Tag Archives: wta

Enquanto isso, longe das Olimpíadas, Martina Hingis é eleita MVP no WTT

Depois de quase ter sido persuadida por Roger Federer, a jogar duplas mistas nas Olimpíadas de Londres, Martina Hingis, bem longe do Reino Unido, ganhou nesta terça-feira o prêmio de MVP do crescente WTT, o World Team Tennis.

Mais jovem campeã de Grand Salam de todos os tempos, ao vencer o torneio de duplas de Wimbledon, com Helena Sukova, aos 15 anos e 9 meses de idade, Hingis deixou o circuito profissional de vez em 2007, com cinco títulos de Grand Slam.

Com apenas 31 anos de idade,  só rejeitou o convite de Federer por achar que o compatriota deveria concentrar os seus esforços para conquistar a medalha de ouro de simples, que nunca ganhou.

 

Sem nunca conseguir se desligar do tênis, começou a jogar o WTT há alguns anos e nesta temporada levou o New York Sportimes à final da Conferência Leste, contra o Washington Kastles. Com .593 de porcentagem de vitória em simples e .571% nas duplas, com Harkelroad, Hingis foi escolhida a MVP. “É uma honra ser escolhida a melhor jogadora da temporada. Mas, isso foi resultado do trabalho de toda uma equipe e dos fãs de New York.”

 

A final do WTT é no dia 16, em Charleston, em  que o vencedor da conferência leste, o Orange County Breakers x Sacramento Capitals, pega o ganhador do time de Hingis e do Kastles.

Foto de – Fred Mullane  / Camera Work USA

 

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Depois da vitória de Clijsters, Good Bye Doha.

A vitória de Kim Clijsters sobre Caroline Wozniacki por 6/3 5/7 6/3 e logo depois a de Dulko e Pennetta sobre Srebotnik e Peschke, por 7/5 6/4 marcou o fim da grande temporada do tênis feminino, da WTA. Claro, ainda há a final da Fed Cup e a disputa em Bali, com as jogadores que se sobresaíram em 2010, mas não chegaram entre as top 8, mas para o grande público mundial, o ano chegou ao fim.

Chegou ao fim também a disputa do WTA Championships em Doha, no Qatar.

Durante três anos a capital árabe sediou o mais importante campeonato de tênis do calendário, depois dos Grand Slams.

Próximo destino: Istambul, na Turquia.

Estive em Doha no primeiro ano do evento. Trabalhei para o evento acontecer, fui Media Director internacional da competição e realmente o evento é comparável aos outros Masters que já estive. Não deixa a desejar. A estrutura é de primeiríssimo mundo e tudo para as jogadoras, imprensa, patrocinadores, público é do bom e do melhor.

Mas, mesmo tendo participado do evento e sabendo da importância que a competição tem para o País, que quer se posicionar como um polo esportivo e ganhar cada vez mais espaço no mapa mundi, me questiono quanto ao legado para o povo local e quanto a relevância do torneio na esfera internacional.

Doha já tem um grande campeonato de tênis masculino – ATP e um feminino. Ver estrelas do circuito pelas ruas e pelos luxuosos hotéis da região não é novidade para ninguém.

O país se empenha sim em desenvolver o esporte. É só notar quantos eventos esportivos tem sido dispuatdos por lá ultimamente, mas o quanto isso vai desenvolver o tênis entre os Qataris, não sei precisar e não consigo enxergar muito além. Se não houvesse torneio algum de tênis por lá, aí sim a história poderia ser diferente.

Compartilho da mesma opinião sobre a disputa em Istambul, no próximo ano.

Apesar da Turquia ser um país um pouco mais próximo culturalmente do ocidente do que o Qatar, que contribuição trará para o tênis jogar o Masters por lá.

Pode ser que não esteja pensando globalmente e que esteja sendo muito ocidentalizada. Mas, para mim, estes campeonatos tem que ser disputados em grandes arenas, com tradição no esporte.

Claro que há uma questão financeira importante ao levar os campeonatos para lugares distantes e países que estão tentando se posicionar, mas será que vale a pena?

Será que não teria muito mais valor de marca para a WTA, para os fãs e público, jogar no Madison Square Garden como era feito antigamente ou mesmo em Londres onde hoje competem os homens? Será que os jornalistas de diversas partes do mundo não teriam ido ao torneio, mesmo sem americanas competindo?

A WTA até tentou continuar nos Estados Unidos. Colocou a disputa do Masters em Los Angeles e foi um desastre de público e mídia. O local não tinha tradição no esporte.

Os anos em que o Masters da ATP foi disputado em Houston também foram criticados. Agora, em Londres, parece estar no lugar certo.

Não vou dizer que foi estranho ver o Masters em Lisboa. Parecia algo natural, numa arena coberta, na Europa, onde foi disputado por muitos anos – especialmente na Alemanha. Quando foi para Shanghai nós brasileiros sofremos com o fuso-horário para assistir e compreender o que se passava na Ásia.

Não combinou também. É, devo estar sendo super ocidentalizada, nada globalizada como costumo ser, nada a favor do esporte para todos, mas nestes locais, apesar do esforço dos organizadores, da ATP, WTA, das tenistas, falta aquele algo a mais.

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Parabéns Kimiko Date Krumm! Aos 40 anos na final em Osaka e não é torneio Senior.

Já escrevi sobre a Kimiko mais de uma vez e hoje volto a falar sobre ela.  Não gosto de ser repetitiva, mas a história da japonesa é de se admirar.

Aos 40 anos de idade, depois de uma década de inatividade, ela derrotou mais uma favorita e está na final do WTA de Osaka, no Japão, o HP Open.

Nesta semana ganhou de Samantha Stosur e de Shahar Peer, depois de já ter derrotado tenistas 23 anos mais novas do que ela, como a britânica Laura Robson.

Muitos podem analisar as vitórias de Kimiko como um sinal de fraqueza do circuito. Até pode ser. Já tivemos jogadoras mais regulares e vencedoras, mas pra mim é a vitória da força de vontade, da paixão pelo esporte, pelo tênis, de se jogar em casa.

Assistindo constantemente a tenista se lesionar, ou ganhar um jogo importante e no dia seguinte não conseguir se recuperar fisicamente para continuar vencendo e avançando nos torneios, não acreditava muito que ela fosse se superar mais uma vez.

E aí está, na final de um outro torneio.

O duelo é contra a tailandesa Tamarine Tansurgarn, de 33 anos. É a final mais velha da história do Sony Ericsson WTA Tour.

Para saber mais sobre a quarentona da WTA, coloco a link do post que escrevi depois de bater um papo com ela e o marido, em Paris, neste ano.

http://gabanyis.com/?p=26

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

US Open Tennis – The Heat is on

Aqui no US Open não se fala em outra coisa, “The Heat is On.”

Li hoje de manhã no New York Times que desde 1993 não fazia tanto calor nesta época de US Open.

Raras vezes, nestes anos que venho ao torneio fez frio. É sempre quente, mas um pouco mais fresco à noite e um casaquinho tem que estar à mão em todos os momentos para suportar o ar-condicionado da sala de imprensa, dos restaurantes, do carro.

Neste ano, meu casaquinho só está fazendo a viagem do quarto do hotel para o US Open todos os dias, intacto. E o ar-condicionado da sala de imprensa está ligado no máximo.

Ontem à noite também, preferimos sentar numa mesa outside para jantar no Sushi Samba e dez minutos depois já tinha me arrependido da escolha. O calor às 22h estava de mais.

Ontem já estava vendo algumas entrevistas em que perguntavam aos jogadores se eles gostariam que a ATP aderisse ao “Heat Policy”, como faz a WTA, que permite que as jogadoras façam um break de 10 minutos depois do segundo set, quando a temperatura atinge níveis extremos. (Dizem que a temperatura de manhã estava 36ºC hoje).

Todas as respostas que ouvi dos jogadores da ATP é que mesmo com esse calorão, não deveria haver essa regra para a ATP.

Mesmo Sam Querrey, que admitiu estar sentindo cãibras hoje na partida em que venceu Klhan por 6/3 4/6 7/5 6/4, disse que não e que também não é favor de se construir uma quadra com teto retrátil para que se feche o teto quando estiver muito quente.  “O tênis é um esporte físico. Você deveria ser recompensado pelo trabalho duro. Se você é um jogador que está em forma,  não deve ser prejudicado por isso.”

Baghdatis, eliminado ontem por Clement, disse que estava quente, mas que o calor não o afetou tanto. “Em Cincinnati também estava muito quente, mas já está assim há alguns dias. A gente tem treinado nesse calor. Não foi isso que me fez perder. Estava cansado mental e fisicamente.”

Clement, o vitorioso após mais de três horas de jogo, também afirmou que o calor estava forte, mas que é parte do jogo e que não é a favor de uma regra para altas temperaturas. “Alguns jogadores gostam de jogar quando está quente. Alguns gostam de jogar no inverno, na grama, indoor. Há tenistas que tem melhor físico e é bom enfrentar diferentes condições de temperatura. Sou contra ter uma regra.”

Tenista Americano que mais se destaco no Olympus US Open Series, Mardy Fish também falou sobre o calor. Dez quilos mais magro e ganhando jogo após jogo, Fish disse que está muito quente em NY, mas nada se compara ao que ele e o amigo John Isner enfrentaram na final em Atlanta, há pouco mais de um mês, vencida por ele. “Comparado a Atlanta, aqui está gostoso. Deve estar uns 20 graus a menos e nem tem a umidade. Claro que está calor, mas nem perto do que já passamos neste verão.”

Djokovic, que costuma sofrer com problemas respiratórios e com o físico também, disse ontem, após vencer Troicki em cinco sets, que o calor está aí para todos e que tem que enfrentá-lo, não há o que fazer. “Fui paciente e tentei não entrar em pânico. Estava esperando pela sombra. Passamos por situaçoes extremas muitas vezes.”

Gael Monfils, que venceu Robert Kendrick na segunda-feira, em cinco sets, disse que quando a sombra apareceu na quadra, ele ficou tão feliz que se sentiu num “encontro romântico com a namorada.”

Até mesmo o alemão jamaicano Dustin Brown confessou estar sentindo o efeito do calor. “Vivi na Jamaica durante uns sete oito anos da minha vida e estou acostumado ao calor. Mas hoje está muito quente. Lutei contra ele,” afirmou após a vitória sobre Ruben Ramirez Hidalgo.

Murray que não teve dificuldades para vencer Lukas Lacko, disse que na quadra central não se sente tanto o calor, mas que nas outras é pior. “Senti mais calor quando fui aquecer do que quando jogava.”

Eliminado pelo jovem Ryan Harrison, Ivan Ljubicic disse que o calor foi o seu pior inimigo hoje. “SEmpre tive dificuldade com o calor, durante toda a minha carreira. Já tentei diferentes táticas e nada funciona. Eu tenho muito suor, não me sinto bem, não me movimento bem e o Ryan estava jogando o melhor tênis dele. Acho que a regra que eles tem na Austrália de que quando se chega a uma certa temperatura ninguém joga, é a melhor. Esse break de 10 minutos, da WTA, não ajuda.”

Chela, que também venceu hoje (derrotou Yen HSun Lu(, afirmou ter a sensação de que o tênis pegava fogo.

Mas, ninguém foi mais assunto hoje do que Victoria Azarenka.

Ela caiu na quadra enquanto enfrentava Gisela Dulko, foi levada ao hospital e até sair o comunicado oficial muita gente achava que a queda estava relacionada ao calor.

Eis aqui o official statement:

“I was warming up in the gym prior to my match against Gisela Dulko when I fell while running a sprint.  I fell forward and hit my arm and head.  I was checked by the medical team before I went on court and they were courtside for monitoring. I felt worse as the match went on, having a headache and feeling dizzy.  I also started having trouble seeing and felt weak before I fell. I was taken to the hospital for some medical tests and have been diagnosed with a mild concussion.“

Mas, esse assunto de calor não deve durar muitos dias.

O Hurricane Earl está previsto para chegar na sexta-feira.

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Dokic e Lucic, as ex-prodígios, com histórias de pais abusivos e que continuam lutando na WTA. Dokic já está entre as top 100 de novo.

As atenções do tênis mundial estão voltadas nesta semana para o Masters 1000 de Toronto, a Rogers Cup, com o retorno de Nadal, Federer e Djokovic às quadras, depois de um mês de descanso do tour.

Mas, já faz tempo que quero escrever sobre a Mirjana Lucic e Jelena Dokic. E hoje, ao passar os olhos sobre o ranking da WTA e ver o de Dokic no 82º posto, resolvi aproveitar para falar sobre a croata e a sérvia.

Quando as vi pela primeira vez no circuito, há mais de 10 anos, elas eram do leste europeu, eram jovens e pareciam prontas para dominar o mundo do tênis. Com estilo de jogo agressivo e cabelos loiros colorindo as quadras do mundo, elas eram a sensação na WTA.

Mas, diferente das histórias de outras meninas prodígio da época, como Martina Hingis, Anna Kournikova e Serena Williams, Dokic e Lucic viajavam com pais um pouco diferentes dos já diferentes pais de tenistas.

Sim, Martina ganhou o nome da mãe Melanie, em homenagem a Navratilova. Queria fazer da filha uma campeã no tênis. As irmãs Williams fizeram o sonho do pai se tornar realidade e Kournikova viajava todos os torneios com a mãe. Mas, nenhum deles, pelo menos que se saiba, bateu na filha, abusou sexualmente, foi preso, expulso de algum torneio, passou dos limites com imprensa  e com as próprias meninas.

No caso de Lucic, semifinalista de Wimbledon em 1999 e de Dokic, semifinalista no ano 2000, isso aconteceu.

Lucic, um ano mais velha do que Dokic, não chegou ao quarto posto do ranking mundial como a hoje australiana Dokic. Seu auge foi o 32º lugar em 1998, ano em que precisou fugir de seu país, a Croácia, para se livrar dos abusos do pai, que batia na adolescente, após cada jogo que ela perdia.

Número um do mundo juvenil, campeã junior do US e do Australian Open, Lucic também era obrigada a se pesar diariamente na frente do pai. Caso estivesse acima do peso, apanhava. A mãe também sofria com os abusos do marido, que segundo a própria Mirjana batia nas crianças desde que elas eram pequenas.  A família chegou a se esconder na casa de Goran Ivanisevic, em Split, até conseguir asilo político, primeiro na Suíça e depois fixar residência nos Estados Unidos.

Com toda essa confusão mental na vida da então adolescente Mirjana, a carreira no tênis foi desmoronando aos poucos. Ela saiu do top 100 no ano 2000, sumiu dos rankings entre 2004 e 2007, engordou mais de 20 quilos e  agora, aos 28 anos, está chegando perto de um lugar entre as 100 mais bem colocadas do ranking mundial novamente.

Depois de perder todos os contratos, processar a IMG (International Management Group), ficar sem dinheiro para poder competir, está no circuito de novo e tendo que disputar os qualifyings de todos os torneios em que já brilhou.  Desde 2003 sem jogar um Grand Slam, passou o quali de Wimbledon e jogou a chave principal neste ano. Espera conseguir fazer o mesmo em New York .

Já Dokic tem uma história até mais complicada do que a de Lucic, por já ter sido top 5 e ter um pai que chegou a ser preso e foi acusado de abusar ainda mais fisicamente da filha. “Ninguém sofreu mais do que eu,” revelou Dokic em uma entrevista à revista Sport & Style, da Austrália, no ano passado.

Foi em 2009 que ela viveu um novo momento de conto de fadas ao alcançar as quartas-de-final do Australian Open, jogando novamente pela bandeira da Austrália e depois de ter disputado apenas um torneio do Grand Slam nos quatro anos anteriores.

Viu seu ranking subir, seu pai ser preso, viveu momentos de celebridade novamente. Assinou contratos com a Lacoste, JetStar, ganhou wild cards para vários torneios, mas seu corpo não estava tão pronto assim para aguentar a forte rotina do circuito mundial e logo os resultados pararam e vieram as lesões.

Pensei, sinceramente, que Dokic pararia por alí. Cheguei a vê-la na estreia em Roland Garros, mas ela foi facilmente superada pela checa Lucie Safarova. Ela parecia estar entrando naquela rotina de lesões e derrotas que depois de tantos infortúnios passados, tanta luta fora da quadra, acabam levando o atleta a desistir do esporte.


Mas, não foi o que aconteceu. Ela se separou do namorado e treinador Borna Bikic, e contratou o ex-técnico de Ana Ivanovic e Dinara Safina, Glen Schaap, ganhou três torneios seguidos da categoria Challenger, todos com premiação de US$ 75 mil (Bucareste, Contrexeville e Vancouver) e já está na 82ª posição no ranking mundial.

Para jogar o US Open ela provavelmente – se não ganhar um wild card – terá que passar pelo qualifying, mas não está preocupada. Ela afirma estar se preparando para a temporada 2011.

Que coragem e vontade destas meninas – elas ainda tem cara de menininhas, apesar de possuírem um olhar muitas vezes triste – de vencerem novamente. É admirável.

Para quem quiser ler uma história mais detalhada de Dokic, reproduzo a seguir uma material bem completa que escrevi – alias, adorei escrever – sobre ela, na edição 95 da Tennis View.

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Toronto ou Montreal? Tennis Canada traz inovações e ainda quer ver tenistas da ATP e WTA competindo nas duas sedes, ao mesmo tempo.

Comecei o dia hoje com a ideia de escrever este post para falar da volta dos grandes nomes do tênis às quadras, com a disputa do Masters 1000 do Canadá e na sequência, o de Cincinnati.

Apesar de todo mundo reclamar que a temporada de tênis é longa, que os grandes torneios deveriam ser mais espaçados, que as semanas de descanso poderiam se tornar uns dois meses, aposto que a maioria estava sentindo falta de ver ou ouvir falar de Rafael Nadal e Roger Federer.

Desde o fim do torneio de Wimbledon, há mais de um mês, nenhum deles jogou. Algumas outras estrelas do esporte, como Djokovic, disputaram a Copa Davis, ou jogaram um ou outro torneio do Olympus US Open Series, que começou há duas semanas, mas de Nadal e Federer só se viu fotos nas praias da Espanha e da Itália.

A ideia era falar um pouco deles e dos dois Masters 1000 na sequência, mas na hora de me atualizar sobre o primeiro, o de Toronto, achei e fui lembrando de tantas histórias e notícias interessantes que Nadal e Federer vão ficar para outro momento.

O Masters 1000 do Canadá tem uma história antiga. Começou a ser disputado em 1881. As sedes do torneio se alternam a cada ano. Um ano os tenistas jogam em Montreal e no outro, em Toronto, se revezando com as mulheres.


Neste ano o Masters 1000 será realizado em Toronto, na sede da Universidade de York, um bonito campus, não muito distante da metrópole.

Desde 2004, quando o estádio novo ficou pronto, o evento ganhou um upgrade e tem uma das mais belas estruturas do circuito. A quadra central tem capacidade para 11.800 pessoas, com luxuosas salas VIPs, inúmeros restaurantes e facilidades para o espectador.

Sempre querendo inovar, a Rogers Cup, que é disputada em duas semanas, sendo a primeira sempre masculina e a segunda feminina mudará no ano que vem.Passará a ser realizada simultaneamente, ou seja, tenistas da ATP e WTA continuarão alternando as sedes ano a ano, mas jogarão na mesma semana.

É a tendência do circuito de cada vez mais fazer campeonatos de homens e mulheres juntos, como já acontece em Indian Wells, Miami e Madrid além dos Grand Slams. Mas, no caso do Canadá pelo fato dos eventos serem disputados em duas sedes, será um novo desafio para a Tennis Canada, a Federação de tênis canadense.

O colega jornalista Tom Tebbutt, publicou na sua coluna de quarta-feira, no The Globe and Mail, uma entrevista com o Presidente da Tennis Canada, Michael Downey, em que ele tem grandes planos para o evento.  Para o ano que vem, quer inundar os canais de televisão com jogos ATP e WTA simultaneamente e tinha uma ideia mais arrojada de fazer metade da chave masculina e metade da feminina em cada sede, com os jogadores viajando de Montreal para Toronto e Toronto para Montreal, para disputar a final. Mas, num primeiro momento a ideia não foi bem aceita pelos jogadores. Ele quer agora ver como vai funcionar no ano que vem, deixar a história esfriar e quem sabe retomar o assunto e ver se os tenistas se acostumaram à ideia.

Nadal faz sorteio da chave ao vivo, com Live Streaming, direto da CN Tower

Mas, nem por isso a Rogers Cup deixará de inovar em 2010. O sorteio da chave será transmitido ao vivo nesta sexta, 16h (Toronto), com live streaming no novo site da Tennis Canada – lovemeansnothing.ca – com Rafael Nadal, direto da turística CN Tower.

Vamos ver como evoluirão os canadenses.

O Masters 1000 seguinte, o de Cincinnati, no ano que vem, terá disputa de homens e mulheres ao mesmo tempo e há pouquíssimos anos, nem havia um WTA feminino no meio-oeste americano.

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized

Mais de 15 anos de investimento trazem retorno ao tênis da Colômbia. País tem 2 top 70 na ATP e outros estão subindo.

Faz mais de 15 anos que a marca colombiana Colsanitas entrou no tênis mundial. Começou patrocinando um torneio Future feminino, em 1993 e  foi aumentando o investimento em campeonatos na Colômbia, passou a patrocinar jogadoras, até criar a Equipe Colsanitas masculina e feminina.

Fabíola Zuluaga foi o maior destaque do time, alcançando a semifinal do Australian Open em 2004 e chegando ao 16º posto no ranking mundial.

As vitórias de Fabíola mantiveram o patrocinador motivado e eles foram cada vez mais incrementando o patrocínio e montando um centro de treinamento e um staff de alto nível, para o Programa de juvenis que hoje virou o Programa de Alto Rendimento, com técnicos, preparadores físicos, médicos e psicólogos e realizando inúmeros torneios de diferentes categorias na Colômbia.

Já faz algum tempo que venho notando a ascensão colombiana no circuito.

Alejandro Falla o jogador número dois da Colômbia chamou atenção recentemente ao levar Roger Federer a disputar uma partida de cinco sets, na estreia em Wimbledon. Mas, já vinha tendo bons resultados. Dos qualifyings de Grand Slams passou a entrar direto nas chaves principais. Foi às quartas-de-final em ‘s-Hertogenbosch e na semana passada alcançou as quartas em Los Angeles, perdendo para Murray.

O número um, Santiago Giraldo, assim como Falla, não tem nenhum título na ATP, mas está sempre aí, jogando os maiores torneios do mundo e de tanto disputar os qualifyings, cresceu e hoje é o 58º colocado no ranking mundial.

Cabal

Escrevo este post de Campos do Jordão, onde dois colombianos estão nas quartas-de-final: Juan Sebastian Cabal e Robert Farah, os números quatro e cinco do País (Além deles também está no torneio o número sete do ranking colombiano Eduardo Struvay, que passou o qualifying e perdeu para Hocevar na estreia).

Farah recentemente ganhou o Challenger de Bogotá, com premiação de US$ 100 mil e deu um salto na carreira, começando a deixar para trás os torneios Futures.

Cabal, semifinalista em Bogotá, segue na mesma linha.

Falla

Falla é o mais velho da turma, com 27 anos. Cabal, Farah e Giraldo tem 23 e se espelham em Falla.

“Foi ele que fez ressurgir o tênis na Colômbia. Tivemos o Maurício Hadad que era o grande ídolo do nosso País – foi 78º na ATP – , e quando ele parou há mais de 10 anos o tênis tinha praticamente morrido,” contou Cabal, aqui na sala de imprensa da MasterCard Tennis Cup.

Chamei o tenista para saber o que ele esperava do próximo confronto no torneio, que sera contra Ricardo Mello e acabei batendo um interessante papo sobre muito do que escrevi neste post.

Cabal contou que todos os tenistas da equipe Colsanitas viajam com um técnico e que se, por acaso, um dos treinadores não pode ir, vai um preparador físico.Eles vestem com orgulho a logomarca da empresa nos seus uniformes e é a Colsanitas, com toda experiência de anos de tênis que tem, que cuida da carreira dos jogadores e negocia contratos de patrocínio.

O espanhol Marco Aurélio Gorriz, que  jogou o circuito – esteve entre os top 100 –  e foi técnico de Alberto Martin por muito tempo,  é o chefe dos treinadores e costuma viajar com Falla e Giraldo. Aqui em Campos Cabal e Farah estão acompanhados pelo capitão da Copa Davis da Colômbia, Felipe Béron. É ele que comandará a equipe, em setembro, no confronto com os Estados Unidos, no saibro, em casa e que pode colocar o País no Grupo Mundial da competição.  O renovado American Team do capitão Patrick McEnroe, provavelmente com Sam Querrey, John Isner, Mardy Fish e os irmãos Bryan, fará primeira viagem a América do Sul desde que os Estados Unidos ganharam do Brasil em Ribeirão Preto, em 1997, com Courier, Malivai Washington, Richey Reneberg e Alex O’Brien vencendo o time de Meligeni, Guga, Oncins e Roese.

Esse confronto EUA x Colômbia, que há algum tempo pareceria simples para os americanos, mesmo no saibro colombiano, hoje se tornou dos mais complicados, ainda mais porque pode entrar para a história. Os colombianos nunca chegaram ao Grupo Mundial, mas depois de mais de uma década de investimentos, a Colsanitas pode vir a ter o empenho recompensado.

No tênis feminine, mesmo já tendo colhido os frutos com Fabíola Zuluaga, a Colsanitas, não parou. Continua fazendo o WTA em fevereiro – aquele primeiro torneio Future que realizaram se tornou um evento Tier I com premiação de US$ 170 mil, do mesmo nível que a própria Zuluaga venceu em 1999, em São Paulo, quando a cidade sediava um evento da categoria e tem como grande aposta Mariana Duque Marino. Ela foi vice-campeã juvenil de Roland Garros, já jogou em Campos do Jordão e neste ano conquistou o WTA de Bogotá, a Copa Colsanitas.

Enhanced by Zemanta

1 Comment

Filed under Uncategorized

Sustentabilidade no tênis agora também no Brasil: Recycle, Reduce, Reuse

Incentivadora da sustentabilidade no tênis, tentando divulgar ao máximo o que os torneios de tênis vem fazendo pelo mundo, seja através deste blog, da Tennis View, de contar para conhecidos e pessoas influentes o que os maiores eventos vem fazendo, posto aqui com orgulho o press release que divulgamos hoje, direto da MasterCard Tennis Cup sobre as iniciativas do torneio para que ele seja, de alguma forma, sustentável.

Espero não estar ficando repetitiva. Sei que há poucos dias fiz um post sobre a iniciativa do torneio WTA de Stanford, de usar uma máquina para represssurizar as bolas diretamente no torneio, mas acho que divulgar esse tipo de informação é sempre válido e pode incentivar mais pessoas e eventos a Recycle, Reuse, Reduce – Reciclar, Reduzir e Reutilizar.  Inclusive foi através de uma iniciativa dessas que eu mesma comecei a fazer uma coletiva ainda mais seletiva em casa – só separava papel e plástico – , ao ganhar um kit da Braskem, no Rio Champions, no Rio de Janeiro, no início deste ano.


Outros torneios no Brasil já fizeram algumas ações, seja plantando árvores ou reciclando lixo. Todas as iniciativas são válidas e vão somando para que de alguma forma possamos colaborar com o nosso planeta.


“Um torneio limpo e sustentável. Esse é o objetivo da MasterCard Tennis Cup, maior torneio do inverno brasileiro e que acontece até o dia 07 de agosto nas quadras do Tênis Clube de Campos do Jordão. Seguindo a tendência dos maiores torneios do circuito internacional, que desde a temporada passada buscam iniciativas que diminuam o lixo e a emissão de gases na atmosfera, a MasterCard Tennis Cup adotou a ideia de realizar um torneio verde. Todo lixo reciclável é separado e recolhido pela Cooperativa Reciclagem Cidade Limpa.

Durante as duas semanas do torneio que distribui no total US$ 100 mil em premiação, para os torneios feminino e masculino, que contam pontos para os respectivos rankings mundiais, são consumidos mais de sete mil copos e 10 mil garrafas de água, 12 mil latinhas de refrigerantes 10 mil vasilhames de vidro, entre outros produtos trazidos por torcedores e visitantes. Uma parceria da Try Sports, empresa promotora do torneio, com a Tetra Pak e BrasKem possibilitou a colocação, no Tênis Clube de Campos do Jordão, de lixeiras de material reciclável e próprias para coleta seletiva de lixo.



Os jogadores também ganham um Kit para coleta seletiva residencial, como forma de multiplicar a consciência da reciclagem. Além disso, o óleo descartado pela Citron Gastronomia, responsável pelo Buffet no Stella Artois Hall, também está sendo enviado para reciclagem e os anéis das latinhas de refrigerante são recolhidos para o projeto FRATO Social, da FRATO Ferramentas (www.frato.com), e se convertem em cadeira de rodas para diversas entidades assistenciais.

Para finalizar, as bolas utilizadas na MasterCard Tennis Cup, cerca de 50 caixas, ou quase quatro mil bolinhas, serão doadas para o Projeto Social Escola de Tênis do Campos do Jordão Tênis Clube. Com isso, o torneio praticamente não terá geração de lixo e não causará impacto ambiental negativo na região de Campos do Jordão.”

Fotos dos tenistas Marcos Daniel e Paula Gonçalves, de Hedeson Alves

Na outra foto, eu e minha amiga e companheira de trabalho, a jornalista Lia Benthien


Enhanced by Zemanta

2 Comments

Filed under Uncategorized

Reciclagem de bolas chega a mais um torneio de tênis / Green Initiatives estão crescendo no esporte

O tema da sustentabilidade no tênis continua mesmo em alta.

Acabo de receber um press release do Bank of the West Tennis Classic, o Sony Ericsson WTA de Stanford, que começa na semana que vem e terá a participação de Sharapova, Ivanovic e Safina, entre outras, anunciando que as bolas usadas já tem destino certo, a reciclagem.

Uma parceria com a Rebounce, uma empresa que dá nova pressão às bolas usadas e doa para programas de inserção social, proporcionará que essa “repressurização” seja feita diretamente no torneio. A Rebounce criou uma máquina de tamanho acessível e que pode ser usada diretamente nos clubes e academias e que recicla até 3.000 bolas por mês.

Parceira da iniciativa de reciclagem de bolas na França / Roland Garros, a FEDEX também se uniu à campanha americana e doará o transporte das bolas através do serviço de caminhão.

Reproduzo abaixo o press release enviado pelo colega Sam Henderson, explicando todo o processo:

“Bank of the West, title sponsor of the Bank of the West Classic, today announced a tournament recycling initiative with Rebounces, organizers of the first national tennis ball recycling campaign. FedEx Ground, the small-package ground shipping service, will donate transportation of used tennis balls to Rebounces’ headquarters.

An estimated 300 million tennis balls are manufactured each year worldwide, and Bank of the West is encouraging tennis players and fans to bring old tennis balls to the Bank of the West Classic and recycle them. Tennis balls lose pressure with use and typically are discarded. For each dozen balls returned at the tournament July 30 through August 1, the bank and Rebounces will provide one can of new balls.

Balls collected at the Bank of the West Classic July 26- August 1 will be re-pressurized using Rebounces’ patented technology and a portion of these will be donated to Youth Tennis Advantage (YTA), a nonprofit organization dedicated to serving youth in Oakland and San Francisco through a program of tennis and academic tutoring.

Rebounces re-pressurizes tennis balls to restore dead balls to their original bounce. Rebounces’ new Green Tennis Machine allows tennis facilities to re-pressurize tennis balls on-site, saving money and reducing landfill waste. With a capacity of 400 tennis balls, the machine can re-pressurize 3,000 balls monthly and pay for itself in a year or two at an average-sized tennis club, according to the company.

Rebounces collected over 100,000 balls from tennis clubs and tournaments in 2009 and expects to collect more than 500,000 in 2010.”

Enhanced by Zemanta

Leave a Comment

Filed under Uncategorized