Tag Archives: wimbledon finals

Campeã de Wimbledon, Bartoli ousou sonhar

Marion tinha um sonho. Desde os seis anos de idade, ela e o pai Walter Bartoli trabalharam juntos com um objetivo em comum, ganhar um dia um Grand Slam. Longe de ser uma celebridade hollywoodiana, como Maria Sharapova, ou número um do mundo e super campeã como Serena Williams, ou namorar um DJ de renome mundial como Victoria Azarenka, a francesa Bartoli também não é top 10, não é exemplo de corpo de atleta e muito menos joga um tênis tradicional. Mas, nada disso a impediu de se tornar a campeã de Wimbledon, derrotando na final a alemã Sabine Lisicki por 6/1 6/4.BARTOLI WIMBLEDON CHAMPION

Não era a primeira vez que Bartoli alcançava a final do torneio mais importante de tênis do mundo. Foi vice-campeã em 2007, um ano depois da capitã da Fed Cup francesa, Amelie Mauresmo ter vencido no templo sagrado do esporte. Mas, diferente de seis anos atrás, hoje Bartoli parecia pronta.

Desde o início do campeonato, pela primeira vez sem o pai Walter ao seu lado, com o sparring Thomas Drouet (ex-sparring de Tomic, aquele que apanhou do pai de Bernard, no torneio de Madrid e ficou desempregado), a capitã da Fed Cup, Mauresmo e todo o staff técnico da Federação Francesa de Tênis, Bartoli parecia estar serena e feliz com a decisão que havia tomado.

Mais sorridente do que o comum e vibrando muito a cada vitória, parecia estar no caminho do seu sonho de menina, dpeois de um semestre dos mais conturbados.

Sem o pai, no início do ano, resolveu tentar o circuito com diversos técnicos. Não durou mais do que 2 semanas com nenhum. Mudou diversas vezes. Chamou o pai de volta. Até que resolveu seguir caminho solo em um Grand Slam pela primeira vez. Se lesionou, ficou doente, abandonou jogos, perdeu partidas para jogadoras com níveis inferiors. Nada parecia dar certo na temporada da francesa. Até que chegou Wimbledon e a história todo mundo já sabe.

Mesmo não tendo todas as atribuições de Serena, Sharapova e Azarenka, Bartoli com seus quilinhos a mais, sua esquerda e direita de duas mãos, o seu “shadow tennis – aquelas simulações de golpe que ela faz entre os pontos”, o seu saque estranho, os seus pulinhos antes do jogo começar, conseguiu cativar muita gente. Inclusive eu. Nunca fui muito sua fã. Mas, depois de acompanhar sua história e vê-la esses dias em Wimbledon, ver suas entrevistas e entender o que tudo isso significa para ela, fiquei feliz com o título nas mãos dela.

Não vamos discutir o nível da final. Das 128 jogadoras ela conseguiu terminar como a única sem perder um jogo e sem perder um set. Não virou zebra precoce e permaneceu em Londres, quando todas as outras tenistas mais bem ranqueadas do que ela voavam de volta para suas casas.

Para entender um pouco mais sobre esse sonho e a alegria de Bartoli, reproduzo aqui alguns trechos da entrevista coletiva da tenista de 28 anos.

WIMBLEDON CHAMPIONS

Q.  How do you not get past the quarters in any tournament this year and win Wimbledon?

MARION BARTOLI:  Well, that’s me.  I don’t know (laughter).   Honestly, I didn’t think that way.  I was just trying to play well every single matches, every time I was on the court.  I was just, you know, trying to enjoy myself when I was having some off days.  I was having some time off with my team.   Even this morning I think a lot of people could hear us laughing.  It was normally today where I was supposed to play the Wimbledon final, and really felt not like that.  I think it will also make it even more enjoyable because I had so much fun throughout this whole championship.  The whole two weeks have just been perfect.

Q.  Were you surprised how Sabine handled the occasion?

MARION BARTOLI:  Honestly, I didn’t think too much about how Sabine was doing.  I was just trying to focus on my own game and try to remain calm, even if I had this 5‑1 lead in the second set and 15‑40 and couldn’t close it out. Then Sabine start to play very well and come back at 5‑4.  I just really thought I had to hold my serve one more time.   But just to finish on an ace to win Wimbledon and you saw the chalk come out of the line.  Just, I mean, I could have seen it in slow motion.  I could see the ball landing, the chalk come out, it’s an ace, and I just win Wimbledon.      You can’t describe that kind of feeling.  You cannot put any words what I feel in this moment.  I can’t believe I won Wimbledon this year.  We’ll have to see the pictures, to see the match again on DVD to kind of starting to realize it.

Q.  Everyone in the future when they talk about you are going to say, Wimbledon champion, Marion Bartoli.  How much do you think it will change your life?

MARION BARTOLI:  It will not change me as a person because I will always remain the same:  very humble, very low‑key and easygoing, down‑to‑earth.     But just hearing ‘Wimbledon champion,’ that kind of sounds good to me (smiling).  You know, has been my dream.  I wanted that so badly.  I felt the achievement of my career was to win a Grand Slam.  Every time I was just saying my goal was to win a Grand Slam.  It was like, yeah, dare to dream.  I kept dreaming.  I kept my head up.  I kept working hard, and it just happened.

Q.  How many times you thought that your tactic, your strategy, all what you were doing, could look crazy, even if they weren’t at the end?  Your father was pushing you to do many different things than anybody else we have seen.

MARION BARTOLI:  Well, yeah, it’s always been a part of my personality to be different.  I think being just like the other one is kind of boring.  I really embrace the fact of being a bit different and doing something that not everyone is absolutely doing.            I actually love that part of my game, you know, being able to have something different.  At the end of the day, when the spectators were looking at 10 matches they will remember this girl that was doing something different, playing inside the court or whatever. Even though today I was I think pretty smart to kind of back up a little bit to give me an extra maybe half a second or something to react to Sabine’s serve.  Sometimes you have to adapt also, as well.  But I never felt like I wanted to be like all the other kid and do exactly the same everyone was doing.

BARTOLI LISICKI WIMBLEDON

  Q.  Could you tell us about your father’s influence on your tennis and maybe even outside the court, what it meant for you to climb up there and hug him today.

MARION BARTOLI:  Yeah, honestly it was an amazing feeling.  I mean, I can’t still realize I just won Wimbledon.  I can’t realize I’m a Wimbledon champion.  It’s just so overwhelming. You know, I don’t know if you can really realize, but for a tennis player, you start to play like at five or six years old.  When you decide to turn pro, your dream is to win a Grand Slam.  You dream about it every single day.  You think about it every single day. So when it happen, when it actually happen, you felt like, you know, you achieve something that you dream about for maybe million of hours.  You went through pain, you went through tears, you went through low moments, and actually it happened, once it happened. Those five, ten seconds before you shake the hands of your opponent, you felt like you’re almost not walking any more on earth.  You’re really flying.  It’s really hard to describe how it felt. So to share this moment with my dad, I was looking at him in the players’ box.  He was really cheering me on.  He was on his phone for almost the whole match.  I don’t know what was happening, but he was really relaxed.  That was the perfect day.  It was sunny.  It was beautiful.  Centre Court Wimbledon, it was packed.  I won in two sets.  I didn’t drop a set for the whole championship.  Even in my perfect dream I couldn’t have dreamed a perfect moment like that.  That is beyond perfection.

Q.  You’ve been around for many, many years.  The circuit is so challenging.  So many setbacks, yet you’ve prevailed.  Talk more about doing things your way.  Is there a certain strength in that?  Is it a challenge?

MARION BARTOLI:  Yeah, I’m a very tough person.  I mean, I played the whole second set with probably a 25 cents blister under my big toe.  I didn’t call for the trainer, and when I took my sock off the sock was red of blood. I didn’t call for the trainer the whole second set, even if I felt like I could barely walk at the end of the match.  But I haven’t shown anything.  I’m this kind of person.  I can focus and be really as strong as wood, you know.  You cannot see what I’m going through.  I think it’s coming from my childhood, from where I practice when I was younger, from those very tough situation.  I needed to handle going to school, normally practicing at 10:00 p.m., finishing at midnight, going back to school the next day.  Those kind of hard moments makes me extremely strong when I’m on the tennis court. I’m not the same kind of person outside, but every time I’m stepping on a tennis court I remember those very hard moments.  I could remember it today when I was playing on the court, and That carried me on a long way.

   Q.  You said the other day about hitting rock bottom, and that’s going back to last summer when you missed the Olympics.  Do those things make this even better?

MARION BARTOLI:  It’s not about missing the Olympics.  It was more about what happened off the court for me.  This year it was extremely hard to take. And, yes, to have now this kind of moment, I mean, I really didn’t expect it to happen so early, so quickly. But, it’s funny.  I was with the physio before the match, and they saw me when I was really hitting rock bottom.  They saw me before the match.  I was smiling and listening to music, singing through the locker room. That was not supposed to be the perfect routine before going to play the Wimbledon final.  I was so happy, why not showing it? They tell me, I remember you in Miami, how you felt after the match when you got injured with Andrea Petkovic.  It’s so nice to see you like that no matter what happens in the final. But going through those hard moments makes this one even better.

Q.  What does the Bartoli sequence look like?  How much further do you think you can go for the rest of your career?

MARION BARTOLI:  I have absolutely no idea, but one is pretty good for me.  Wimbledon champ, even if I don’t get another one, I will still be very proud of it.

But of course I’m going to try my hardest to get some more.  Now that I get one, I definitely believe I can get more of them.     I just want to enjoy this one because I haven’t still realized I’m really the Wimbledon champion 2013.  So it will take me some few days to realize it.  Actually when I will do, I will maybe think about the US Open and getting a shot over there.

Q.  Do you feel, having had this long journey, maybe not fitting the mold Federations look for in young players, you can be a support for young girls?

MARION BARTOLI:  I received a lot of support from my Federation.  Seeing my president in tears waiting at the end of the match means so much for me.  The vice president was here as well.  They both told me I was an inspiration for all the girls in the French Federation. I actually received a lot of texts from them telling me how proud they were of me, how much they want to look at me now and have the same kind of attitude. Even if I’m not maybe playing the same style of game, I think the attitude I’m carrying on the court, the mental strength and everything, it’s maybe something they can look at.

FOTOS DE Cynthia Lum

 

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Para o Brasil o final de semana em Wimbledon será diferente

André Sá abriu as portas para Melo e Soares nas duplas

Esse final de semana vai ser diferente. Vamos acordar para assistir as finais de simples feminina e masculina pensando nas decisões de duplas e duplas mistas. É diferente. O Brasil tem dois tenistas nestas finais. Marcelo Melo, com o croata Ivan Dodig, na de duplas masculinas e Bruno Soares, com Lisa Raymond, nas duplas mistas.melo wimbledon final

É diferente para o Brasil, é diferente para nós que vivemos do tênis, de repente, termos dois (BRA)s escritos nos placares de duas finais do torneio de tênis mais importante do mundo.

É diferente para Marcelo Melo jogar uma final de Grand Slam, a segunda da sua carreira, depois da final de Roland Garros em 2009.

É diferente para Bruno Soares jogar pelo segundo trofeu de Grand Slam, depois do título de duplas mistas no US Open do ano passado, no templo sagrado do tênis.

Há 12 anos assistimos dois brasileiros jogando uma decisão de Grand Slam, no mesmo fim de semana. Foi em Roland Garros 2001, quando ganhou o tricampeonato e Jaime Oncins ficou com o vice de duplas mistas, ao lado de Paola Suarez. Foi diferente.

Não é mais diferente torcermos para as duplas. Já nos acostumamos a torcer para 2 em vez de 1 e a ver 4 tenistas em ação, em vez de 2. Não é de hoje que são os duplistas que estão mantendo o nome do Brasil em alta no circuito mundial. Já escrevi diversas vezes, que além do Thomaz Bellucci, só Melo, Soares e Sá disputam finais de ATPs. Agora eles jogam finais de Grand Slam. É diferente.

É incrível para o tênis brasileiro e o mérito de estar lá é todo deles. Já imagino que comecem a dizer que dupla é mais fácil. Se é tão fácil, como ninguém ganhou antes? Porque são poucos os que vencem os Grand Slams?

Bruno Soares Wimbledon finalMérito do Bruno, mérito do Marcelo e muito mérito do André Sá. Foi ele o primeiro brasileiro dos tempos recentes a optar por seguir a carreira de duplista, depois de ter sido um jogador de sucesso de simples, tendo alcançado as quartas-de-final de Wimbledon. Em busca de uma longevidade nas quadras, foi ele que começou a ganhar ATPs por aí, jogou duplas tanto com Melo, tanto com Soares e abriu as portas para eles. André Sá ainda está aí disputando o circuito e sempre que há alguma oportunidade, chega perto de algum título.

Pode ser diferente. Pode ser que a gente tenha em 2 dias, mais 2 títulos de Grand Slam.

Pode ser ainda mais diferente ver outros dois nomes de campeões brasileiros associados a Wimbledon, que não seja o da eterna bailarina do tênis, Maria Esther Bueno, campeã

Melo e Dodig enfrentam a melhor dupla de todos os tempos, os irmãos Bryans, no sábado.

Soares e a super experiente Raymond, que já foi número um do mundo de duplas e ganhou o Grand Slam britânico em 2001, jogam contra o também veterano das duplas, Daniel Nestor e a francesinha Kristina Mladenovic, vice-campeões em Roland Garros, há um mês.

Não vai ser diferente. Como acontece nestes momentos de glória, vai aparecer um monte de gente querendo tomar para si os louros da vitória. Mas, se Melo e Soares estão aí é por conta deles próprios. Eles investiram na carreira quando ninguém acreditava, foram atrás de patrocínio sozinhos – não estamos falando de hoje em dia, em que já são estabelecidos no circuito – , viajam com técnico, tem preparador físico e fisioterapeuta quando precisam e se prepararam para grandes ocasiões como a deste fim de semana.

Vamos curtir as finais de Wimbledon de maneira diferente.

foto de Soares de Cynthia Lum

 

 

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Que incrível para o Marcelo e para o Brasil

A decisão de mudar da simples para as duplas o levou à final de Wimbledon

Há horas estou querendo sentar par escrever este post sobre o Marcelo Melo e a disputa da final de duplas de Wimbledon. É incrível para ele e para o Brasil ter um jogador decidindo o título do torneio de tênis mais importante do mundo.

Lembro perfeitamente da época em que o Marcelo resolveu trocar a carreira de simples pela de duplas. Melo Wimbledon

O Guga ainda estava tentando voltar a jogar no mais alto nível e treinando com o argentino Hernan Gumy.
Melo, naquela época, praticamente vivia em Florianópolis, treinando na cidade e acabou virando uma espécie de Sparring do Guga.

Praticamente todos os dias eles treinavam juntos e claro que a gente acabava convivendo mais ainda.

Foi durante este período, entre 2005 e 2006 que ele começou a fazer a transição para as duplas e fazer bom uso da sua altura para o saque e o voleio.

Aos poucos, Marcelo, aquele mineirinho simpático de Belo Horizonte, um dos primeiros entrevistados da Tennis View na página do Cinco Minutos, lá entre 1997 e 1998, quando ainda jogava pelo Minas Tênis Clube e era treinado por Henrique Quintino, começou a ganhar não só torneios Challengers, mas os Futures também.

Naquele mesmo 2006, lembro quando Melo e Sá ganharam o primeiro título da parceria juntos, em Campos do Jordão. De lá em diante a carreira dele realmente deslanchou. Ganhou ou foi à final praticamente todos os Challengers que disputou.

O ranking subiu e em 2007 ele começou a jogar também alguns ATPs, além de continuar vencendo Challengers e dos grandes, como Bermuda.

Venceu o primeiro título de ATP em Estoril, com Sá e aí veio aquele Wimbledon histórico. Melo e Sá entraram para a história do Grand Slam britânico disputando na época, o quinto set mais longo, que só viria a ser derrubado depois por Isner e Mahut.

Foram à semi juntos e Melo, dali em diante, passou a de fato ver que um título de Grand Slam era realidade (perderam para Clement e Llodra). Lembro da entrevista e matéria de capa que fizemos com os dois mineiros para a Tennis View. Achei a entrevista feita pelo Leonardo Stavale!

melo entrevista

melo entrevistaO ano de 2007 marcaria ainda um momento de amadurecimento na carreira do mineiro. Ele foi pego no doping, por ter tomado Neosaldina para uma dor de cabeça e teve que ficar afasto do circuito por alguns meses.

Também acompanhei de perto este momento. Como a convivência com Guga e toda nossa equipe ainda era bem próxima, acabei cuidando, com o Paulo Carvalho, empresário do tricampeão de Roland Garros, da comunicação dele neste período de “crise.” Hoje parece que isso nem existiu, mas me lembro direitinho da minha ida para Belo Horizonte, da coletiva bem preparada no escritório, em São Paulo, enfim, acho que serviu mesmo para deixá-lo mais maduro.

Dois anos depois, completamente integrado no grande circuito, só disputando ATPs, Masters 1000, Marcelo foi à final de duplas mistas de Roland Garros, com Vania King.
Ficou com o vice-campeonato, mas sentiu o gostinho de disputar uma final de Grand Slam.

Fez parceria com Bruno Soares, hoje o número um do país e top 10 no ranking individual de duplas e acho que separados os dois cresceram ainda mais.
Cada um com seu parceiro há uns dois anos – Melo com mais instabilidade e mudando bem mais frequentemente do que Soares, um foi puxando o outro para cima e agora Melo se encontra na final de um Grand Slam e justo no seu favorito, o que ele cansou de dizer que seria um sonho vencer.

Ao lado do croata Ivan Dodig, seu principal parceiro desde o ano passado, ganhou jogos mais do que convincentes. É o primeiro brasileiro a disputar uma final de duplas (homem e não de mistas) em um Grand Slam e encarará na decisão a melhor dupla de todos os tempos, a dos irmãos Bryans, para tentar se tornar o quinto brasileiro da história a vencer um Grand Slam, depois de Maria Esther Bueno, Thomaz Koch, Gustavo Kuerten e Bruno Soares.

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Wimbledon também é sinônimo de Goran Ivanisevic

Quando chega esta época do ano, a de Wimbledon, alguns nomes do tênis nunca saem de moda e Goran Ivanisevic é um deles. O croata, campeão de Wimbledon em 2001, depois e ganhar um convite para entrar na chave principal, entrou para a história do Grand Slam britânico e no coração não só dos croatas mas dos britânicos também. Ele agora quer ver outro croata ganhar não apenas um, mas dois Grand Slams.

Ao mostrar a emoção em quadra, chorar quando perdeu finais na quadra central do All England Club, dizer que queria se mater e comemorar como se fosse a coisa que mais importava no mundo, a vitória sobre Patrick Rafter na decisão de 2001 – e para ele era -, Goran chegou a ganhar até o apelido de “campeão do povo – people’s champion, numa final disputada numa segunda-feira – people’s Monday.

Hoje, 12 anos depois, ele vive na Croácia e treina o juvenil de 16 anos Borna Coric, além de estar ao lado de Marin Cilic, sempre que possível, como nesta edição 2013 de Wimbledon.

O programa de tênis da CNN, o Open Court, foi até Zagreb encontrar o ex-número dois do mundo e ainda hoje dá para ver o brilho nos olhos dele em uma quadra de tênis e jogando futebol com o filho. “Não quero que ele jogue tênis, já basta um louco na família”

Leave a Comment

Filed under Uncategorized