que quer ser um comunicador. Ele já é.

 

 

Leave a Comment

Filed under Uncategorized